27 Maio 2022, Sexta-feira
- PUB -
InícioÚltimasProdutores de arroz do Vale do Sado estimam quebra de até sete...

Produtores de arroz do Vale do Sado estimam quebra de até sete milhões de euros devido à seca

Presidente da APARROZ mostra-se preocupado com “taxas de armazenamento muito baixas” das barragens de Pego do Altar e Vale do Gaio, em Alcácer do Sal

 

- PUB -

Os produtores de arroz do Vale do Sado, no Alentejo, estimam este ano reduzir a área de cultivo em 2 500 hectares e apontam uma quebra de até sete milhões de euros de receitas devido à seca.

“Voltamos a ter mais um ano de seca, que vai afectar as áreas cultivadas de arroz, especialmente nos perímetros de rega do Vale do Sado”, lamentou hoje à agência Lusa João Reis Mendes, presidente do agrupamento de produtores.

O responsável do Agrupamento de Produtores de Arroz do Vale do Sado (APARROZ) estimou que, “eventualmente, cerca de 2 500 hectares não se possam cultivar” por causa da seca que afecta a região, assim como a generalidade do País.

- PUB -

Além disso, estimou quebras “na ordem dos seis a sete milhões de euros” no rendimento dos orizicultores da região do Vale do Sado, zona “onde não há muitas alternativas” de cultivo agrícola, visto serem “zonas de terrenos salgados”.

No Vale do Sado, que compreende os concelhos de Alcácer do Sal, Grândola e Santiago do Cacém (Distrito de Setúbal) e parte dos de Ferreira do Alentejo e Odemira (Beja), o arroz é cultivado em “7 500 hectares”, dos quais “5 a 6 mil“ só no município de Alcácer do Sal.

Por se tratar de uma cultura “que utiliza a água para rega e regulação térmica”, o presidente da APARROZ mostrou-se preocupado com “as taxas de armazenamento muito baixas” das barragens de Pego do Altar e Vale do Gaio, em Alcácer do Sal.

- PUB -

“Precisamos de utilizar água, que devolvemos depois ao circuito natural”, a partir de “perímetros de rega feitos nos anos 50 que são destinados exactamente à agricultura, nem sequer são destinados ao abastecimento público”, frisou.

Segundo o dirigente, estas situações foram discutidas “há três anos”, no âmbito de um grupo de trabalho coordenado pela Associação de Regantes do Vale do Sado e pela Agência Portuguesa do Ambiente e associações de produtores.

Em Setembro de 2019, foi entregue “um memorando ao ministro do Ambiente” no sentido “de preparar soluções” para ajudar a minimizar os problemas dos produtores na região. “Infelizmente não tivemos até agora nenhuma proposta de solução”, argumentou.

Entre as medidas propostas, enunciou, constava a “recuperação da água no fim dos canais, a construção de pequenas barragens para ajudar estas maiores que já existem ou a instalação de diques insufláveis para evitar que o sal do rio suba muito e que se possa utilizar a bombagem directa do rio”.

“O abastecimento da barragem do Pego do Altar, a partir da barragem do Alqueva, uma obra com algum custo, ficou ainda por resolver”, alegou, reclamando “uma maior atenção por parte do Governo” aos “produtores de bens alimentares”.

Segundo João Reis Mendes, a área de cultivo de arroz em Portugal está distribuída pelas bacias hidrográficas do Sado, Tejo e Mondego, sendo Alcácer do Sal o concelho “com maior área cultivada”.

Presidente da CIM do Alentejo Litoral reclama medidas do Governo

O presidente da Comunidade Intermunicipal do Alentejo Litoral (CIMAL), Vítor Proença, manifestou-se hoje preocupado com os efeitos da seca na agricultura e defendeu a adopção de medidas pelo Governo em relação aos recursos hídricos na região.

“O Governo tem de adoptar medidas relativamente aos recursos hídricos, porque as alterações climáticas vieram para ficar”, alertou à agência Lusa o presidente da CIMAL, Vítor Proença (CDU).

O também presidente da Câmara de Alcácer do Sal reconheceu que a situação “é preocupante” na região do Vale do Sado, “sobretudo para a agricultura”.

Mas, reconheceu, não se compara com a da albufeira de Campilhas, no vizinho concelho de Santiago do Cacém, “que talvez seja das piores situações”, ou mesmo com “o Roxo [Aljustrel] e parte do Mira [Odemira]”, no Distrito de Beja.

No Vale do Sado, “a situação, apesar de tudo, é um pouco mais confortável”, considerou o autarca, garantindo que a água da barragem do Pego do Altar, que está com uma capacidade de 53% de armazenamento, “vai chegar para a cultura do arroz”.

De acordo com o autarca, a albufeira de Vale do Gaio, que já tem uma ligação à barragem do Alqueva, “está a 52% e, se for necessário, vai-se comprar água à EDIA [Empresa de Desenvolvimento e Infraestruturas de Alqueva], que está a cerca de 31 cêntimos o metro cúbico”.

Isto “é muito caro, tendo em conta o que os agricultores pagam à Associação de Regantes” e Beneficiários do Vale do Sado (ARBVS), indicou.

Questionado sobre o abastecimento de água às populações, o presidente da CIMAL, que reúne os concelhos de Alcácer do Sal, Grândola, Santiago do Cacém e Sines, em Setúbal, e Odemira, Beja, disse que, de momento, “não há uma situação muito aguda”.

No que toca à agricultura, são necessárias “medidas urgentes” para “aumentar as reservas de água” na zona do Vale do Sado, reclamou o autarca.

“O Ministério da Agricultura, em conjunto com o Ministério do Ambiente e as associações de regantes, têm de adoptar medidas para guardar e aproveitar o máximo de água, porque há muita água que fica nas albufeiras, quando chove, mas há muita água que se perde”, afirmou.

Por isso, o presidente da CIMAL, reclamou do Estado apoios para as zonas do Baixo Alentejo e Vale do Sado, no âmbito do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR).

“Não se entende como é que no PRR foram abertos avisos de concurso exclusivamente para o Algarve, para a eficiência hídrica”, e “o Estado não olha para zonas muito mais graves, como o Baixo Alentejo e o Vale do Sado”, criticou.

HYN 

Comentários

- PUB -

Mais populares

Jovem de 16 anos morre colhido por touro nas Festas da Moita

Vítima foi transportada em estado crítico para o Hospital do Barreiro, mas acabou por não resistir aos ferimentos

Sonae Capital vende hotéis em Tróia

Apesar do negócio, multinacional mantém gestão do Aqualuz Tróia Mar&Rio e do The Editory By The Sea Tróia-Comporta

Bilhete de época para atrair mais vitorianos ao Bonfim em 2022/23

Sadinos avançam com medida para terem mais sócios no estádio nos jogos da Liga 3
- PUB -