26 Junho 2022, Domingo
- PUB -
InícioLocalPalmelaFederação de sindicatos defende aumentos maiores na Autoeuropa

Federação de sindicatos defende aumentos maiores na Autoeuropa

Fiequimetal diz que aumento de 2% nos salários é insuficiente

 

- PUB -

A Fiequimetal – Federação Intersindical das Indústrias Metalúrgicas, Químicas, Elétricas, Farmacêutica, Celulose, Papel, Gráfica, Imprensa, Energia e Minas defendeu hoje maiores aumentos salariais na Autoeuropa, face à rejeição do pré-acordo laboral por 60% dos trabalhadores da fábrica de Palmela.

“Os aumentos de salário apresentados são insuficientes, tendo em conta o aumento do salário mínimo nacional”, refere a Fiequimetal, em consonância com a Comissão Sindical do SITE Sul, Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Transformadoras, Energia e Actividades do Ambiente do Sul, após a rejeição do pré-acordo laboral por mais de 60% dos trabalhadores da fábrica da Volkswagen em Palmela, distrito de Setúbal.

“Os trabalhadores da Volkswagen em Palmela têm vindo a perder poder de compra, numa altura económica e social complexa”, justifica a Fiequimetal, lembrando que, em 2021, os trabalhadores da Autoeuropa “não tiveram qualquer actualização salarial” e que o salário mínimo nacional deverá aumentar em “40 euros este ano e previsivelmente 45 euros no próximo ano”.

- PUB -

A Fiequimetal defende ainda que “não devem ser os trabalhadores a suportar mais uma vez as necessidades da administração”, considerando que “era isso que resultava da intenção patronal para as paragens de produção, ao propor a troca do pagamento do prémio de objectivos por dias de não laboração”.

O referido pré-acordo laboral foi o segundo a ser rejeitado pelos trabalhadores da Autoeuropa, dado que, em 21 de Maio do ano passado, já tinham chumbado outro pré-acordo negociado pela Comissão de Trabalhadores (CT) e a administração da empresa do grupo alemão Volkswagen.

 Segundo revelou a CT à agência Lusa, a administração da fábrica “prometeu voltar ao diálogo esta semana”, mas não se sabe ainda em que termos. Desde a instalação da fábrica da Volkswagen em Palmela, há mais de 30 anos, administração e trabalhadores sempre ultrapassaram os diferendos sobre as questões laborais na Autoeuropa.

- PUB -

 O pré-acordo laboral rejeitado pelos trabalhadores na votação realizada a 24 e 25 de Fevereiro garantia aumentos salariais de 2% em 2022 e 2023, com aumentos mínimos de 25 euros em 2022 e de 30 euros em 2023, a par da criação de mais um escalão – letra G –, que permitia aos trabalhadores que já estão no topo de carreira (letra F) beneficiarem de um aumento adicional de cerca de 2%.

 Previa ainda a manutenção do quarto turno e a possibilidade de um máximo de 44 ‘down-days’ (dias de não produção, mas que seriam pagos na íntegra), face à previsível falta de semicondutores, que, no ano passado, obrigou a várias paragens de produção.

A administração da fábrica comprometia-se ainda a garantir a vinda de um novo veículo da Volkswagen para ser produzido na fábrica de Palmela, que actualmente produz apenas a nova versão do T-Roc e a Volkswagen Sharan, estando previsto que este último modelo seja descontinuado dentro de poucos meses.

Comentários

- PUB -

Mais populares

Avó e mãe de Jéssica cantaram em programa da TVI enquanto menina estava sequestrada

Família materna da vítima marcou presença em caravana de “Uma Canção Para Ti” na véspera da morte da criança

“Queremos ser uma das maiores potências desportivas do distrito de Setúbal”

Tiago Fernandes, presidente do Juventude Sarilhense

Menina de três anos morre em caso suspeito de maus tratos pela ama

Criança apresentava ferimentos na boca e nariz e hematomas no corpo. Ama disse que tinha caído de uma cadeira no dia anterior
- PUB -