24 Maio 2022, Terça-feira
- PUB -
InícioLocalMontijoMobilidade, com aeroporto incluído, em destaque no debate entre candidatos à Câmara...

Mobilidade, com aeroporto incluído, em destaque no debate entre candidatos à Câmara do Montijo

Transmissão, que já foi vista por milhares de pessoas e gerou onda de comentários, continua disponível nas redes sociais

 

- PUB -

A mobilidade, com diversos aspectos relacionados, incluindo a possibilidade da localização do aeroporto no concelho, foi o tema central do debate entre os candidatos à Camara Municipal do Montijo, que teve lugar quarta-feira no centro da cidade.

O encontro, promovido pelo jornal O SETUBALENSE em parceria com a Rádio Sines, Popular FM, M24, ‘O Leme’ e a empresa Morning Panorama – responsável pela cobertura em vídeo e transmissão em directo – contou com a presença de todos os candidatos, à excepção de Ricardo Costa, candidato do Chega, que faltou por motivos de saúde de um familiar.

A mobilidade, primeiro tema lançado pelo moderador, o jornalista Mário Rui Sobral, foi o que já tinha sido mais referido pelos candidatos na ronda introdutória e acabou por dominar a troca de argumentos, até pelas diversas conexões, que levaram a conversa por ruas e passeios, ciclovias e transportes públicos, até ao aeroporto.

- PUB -

Nuno Canta, actual presidente e recandidato pelo PS, defendeu que “a Câmara Municipal tem feito um trabalho extraordinário” no domínio da mobilidade, que começou pela suave.

O socialista considerou que “o passe mais barato no concelho é importante para a ligação ao interior”, como a Canha, e afirmou que o plano para o Montijo no âmbito da Área Metropolitana de Lisboa “aumenta 40%” a oferta de carreiras. “A rede rodoviária é completamente diferente do que era há 20 anos”, disse.

João Afonso, cabeça-de-lista da coligação que junta PSD, CDS-PP e Aliança, começou por dizer que o Montijo “não tem um sistema de transporte público integrado”, uma vez que o actual se limita a transportar pessoas “de e para” o concelho.

- PUB -

“A Câmara do Montijo, como é uma câmara preguiçosa, nunca quis assumir a gestão dos transportes públicos”, atirou o social-democrata, que acusou ainda a gestão PS de “não ter qualquer candidatura” para aproveitar os seis milhões de euros que a ‘bazuca’ destina à mobilidade. João Afonso voltou a referir a necessidade de uma rede de mini-autocarros para o transporte urbano local.

Ana Baliza, candidata da CDU, destacou que esta força política “propõe-se elaborar” um plano de mobilidade e transportes para o Montijo, com base na “exigência de mais e melhores” meios públicos.

A comunista sublinhou ainda a necessidade de “vias clicáveis que liguem o exterior do concelho ao centro da cidade e que a rede toque todos os pontos” do território.

João Pereira, número um da Iniciativa Liberal, defendeu que “é preciso alterar as necessidades” para que o investimento numa “rede de transportes robusta” não seja “desbaratar recursos”.

O liberal argumentou que, tendo em conta que “os movimentos pendulares no Montijo são sobretudo para fora”, porque as pessoas dependem de postos de trabalho no exterior, é necessário “pensar o emprego na cidade”.

E concorda com a necessidade de mais transporte público na cidade, mas com investimento progressivo, “a começar por mini-autocarros e à medida da necessidade”. João Pereira disse ainda que “a mobilidade faz-se também a pé” e que, no Montijo, a condição de vias e passeios é “deplorável”.

Miguel Dias, candidato independente pelo PAN, começou por afirmar que a mobilidade é “fulcral” para o partido que representa, “até pelas alterações climáticas”, afirmou a importância de “desincentivar” o carro e incentivar o transporte público, apontando o fluvial por ser “muito mais fluido” e pela perspectiva de vir a ser mais eficiente, com os futuros barcos eléctricos da Transtejo.

O cabeça-de-lista do PAN defendeu ainda o transporte eléctrico entre o Cais do Seixalinho e o centro da cidade, e o sistema de meios partilhados, “não só de bicicletas”. Miguel Dias ‘puxou’ pelo tema da localização do aeroporto no Montijo, mostrando-se “frontalmente contra”.

