13 Agosto 2022, Sábado
- PUB -
InícioLocalSetúbalServiços de água e saneamento a caminho da gestão pela Câmara de...

Serviços de água e saneamento a caminho da gestão pela Câmara de Setúbal

CDU e PS estão de acordo, o PSD prefere esperar para ver. Há ainda que avaliar como vai ser feita a transição da Águas do Sado para a Câmara Municipal

 

- PUB -

O contrato de concessão de água e saneamento, em Setúbal, está a terminar com a empresa Águas do Sado, que gere este sector há 25 anos, e a Câmara pretende o regresso deste serviço à gestão municipal.

Até 17 de Dezembro a autarquia vai ter de apresentar esta decisão à empresa, mas antes a mesma tem de ser aprovada pela Assembleia Municipal. O primeiro passo para pôr este processo a andar foi tomado na reunião pública extraordinária, na quarta-feira, por proposta da maioria CDU, e recebeu o voto favorável da banca do PS e abstenção do PSD.

Para a oposição esta é uma transição que vai obrigar a repensar uma nova estrutura municipal, a acautelar direitos dos trabalhadores e também que a população não fique prejudica quer em respostas de serviço quer no preço do mesmo.

- PUB -

Com a proposta a ser aprovada, boa parte das dúvidas foram colocadas pelo eleito social-democrata Fernando Negrão que, além das questões jurídicas e técnicas, e avaliação de problemas, afirmou que a Entidade Reguladora para a Água e Saneamento (ERSAR) e o Tribunal de Contas “vão querer saber sobre a comparação com outros modelos” para concluírem que a transição deste serviço é a melhor solução para a Câmara de Setúbal e para a população.

Embora tenha afirmado que o PSD “não é contra” esta transição do serviço da Águas do Sado para a autarquia, apontou ter “dúvidas de que um ano seja suficiente para resolver os problemas com a concessionária”; isto tendo em conta que o previsto é o mesmo estar nas mãos da Câmara de Setúbal em Dezembro do próximo ano.

“Não votamos a favor [abstenção] da proposta, mas estamos abertos ao regresso do sistema à gestão pública municipal”, disse o vereador do PSD alertando para que este procedimento “se faça com todo o cuidado”.

- PUB -

Ao mesmo tempo asseverou: “Com base nos estudos a que tivemos acesso, prevejo problemas graves na transição”; questões que elencou serem “de natureza económico-financeiras, realização de investimentos e renegociação de preços”.

E anteviu que se nem tudo for acautelado “é inevitável isto acabar num Tribunal Arbitral, o que irá onerar a Câmara em muitos milhares de euros”.

Questões que o vereador eleito pela CDU, Carlos Rabaçal, diz já estarem a ser acompanhadas.

Sobre a parte negocial afirmou, na mesma sessão pública, que já houve uma reunião com a directora da Águas do Sado, inclusivamente para saber se existiam contractos com empresas terceiras associadas à prestação do serviço; “o que não se coloca”, disse, e que também “não se coloca” a questão de “reequilíbrio financeiro”, a ser solicitado pela empresa. “Temos o parecer da ERSAR”, afirmou.

CDU garante que funcionários estão assegurados

Também a questão dos funcionários da autarquia que, neste momento, estão a prestar serviço na Águas do Sado, assegurou que a transição não os vai prejudicar “nem em direitos nem em tempo de serviço”. Inclusivamente, disse que a Câmara tem a porta aberta a funcionário do quadro da Água do Sado que queiram ingressar na nova estrutura a ser criada pela Câmara: Serviços Municipalizados de Água e Saneamento de Setúbal.

E o mesmo afirmou o presidente da Câmara de Setúbal, André Martins. “Terminada a concessão, os trabalhadores da Câmara que estão na Águas do Sado, voltam com as regalias a que têm direito”.

Mais firme nesta transição estão os eleitos socialistas. “Tem sido um objectivo comum, do PS e da CDU, a municipalização dos serviços de água e saneamento”, afirmou o vereador Fernando José na mesma reunião. E ele próprio lembrou que a privatização aconteceu com o presidente eleito pelo PS, Mata de Cáceres, em 1997, tendo ficado definido entre o executivo e a Águas do Sado que a concessão seria por 25 anos, portanto a terminar em Dezembro de 2022.

Apesar de votarem a favor da proposta da CDU, os socialistas não deram um ‘sim’ tácito, e levantaram algumas questões que consideram terem de ser resolvidas com o processo de transição. Além da questão da segurança contratual dos trabalhadores, Fernando José, eleito pelo PS) alertou que este processo “exige uma preparação rigorosa por parte da autarquia”, a qual pode “não se enquadrar” em termos de “âmbito e tempo”, e mesmo técnicos. Ou seja, mostrou dúvidas se “um ano é suficiente” para que o serviço passe das Águas do Sado para a Câmara Municipal “sem que os munícipes de Setúbal e Azeitão sejam prejudicados na prestação do serviço”.

Certo é que para os eleitos socialistas a transição do serviço de água e saneamento tem de obedecer a três pressupostos: “Reduzir a factura para os consumidores, garantir investimento na rede de abastecimento e prestação de mais e melhores serviços”.

Autarquia alega com estudo técnico

Segundo a autarquia sadina, a reactivação dos Serviços Municipalizados no concelho teve apreciação por um “estudo preparado por uma consultora externa”, o qual, do ponto de vista financeiro, concluiu que a transição deste serviço “deverá representar um valor acrescentado superior” para o município de Setúbal e melhores condições tarifárias para os utilizadores do sistema.

A mesma nota de Impresa, refere que este estudo, de análise sobre vantagens e desvantagens da gestão municipal, frisa que “em média, a gestão directa tende a verificar valores de tarifa mais reduzidos [para os utilizadores] em comparação com os restantes modelos”. Acresce a vantagem de permitir “uma mais rápida inclusão de novos tarifários e prestações a pagar”.

Foi ainda avaliado um cenário relativo à possibilidade de “prorrogação da actual concessão atribuída à Águas do Sado por um período de cinco anos”, e foi concluído que das “múltiplas vicissitudes que rodearam a execução do actual contrato de concessão, se afigura indesejável a opção pela renovação de solução similar”, sublinha ainda a mesma informação da autarquia.

Perante isto, a autarquia “entende estarem reunidos os pressupostos jurídicos e económico-financeiros para se enveredar pelo modelo da gestão directa”, por meio dos Serviços Municipalizados de Setúbal, estrutura à qual a exploração dos serviços em causa se encontrava entregue previamente à concessão das Águas do Sado”.

Comentários

- PUB -

Mais populares

PSP de Setúbal sem meios para se deslocar a atropelamento em frente à esquadra

Acidente na Avenida Luísa Tody fez uma vítima de 88 anos

Hospital da Luz Setúbal confirma nova clínica no centro da cidade

Dr. José Ferreira Santos, director clínico do estabelecimento, confirma pólo adicional para aproximar clientes do centro hospitalar

Festas do Barrete Verde com sardinhada, bailes e toiros em verdadeira largada brava

Um gostam, outros nem por isso, mas o certo é que a vila de Alcochete enche nas Festas do Barrete Verde
- PUB -