3 Outubro 2022, Segunda-feira
- PUB -
InícioLocalAlmadaProva de resistência entre santuários percorre 43 quilómetros com vista para o...

Prova de resistência entre santuários percorre 43 quilómetros com vista para o Atlântico

O objectivo não é competir, mas sim levar os participantes a conviverem e descobrirem paisagem e história entre Sesimbra e Almada

- PUB -

A prova de resistência pedestre Marcha Oceânica, que liga o Cabo Espichel, em Sesimbra, ao Cristo-Rei, em Almada, vai decorrer no próximo sábado e, neste momento, já estão mais de 230 pessoas inscritas para percorrerem o percurso de 43 quilómetros.

Com partida às 7h00 do Santuário Nossa Senhora do Cabo Espichel, a prova, que teve apresentação oficial na passada terça-feira, no Auditório dos Serviços Centrais da Câmara do Seixal, é organizada pelo Grupo Desportivo Unidos do Arco (GDUA). Na altura, estiveram presentes eleitos dos executivos municipais de Sesimbra, Seixal e Almada, além do presidente da Junta de Freguesia de Corroios, Hugo Constantino.

Não sendo uma prova competitiva, esta tem por objectivo mostrar aos caminheiros de todo o País as maravilhas naturais e paisagísticas da Costa Azul, percorrendo a frente da península com vista para o Oceano Atlântico, com passagem por vários locais históricos, terminando no Santuário do Cristo-Rei.

- PUB -

Instalado em Corroios, Seixal, o GDUA, possui actualmente cerca de 700 sócios. Foi fundado em 1977, e é uma instituição sem fins lucrativos, que proporciona caminhadas aos seus sócios, integrando a Federação de Campismo e Montanhismo de Portugal (FCMP)

 

Comentários

- PUB -

Mais populares

Transportes em Setúbal: “Isto não está mau. Está péssimo!”

Reuniões com a população expõem drama de grandes dimensões contado em testemunhos trágico-cómicos

Alsa Todi não verá mais um cêntimo de Palmela se não cumprir o contrato

Município está indisponível para continuar a financiar o sistema e reclama à TML a aplicação de penalidades à operadora

Acidente de trabalho com um reboque faz um morto e um ferido

Vitimas estavam a trabalhar debaixo da estrutura que lhes caiu em cima
- PUB -