Manuel Fona Vieira, que encabeça, como independente, a lista com a sigla do PPM, propõe-se criar uma rede de transportes públicos que “ligue as freguesias do concelho”, para que, nas mais distantes, como Canha e Pegões, as pessoas não continuem a deslocar-se “mais” a Vendas Novas do que à sede do seu concelho.

Falou também em “mudar o Cais do Seixalinho, mais postos de carregamento [de carros eléctricos]”, em lançar o “sistema ‘Montijo sem carros’ e “criar o metro de superfície que, mais tarde, pode abraçar Moita e Alcochete”.

Fona Vieira disse ainda que “há uma ciclovia que falta; a que liga Montijo à Atalaia”. Nuno Canta respondeu que está “prevista” e que “não foi feita mais cedo porque é preciso licença da Infraestruturas de Portugal”.

Ricardo Caçoila, candidato do Bloco de Esquerda, apontou ideias diferentes, como um “autocarro gratuito no centro da cidade, ligação às escolas – onde aproveitou para propor pequenos-almoços grátis para as crianças – e estacionamento na orla da cidade”, para retirar os carros do centro.

O bloquista defende ainda transporte público gratuito do Cais do Seixalinho para a cidade e uma “reorganização do trânsito” na zona mais urbana, mas avisa que não é boa política fazer opções, que “passam por transporte público”, sem um “plano estruturado” de mobilidade. O debate, com pouco mais de 2,5 horas de duração, está disponível nas redes sociais d’O SETUBALENSE (site, Facebook e Youtube).

Em apenas 24 horas, o vídeo já foi visto por mais de três mil pessoas. Só no página do jornal no Facebook, ontem tinha cerca de três mil visualizações e cerca de 700 comentários.

Reacções Candidatos comentam sondagem

O debate arrancou com um comentário dos candidatos à sondagem publicada no próprio dia.

João Pereira (IL) disse que os resultados do estudo indicam que “a oposição não convenceu”, que o “apelo ao voto útil torna-se inútil” e que confia que os eleitores que se têm abstido “percebam que tem de ser feita uma mudança”.

Fona Vieira (PPM) defendeu também a necessidade de que “as pessoas entendam que o Montijo precisa de ser reestruturado”, declarou-se “contra as maiorias absolutas” e acrescentou acreditar poder chegar à vereação.

Miguel Dias (PAN) concluiu que a sondagem mostra que o voto no concelho “está cristalizado”, porque há “forças que têm voto ortodoxo, regular”.

Nuno Canta (PS) recordou que o estudo “é uma intenção de voto”, mas garantiu que os resultados “confirmam” o que tem sentido na rua.

João Afonso (PSD/CDS-PP/Aliança) atacou a empresa Eurosondagem, responsável pela sondagem, e assegurou que não desiste. “Estamos tranquilos. Prontos para governar o Montijo. Quero pedir aos montijenses que não desmobilizem.”, foram algumas expressões usadas por este candidato.

Ricardo Caçoila (BE) recordou que ainda falta um mês para as eleições e mostrou-se confiante de que as “boas propostas” que o BE tem para apresentar possam “alterar o panorama das sondagens”.

Ana Baliza (CDU) queixou-se de os resultados serem divulgados “momentos antes” do debate e garantiu que as sondagens “não desmobilizam” os comunistas. “Andamos na rua e sentimos a força que nos é dada”, assegurou.

Comentários

- PUB -

Mais populares

Piscina na urbanização dos Fidalguinhos está quase a sair do papel

Obra de 3,5 milhões de euros já tem projecto e concurso pode avançar ainda este ano. Futuro equipamento terá capacidade para cerca de 700...

Cidade perde rede de agentes com chegada da Transportes Metropolitanos de Lisboa

Rede com mais de uma dezena de estabelecimentos, construída pelos TST, desfeita com chegada de nova transportadora, prejudicando utilizadores mais velhos

Jovem sequestrado e violado em casa de banho da estação de comboios de Coina

Rapaz de 16 anos foi abusado por homem de 43. Violador está agora em prisão preventiva
- PUB -