29 Novembro 2021, Segunda-feira
- PUB -
InícioLocalSetúbalSérgio Faias sucede a Teresa Coelho na presidência da Docapesca

Sérgio Faias sucede a Teresa Coelho na presidência da Docapesca

Ex-presidente assumiu a Secretaria de Estado das Pescas. Faias “saltou” de vogal para a liderança da administração

Sérgio Faias é o novo presidente do Conselho de Administração da Docapesca, anunciou ontem a empresa tutelada pelo Ministério do Mar. O responsável, que integrava aquele órgão, como vogal, desde 2016, substituiu Teresa Coelho no cargo.

- PUB -

A saída de Teresa Coelho – que foi assumir a secretaria de Estado das Pescas – e a consequente subida de Sérgio Faias à presidência deixou uma vaga de vogal no conselho de administração, que passou a ser ocupada por Isabel Ferreira. Esta é a única cara nova na administração, já que Carlos Figueiredo mantém-se também como vogal.

“Estas alterações são resultado da saída da anterior presidente, Teresa Coelho, que tomou posse recentemente como Secretária de Estado das Pescas”, explica em comunicado a Docapesca, que tem a seu cargo, no continente, o serviço da primeira venda de pescado.
Na mesma nota, a empresa realça o currículo dos três membros do renovado conselho de administração.

Sérgio Faias – que, já se sabe, irá ser candidato à presidência da Assembleia Municipal de Sesimbra nas autárquicas deste ano – é doutorado desde 2011 “em Engenharia Electrotécnica e de Computadores” e Mestre, desde 2006, “em Engenharia Mecânica, pelo Instituto Superior Técnico da Universidade Técnica de Lisboa”.

- PUB -

“Desde 2001, é professor no Instituto Superior de Engenharia de Lisboa (ISEL), tendo integrado vários centros de investigação e desenvolvimento, mais recentemente o Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Investigação e Desenvolvimento (INESC-ID)”, pode ler-se na mesma nota. Além disso, entre 2015 e 2016 “assumiu funções como coordenador da ‘Task Force’ de Qualidade de Serviço do Conselho Europeu de Reguladores de Energia (CEER)” e, entre 2012 e 2016, “integrou a Direcção de Infraestruturas e Redes (DIR) da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE)”.

Carlos Figueiredo é “licenciado em Economia pelo Instituto Superior de Economia (ISE), da Universidade Técnica de Lisboa” e dá aulas no ISCTE “desde 1976”. Exerceu funções de direcção “no Instituto de Conservação da Natureza e da Biodiversidade, I.P.”, de 2008 a 2012, “no Instituto de Financiamento da Agricultura e Pescas, I.P., de 1998 a 2002, e “no Fundo Internacional para o Desenvolvimento Agrícola (FIDA), agência financeira especializada da ONU”, entre 1998 e 2008.

Já Isabel Feijão Ferreira transita do sector do turismo para a Docapesca. Tirou a licenciatura de “Direito na Universidade de Coimbra e tem pós-graduação em Direito e Prática de Contratação Pública pela Faculdade de Direito da Universidade Católica Portuguesa, onde também concluiu o programa avançado de gestão para o turismo – PAGETUR”.

- PUB -

Na última década desempenhou funções “no Turismo de Portugal”. Foi ainda “administradora da Frente Tejo, S.A., coordenadora do Gabinete Jurídico do Instituto da Conservação da Natureza e Biodiversidade e chefe da Divisão de Programação Financeira da Direcção-Geral do Ordenamento do Território e Desenvolvimento Urbano”, além de ter sido “chefe de Divisão no Departamento Jurídico da Câmara Municipal de Lisboa”.

A Docapesca – Portos e Lotas, S.A., enquanto empresa tutelada pelo Ministério do Mar, assegura no País, com excepção para o território insular, o serviço da primeira venda de pescado e o apoio ao sector da pesca e respectivos portos, com 22 lotas e 37 postos.

[Fancy_Facebook_Comments language="pt_PT"]
- PUB -

Mais populares

Dirigir o Vitória Futebol Clube no feminino: as mulheres nos actuais órgãos sociais do clube sadino

Sara Ribeiro, Ana Cruz, Dulce Soeiro e Helena Parreira partilham as suas vivências no clube, cujo regresso à I Liga tanto anseiam   Quando questionadas sobre...

António Costa anuncia que Portugal vai pedir à União Europeia que Península de Setúbal passe a ser uma NUT II

O primeiro-ministro diz que a Península de Setúbal está a ser fortemente penalizada por estar integrada na estrutura nominal da AML  

Volkswagen anuncia novo investimento de 500 milhões na Autoeuropa nos próximos cinco anos

Valor vai ser aplicado "em produto, equipamento e infra-estruturas", explicou Alexander Seitz
- PUB -