30 Novembro 2022, Quarta-feira
- PUB -
InícioLocalAlmadaFreguesia da Costa de Caparica quer metro mas fora da cidade

Freguesia da Costa de Caparica quer metro mas fora da cidade

Para o presidente da junta o MST deve terminar à entrada da cidade, com ligação de autocarros eléctricos

A Costa de Caparica está na linha do relatório da extensão do Metro Sul do Tejo (MST) para poente do concelho de Almada, devendo ser o estudo apresentado pelo ministro do Ambiente e da Acção Climatérica até ao final de Fevereiro, assim prometeu o próprio João Pedro Matos Fernandes.

- PUB -

A expansão do MST até à Costa de Caparica é acarinhada pelo presidente da Junta de Freguesia local, mas José Ricardo Martins não quer o ‘Light Rail Vehicle’ a entrar dentro da cidade atlântica. “Defendo a vinda do MST até à Costa de Caparica porque responde a uma necessidade da população, mas não quero que rasgue o interior da cidade”. Para o autarca, a linha do metro ligeiro deve terminar no IC20, à entrada da localidade, e nunca prosseguir no miolo citadino pelas avenidas 1.º de Maio e General Humberto Delgado.

Embora reconheça as vantagens ambientais do metro ligeiro, o presidente da junta alega que o mesmo irá “causar incómodos” se atravessar o espaço urbano, “tanto para residentes como turistas”, e também será “prejudicial” para a economia do comércio local. “Sem pessoas a caminharem dentro da cidade, as lojas terão menos clientes”, comenta o autarca.

A visão futura de José Ricardo Martins para a mobilidade na Costa de Caparica é assim de uma cidade “amiga do ambiente e com mobilidade urbana”, por isso defende um interface do MST no final do IC20, onde deverá ser construído “um parque de estacionamento de suporte”, e ter também “vertente de ciclovia”. Quanto à movimentação rodoviária no interior da localidade, diz que deve ser feita por “transportes não poluentes”, caso de “autocarros eléctricos, em percursos circulares, para permitirem a distribuição de utentes entre o MST e os vários locais da freguesia”.

- PUB -

O relatório do estudo de expansão do MST a ser apresentado pelo ministro João Pedro Matos Fernandes, e que até ontem ainda não tinha data confirmada, poderá não considerar a extensão do metro ligeiro para nascente do concelho de Almada, justificando a decisão com a falta de procura. Assim sendo, o que parece estar em cima da mesa para esta zona, é um ‘Bus Rapid Transit’, ou seja, uma via dedicada a autocarros.

 

Comentários

- PUB -

Mais populares

Jovem morre esfaqueado em cilada durante convívio 

Vitima, na casa dos 20 anos, era estudante e trabalhador na Autoeuropa

Corpo do chefe dos Bombeiros Sapadores de Setúbal encontrado na Praia da Torre em Grândola

Identificação do corpo terá sido feita por familiares na morgue, onde será realizada a autópsia, não havendo, até ao momento, indícios de crime 

Acidente na A2 junto a Palmela faz um morto e dois feridos ligeiros

Colisão entre dois veículos ligeiros ocorreu ao quilómetro 24.9 da Autoestrada 2. Vítima mortal tinha 42 anos
- PUB -