8 Maio 2021, Sábado
- PUB -
Início Desporto “Mesmo no Campeonato de Portugal o Vitória é o Vitória e nunca...

“Mesmo no Campeonato de Portugal o Vitória é o Vitória e nunca há-de deixar de o ser”

“Estamos a ser as referências de muita gente desta cidade que gosta do clube”, vinca

 

- PUB -

Em entrevista ao Canal de YouTube “Xala Fora de Jogo”, João Valido, guarda-redes do Vitória FC, de 21 anos de idade, falou do actual momento da equipa e revelou o que significa para si vestir a camisola do clube do coração.

O que significa ser jogador do Vitória?

Praticamente a minha vida toda de futebolista foi passada a representar o Vitória. Só não estive aqui um ano [representou o Benfica]. É uma responsabilidade muito grande. Neste contexto, sabendo das dificuldades que o clube tem, acresce um bocadinho essa responsabilidade. Sabemos que o lugar do Vitória não é onde estamos agora, é dos clubes com mais história em Portugal e já conquistou muitas coisas. É um clube bom para nós porque nos estamos a valorizar. Sendo realistas, se ficássemos na I Liga, seria mais difícil. Não significa que não viesse a acontecer porque estávamos integrados no plantel. Abriu-se esta porta e procuramos juntar o útil ao agradável, procurando ao máximo ajudar o Vitória e, também, pensar nos benefícios que podemos ter nas nossas carreiras.

- PUB -

O que vos transmitem Nuno Pinto, Mano, Semedo e Zequinha, jogadores mais experientes do plantel?

Vai fazer quatro anos que estou com eles e já são muitas as histórias e a aprendizagem que tenho tido com todos. Tentam ao máximo passar as vivências que já tiveram e situações que tiveram em quase 20 anos de carreira. Dentro campo olho para eles como colegas que são, mas dentro do balneário não os vejo só como colegas. Quem é jogador de futebol tem o sonho de fazer uma carreira como profissional. Todos conseguiram fazê-lo e são exemplos que temos entre nós.

Qual é a tua maior referência?

- PUB -

Não tenho uma pessoa ou um jogador em concreto, tenho várias. No futebol é claramente o Cristiano Ronaldo. Não só pelo que representa como jogador e pelos golos que já marcou, mas também pelo profissional que é e os sacrifícios que fez para ser o que é. Tive o prazer de estar com ele num estágio da Selecção e esses são momentos únicos que guardamos para o resto da vida. É uma pessoa que nos põe à vontade e dialoga connosco. Foi um momento incrível e vou guardá-lo para sempre.

Na baliza, é o Buffon. Por tudo o que representa e pelo guarda-redes que continua a ser. Gosto também dele pela pessoa e jogador que é, claro. Além do futebol, o tenista Federer. Tenho uma admiração enorme por ele. Não gostava muito de ver ténis, mas quando Federer joga é um momento sagrado em que tenho de estar em frente à televisão. No meio artístico, Bruce Springsteen é um músico que eu adoro. Ouço-o muito antes dos jogos, só ouço as músicas dele.

Consideras-te uma referência para as crianças que estão agora a começar no Vitória?

Sinto orgulho quando recebo algumas mensagens, independentemente da idade que tenham. Quando acabámos o jogo do Moura [triunfo 2-1 no Bonfim], um vice-presidente veio ter comigo a dizer que estava um miúdo no exterior do estádio que queria falar comigo, tirar uma fotografia e pedir um autógrafo. São esses pequenos exemplos que nos deixam felizes. Quando era miúdo e estava em casa ou no Bonfim via os jogadores do Vitória como exemplo. O Eduardo, o Moretto, o Diego, o Sandro, o Pitbull, tantos jogadores que via como referências, independentemente das suas posições em campo.

Agora, mesmo estando no Campeonato de Portugal, o Vitória é o Vitória e nunca há-de deixar de o ser. Estamos a ser as referências de muita gente desta cidade que gosta do clube. É uma responsabilidade que temos e temos de saber lidar com isso. É uma boa responsabilidade.

Além do Vitória, actuou uma época nos sub-17 do Benfica…

Sempre tive interesse do Benfica durante muitos anos e não quis ir. Em sintonia com a minha família, sobretudo o meu pai, sempre achámos que era melhor ficar aqui ao pé de casa onde tinha a escola. Fazia pentatlo moderno e treinava aqui perto. Na altura, quando era sub-17, falei com muita gente ligada ao futebol que me disse que era bom ir por ser uma experiência completamente diferente. Não foi uma decisão fácil de tomar, mas fui e não me arrependo de a ter tomado. Foi uma experiência incrível uma realidade muito diferente. Pensei que se antes ia a treinos e jogos da Selecção no Benfica também iria. Nada disso! Foi o único ano da minha formação em que não fui a um único treino da Selecção. No ano seguinte voltaamm a abrir-me as portas do Vitória para treinar logo com a equipa principal, mesmo sendo júnior de primeiro ano. Falámos com o Benfica que seria bom para mim e o clube chegou a acordo com o Vitória. Vim e desde aí fui aos treinos todos da Selecção e fui internacional pela primeira vez. No entanto, a experiência de ter ido ao Benfica foi positiva. Se não tivesse ido para o Benfica não era a pessoa e o guarda-redes que sou hoje. Também foi bom regressar ao Vitória.

Até onde acha que pode chegar?

Claro que todos têm a ambição de chegar à I Liga e jogar na Liga dos Campeões ou Selecção A. Qualquer miúdo de oito anos diz isso porque é um sonho legítimo que quem gosta de futebol tem. Gosto muito de viver o dia-a-dia e jogo agora no Vitória, no Campeonato de Portugal, e não estou preocupado se amanhã aparece uma equipa da II ou I Liga ou até do estrangeiro. No final da época logo se vê. Agora estou focado no que estou a fazer.

O que podem prometer aos vitorianos?

Tentar colocar o Vitória na I Liga, lugar de onde nunca deveria ter saído. Não vai ser fácil, mas a entrega e o esforço que temos demonstrado desde o primeiro jogo é algo que podemos continuar a prometer aos adeptos.

Define o Vitória numa palavra?

Paixão.

 

Ricardo Lopes
Jornalista
- PUB -

Mais populares

Barcos da Transtejo/Soflusa param travessia do Tejo a 20 de Maio

Na reunião de hoje com a administração da empresa, e conforme o que tinha sido decidido em plenário de trabalhadores da semana passada, o...

Sindicato não aceita aumentos de salários propostos pela administração da Autoeuropa

Administração da fábrica da Volkswagen em Palmela quer acordo que prevê aumentos salariais a três anos em função da taxa de inflação, sindicato contesta

Empresa dedicada à comercialização de canábis chega a Setúbal com nova unidade no parque BlueBiz

Espaço servirá para pós-colheita da planta medicinal. Produtora escolheu a cidade sadina “por possuir excelentes acessibilidades e oferecer flexibilidade nas suas instalações”   A empresa Clever...
- PUB -