11 Maio 2021, Terça-feira
- PUB -
Início Desporto Antigo director desportivo do Vitória nega furto de troféu

Antigo director desportivo do Vitória nega furto de troféu

O antigo diretor desportivo do Vitória de Setúbal, Rodolfo Vaz, negou hoje ter furtado um troféu ao emblema vitoriano, referindo que se tratou de um equívoco e que foi ele próprio a entregá-lo à PSP.

- PUB -

A PSP recuperou um troféu furtado ao Vitória de Setúbal, em 2020, que tinha sido oferecido à equipa de futebol, disse hoje à Lusa um dos vice-presidentes do clube sadino.

“A direção do Vitória Futebol Clube (VFC) informa os sócios e todos os amigos vitorianos que o troféu furtado do interior do estádio por Rodolfo Vaz [antigo diretor desportivo], foi recuperado pela PSP de Torres Vedras”, informou José Correia de Almeida, vice-presidente e presidente da Mesa da Assembleia-Geral da SAD.

Em comunicado, Rodolfo Vaz explica que lhe foi pedido para levar, em meados de “fevereiro ou março”, o troféu em causa para ser consertado, uma vez que estava danificado, tendo sido “colocado a arranjar numa oficina para se proceder ao restauro, acabando o artefacto por cair em total esquecimento e desinteresse”.

- PUB -

O antigo dirigente recorda que se “passaram meses” até, recentemente, receber uma chamada por parte da PSP a questionar sobre o troféu, tendo-se mostrado “disponível para recolher junto da oficina e entregá-lo” na terça-feira às autoridades.

Rodolfo Vaz foi constituído arguido e sujeito à medida de coação de Termo de Identidade e Residência. O Vitoria de Setúbal vai constituir-se assistente no processo.

Na queixa-crime apresentada pelo Vitória de Setúbal contra o ex-diretor desportivo e desconhecidos, a que a Lusa teve acesso, o clube sadino sustenta que, “em data não concretamente apurada”, mas que se situa entre o início de fevereiro e o início de março de 2020, “o denunciado [Rodolfo Vaz] retirou e levou consigo, fazendo seu” o troféu das instalações do clube, “sem que tivesse sido autorizado para tal, contra a vontade do Vitória”.

- PUB -

O troféu em causa foi entregue em 1929 ao Vitória, durante um torneio realizado no Brasil, no qual o clube “foi agraciado com uma estatueta de bronze (…) com figuras equestres, onde constava a inscrição em latim ‘Ave Caeser le Victor Salvet’, galardão que constitui parte do acervo do antigo museu Josué Monteiro e que se encontrava em exposição na sala de refeições/bar que serve a equipa de futebol profissional”.

Segundo a queixa-crime apresentada junto do Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Setúbal, “tal objeto possuía valor monetário não concretamente apurado, mas nunca inferior” a 5.100 euros, estimando o Vitória de Setúbal que, “sendo uma obra original do escultor, o seu valor rondará” os 75 mil euros.

“Com a sua atuação, o denunciado integrou no seu património coisa alheia, atuando com intenção ilegítima de se locupletar com objeto que bem sabia pertencer ao queixoso, contra a vontade deste, o que resultou num empobrecimento do real proprietário no montante de, pelo menos, 5.100 euros, com o correspondente igual enriquecimento por banda do denunciado, consumando-se o crime com a entrada da coisa na sua esfera patrimonial”, lê-se na queixa-crime.

Lusa

- PUB -

Mais populares

Barcos da Transtejo/Soflusa param travessia do Tejo a 20 de Maio

Na reunião de hoje com a administração da empresa, e conforme o que tinha sido decidido em plenário de trabalhadores da semana passada, o...

Sindicato não aceita aumentos de salários propostos pela administração da Autoeuropa

Administração da fábrica da Volkswagen em Palmela quer acordo que prevê aumentos salariais a três anos em função da taxa de inflação, sindicato contesta

Empresa dedicada à comercialização de canábis chega a Setúbal com nova unidade no parque BlueBiz

Espaço servirá para pós-colheita da planta medicinal. Produtora escolheu a cidade sadina “por possuir excelentes acessibilidades e oferecer flexibilidade nas suas instalações”   A empresa Clever...
- PUB -