5 Dezembro 2021, Domingo
- PUB -
InícioLocalSeixal“Trabalho para comer enquanto muitos fazem-no em razão do seu ego”

“Trabalho para comer enquanto muitos fazem-no em razão do seu ego”

Concretizou o seu sonho de criança depois de uma vida movimentada. Pinta sobre papel, tela e cortiça

Hugo Castanheira trabalha no n.º 1 do Largo da Igreja, no núcleo antigo do Seixal onde já estiveram sediados os Paços do Concelho. O relógio do templo pontua de hora a hora o labor do pintor para quem “uma obra tem que lhe dizer qualquer coisa, contar- -lhe uma história”.

- PUB -

Os pais viviam em Paio Pires e mudaram-se para o Seixal quando ele tinha um mês de vida. “Nessa altura, aqui, a vida era mais barata, incluindo as rendas de casa. Hoje, a situação inverteu-se”, explicou o artista, que diz por brincadeira que “se não tivesse nascido em 1974, não teria havido a Revolução de Abril”.

“Paio Pires era muito procurada por operários de todos os pontos do país, pois a Siderurgia laborava em toda a capacidade”. A sua infância e adolescência não diferirá das dos seus coetâneos: frequentou a Escola José Afonso, também conhecida pela escola das Cavaquinhas, praticou hóquei em patins, na posição de guarda-redes e, depois, basquetebol, tendo passado pelas classes de formação do Benfica.

Lição cruel mas proveitosa

- PUB -

Aos 18 anos de idade, decidiu “independentizar-se” e abalou para Inglaterra, “empurrado por mais umas das crises” que afectou de sobremaneira a juventude. “Foi a minha experiência de vida mais cruel, mas também a mais positiva”, salienta. Foi na terra de sua majestade que passou o primeiro Natal longe dos pais.

This slideshow requires JavaScript.

“Comecei por lavar pratos num restaurante chinês, depois trabalhei em catering num colégio militar, até que regressei a Portugal numa viagem de mala às costas, quer dizer, à boleia”, assim descreve um período da sua existência.

- PUB -

Sol de pouca dura. Tempos depois regressa ao Reino Unido e, digamos assim, a coisa correu muito melhor. “Como conheço várias línguas e vi reconhecida a eficiência do meu trabalho, alcancei funções de responsabilidade numa empresa multinacional, que, em busca de mão- -de-obra barata, abriu uma filial no nosso país. E cá estou eu outra vez em Portugal”.

Outros factos enaipam na sua movimentada existência: deixa a multinacional por razões pessoais, abre um restaurante e, em 1997, dedica-se exclusivamente à pintura. Não frequentou cursos, não passou por nenhuma escola de belas artes, deitou apenas ao seu imenso talento. É um genuíno autodidacta. “Desde criança que quis ser pintor”, confessa, e talvez aqui esteja toda a explicação do êxito que vai cimentando dia a dia.

“Sabe? Acho que há uma certa diferença entre mim e a maior parte dos outros pintores: é que eu trabalho para comer e para que os meus possam comer, enquanto muitos fazem-no em razão do seu ego!”, diz.

Associação Cultural L1B

O professor integra a Associação Cultural L1B, cujos alicerces foram lançados pela professora Gabriela Benavente, há cerca de uma década. “A L1B trabalha para a dignificação do nome do Seixal e para a preservação das artes e memória das suas gentes”, nas palavras de Hugo Castanheira. “Por conseguinte, promove encontros para avivar a tradição oral da região, ou sessões literárias que tenham a ver, de uma maneira ou outra, com o Seixal, seu folclore e história”.

Certo dia, o pintor pediu à Associação um “espaço para se consagrar a um trabalho mais direcionado para o público em geral, de modo a aprofundar a interacção entre a L1B e a população. A associação acedeu ao meu pedido e o espaço é este, onde nos encontramos”. E continua: “Como lhe disse, comecei a pintar sozinho, corria o ano de 1997, para tornar realidade o meu sonho de criança. Felizmente, passado pouco tempo, comecei a vender quadros, mas orientando o meu trabalho para a concretização de uma obra que me transmita um sentimento, que me conte uma história”.

Foi o Seixal que acolheu a primeira exposição do artista. Verificou, então, que a grande maioria das pessoas não comprava quadros, mas adquiria pequenos objectos, como cascas de ostra pintadas. Hugo pinta sobre papel, tela ou cortiça, mas também em outros materiais. “Continuo a fazer peças várias e a pintar em cortiça. A associação tinha pedaços de cortiça por todo o lado e eu pensei dar-lhes utilidade. Houve quem fizesse outras coisas, como brincos, por exemplo”, recorda o artista.

“Certa ocasião, alguém da Câmara do Seixal viu o meu trabalho, gostou e fez-me uma encomenda de algumas peças destinadas a ofertas protocolares. Acho que haverá já trabalhos meus na China, no Japão ou em Timor”, revela Hugo Castanheira, que desenvolveu uma nova tecnologia: o fingimento de azulejo em cortiça.

Hugo Castanheira tem um filho do seu “casamento inglês”, o mais velho dos quais tem 23 anos, outro de uma segunda relação, e uma filha da sua actual companheira, com apenas três anos. Algum deles trilhará a senda artística do pai? O tempo o dirá.

[Fancy_Facebook_Comments language="pt_PT"]
- PUB -

Mais populares

Tribunal reconhece direito de retenção de casas a famílias de Azeitão após falência de cooperativa

Decisão reconhece que famílias têm os seus créditos "garantidos" e "reconhecidos" pelos montantes que já pagaram, e que, como “consumidores” e por "tradição", têm...

Caso de gripe das aves detectado em Palmela

A DGAV lembrou que não existem evidências de que a gripe aviária seja transmitida para os humanos através do consumo de alimentos, como carne de aves de capoeira ou ovos

Novas máquinas permitem emitir ou carregar cartão Navegante em apenas “um minuto”

Para já, encontra-se disponível um equipamento em cada um dos nove concelhos do Distrito que integram a AML   Os passes de transportes públicos Navegante podem...
- PUB -