8 Fevereiro 2023, Quarta-feira
- PUB -
InícioLocalSeixalCampeã Mundial de Atletismo “Maria de Portugal” diz que agora só corre...

Campeã Mundial de Atletismo “Maria de Portugal” diz que agora só corre pela família mas continua a competir

Aos 82 anos, no atletismo é a mais medalhada de Portugal. Sempre a rir, admite que a corrida ocupa agora o segundo plano

 

- PUB -

“Cuidado com o degrau, filhinho”, pede Joaquina Flores ao marido. A tactear a parede, Januário Flores encontra o interruptor e faz chegar a luz ao anexo, revelando centenas de medalhas, milhares de troféus e um número incontável de condecorações que competem por espaço entre as vitrines.

“Se soubesse que ela se ia tornar atleta tinha construído uma garagem com o dobro do tamanho”, brinca Januário. Aos 82 anos, Maria Joaquina Flores podia gabar-se de ser Campeã Mundial de Atletismo e a atleta mais medalhada de Portugal, não fosse a humildade impedi-la. “A maior parte dos dias, nem sequer me lembro”, confessa.

Equipada a rigor e com a trança característica a acompanhar-lhe os movimentos, a octogenária prefere mostrar os presentes que lhe são oferecidos e que guarda religiosamente num espaço dedicado a si, na vivenda em Vale de Milhaços, concelho do Seixal.

- PUB -

“Esta ‘florinha’ foi me dada por um velhote na Irlanda”, diz apontando para uma flor amarelecida. “Mandou parar o autocarro onde seguiam as atletas e entrou com a flor na mão. Pensei que a fosse oferecer a alguém mais jovem e bonito, mas escolheu-me. Fiquei muito comovida”.

Já perdeu a conta às conquistas e é o carinho dos fãs que lhe alimenta a alma vivaça. Até aos 49 anos nunca tinha praticado desporto e foi numa brincadeira com o irmão, atleta, que descobriu este mundo.

“Nunca tinha calçado uns ténis na vida”, comenta. “Ia levar o meu irmão aos treinos em Alvalade e ficava à espera que terminasse. Um dia, fui treinar com ele para passar o tempo e, quatro meses depois, estava a participar na minha primeira prova no Moinho da Maré [Corroios]. O meu irmão disse-me para ir na desportiva, que era tudo uma brincadeira”.

- PUB -

Rodeada de atletas mais jovens e sem nunca ter competido, foi ao conquistar o primeiro lugar do pódio numa prova de 15 quilómetros que Joaquina descobriu que tinha uma extraordinária capacidade de resistência. “O que é que a velha está ali a fazer?”, gritavam na plateia. “A velha não só chegou ao final como ganhou àquela gente toda”, ri.

Educada rigorosamente no seio de uma família numerosa, entre os pais e irmãos, a surpresa foi geral. “Chamavam-me ‘maluquinha’. O meu pai era muito rígido e sempre me disse que o lugar da mulher não era a correr, mas com o tempo foi ficando orgulhoso. Nunca me o disse, mas eu sabia que sim”.

Sentindo o sabor da vitória, nunca mais parou de correr. Para orgulhar os feitos da companheira, Januário apressa-se a folhear documentos escritos por si que comprovam a participação de Joaquina em mais de 190 provas nacionais e 60 internacionais, sagrando-se campeã do Mundo e da Europa nos 10 mil metros pista na categoria veteranos.

“O meu marido tem tudo apontado. É o meu empresário”, declara a desportista. “Às vezes, dizia-lhe que não queria viajar para não deixar os netos, mas não me dava hipótese. Saía de casa sem dizer nada e quando regressava já trazia tudo pago”.

“Marquinhas, não te rias. Dedica-te à prova”

Quem corre por gosto, não cansa e ‘Marquinhas’, como é conhecida entre a família, é a encarnação do velho ditado. O segredo, diz, é gostar do que faz e levar sempre um sorriso no rosto. Quem não se diverte tanto com o cenário é o irmão e treinador que prefere que a atleta se concentre. “Oh Marquinhas, não te rias. Dedica-te à prova”, ralha.

Foram a simpatia e o sorriso “de orelha a orelha” que a distinguiram das restantes atletas num Campeonato dos Estados Unidos, originando o cognome “Maria de Portugal”, que perdura até aos dias de hoje. “Quando cortei a meta em primeiro lugar, os americanos ficaram doidos. Comentavam que não parava de rir e nem parecia cansada”.

Com mais de 30 anos dedicados ao atletismo, a veterana admite que já não tem intenção de competir. Porém, a última prova foi disputada no passado domingo, no 14.º Grande Prémio de Fernão Ferro, tendo obtido o 3.º lugar em +65, e em Fevereiro tinha participado no 35.º Grande Prémio de Carnaval do Alto do Moinho, onde alcançou o segundo lugar no escalão +65 anos, mas admite tê-lo feito “na desportiva”.

Uma avó de mimos

Esposa, mãe e avó, também na família, Joaquina Flores tem medalhas de distinção. “Daqui a nada vou fritar o bife e as batatinhas para o jantar do meu menino”.  Enquanto isso, um olhar de relance para o relógio é suficiente para a recordar dos afazeres: “Ai perdi-me nas horas, tenho de ir buscar o meu netinho à escola”.

Tiago Gavino, de 17 anos, está habituado aos mimos da avó e confessa gostar de toda a atenção. “É muito querida, a minha avozinha. Muito brincalhona também. Está sempre à espera do melhor momento para me pregar partidas”, conta o jovem.

A energia efusiva de Joaquina é agora depositada em momentos com a família. Januário ainda mantém a esperança de tornar a ver a esposa representar o País num Campeonato Mundial, mas a veterana afasta a ideia. “Correr? Agora só pela família”, frisa.

O hábito desportivo nunca a abandona e assume que gosta de “esticar as pernas” acompanhada pelo marido, na Herdade da Apostiça, em Sesimbra. “Damos uma voltinha devagarinho e, quando ele [Januário] se cansa, senta-se no carro a comer a laranjinha e eu dou uma pequena corrida. Tem de ser assim. Parar é morrer”, remata.

Comentários

- PUB -

Mais populares

Novo 10 de portas fechadas após polémica que envolve dívida de 700 mil euros

Empresário apresentou proposta ‘promissora’, que acabou por deixar proprietário do espaço de mãos a abanar

Estação de combustível da Repsol assaltada esta tarde em Setúbal

Indivíduo fugiu com o dinheiro da caixa. Ameaçou os funcionários com uma faca. Já são três os assaltos registados nos últimos quatro dias

“Vou tentar por todos os meios que me paguem aquilo que devem”

Restaurante Novo 10 fechado devido a uma dívida de 700 mil euros, funcionários sem ordenados e situação em tribunal sem fim à vista
- PUB -