28 Novembro 2021, Domingo
- PUB -
InícioLocalSetúbalNuno Carvalho: “O mais importante é a região ter acesso aos fundos...

Nuno Carvalho: “O mais importante é a região ter acesso aos fundos comunitários da ‘bazuca’”

Deputado do PSD defende que financiamento da “bazuca” deve incluir os investimentos congelados pela pandemia

Foi o único deputado eleito pelo círculo de Setúbal a questionar a ministra da Coesão Territorial na semana passada, no Parlamento. Ana Abrunhosa diz que a NUT não é necessária nem pode ser criada em tempo útil. Nuno Carvalho aceita outra estratégia, desde que os fundos da “bazuca” europeia cheguem à região, com boa taxa de comparticipação e financiem também os investimentos que as empresas já tiveram de congelar por causa da pandemia.

- PUB -

Que comentário lhe merece a resposta que a ministra lhe deu no Parlamento?

Há um lado positivo, que é a ministra ter reconhecido a importância deste tema. O que nós queremos agora é que esta preocupação se materialize na solução do problema, que é ter acesso aos fundos comunitários. Poderá ou não passar por uma NUT mas, para nós, o essencial é haver acesso aos dados estatísticos socio-económicos e, consequentemente, aos fundos comunitários. Se é possível atingir estes objectivos sem se constituir uma NUT, então que se discuta de imediato como e se avance. Para nós o mais importante é ter acesso aos fundos comunitários, já.

Como é que isso poderá ser feito?

- PUB -

No Portugal 2020, a oportunidade já será residual porque o valor disponível também já é residual. No horizonte da recuperação económica do País há o Fundo de Resiliência e Recuperação, a chamada “bazuca”, e, para o PSD, é fundamental que o valor que chegue a Portugal permita, em primeiro lugar, uma diferenciação positiva entre Setúbal e Lisboa, e, em segundo, que permita que haja uma atenção ao sector empresarial, que inclua os trabalhadores, e ao sector social. Numa terceira linha, que se possa olhar para a forma como o dinheiro chega. É preciso apoiar quem tinha investimentos em curso, antes e durante a pandemia, e que viu os seus projectos congelados. É fundamental que os fundos comunitários permitam reabilitar os investimentos que a pandemia destruiu. Se forem preenchidos estes três requisitos, acreditamos que pode ser feita a justiça que há muito é devida à península de Setúbal.

Defende que as futuras candidaturas possam retroagir a investimentos realizados durante a pandemia?

Sim. Portugal tem uma obrigação declarativa, por parte das empresas, muito exigente, o que significa que as Finanças sabem em que ano é que as empresas compraram equipamentos, recorreram a crédito bancário, contrataram trabalhadores, etc, e portanto existe informação suficiente para que os programas a criar permitam que quem está a investir na região não perca tudo o que fez recentemente. É preciso não esquecer que estas empresas não tinham acesso a fundos comunitários quando avançaram para esses investimentos, e deviam ter, como no resto do País. Quem investiu no passado e está disponível para continuar a investir merece ser apoiado.

- PUB -

Não vê recuo ou mudança de estratégia, por parte do Governo, nesta matéria?

Não. O que houve foi um ruído da parte dos deputados do PS [eleitos por Setúbal] que interpretaram nas declarações da ministra a imediata criação de uma NUT, e a tempo de aproveitar a dita “bazuca”. Mas o ponto fundamental é que – independentemente de ter havido uma má interpretação e até algum mau sentido de oportunidade dos deputados do PS, para tentarem dar ideia, na altura da aprovação do Orçamento de Estado, que o problema ia ficar resolvido – a região tenha acesso aos fundos comunitários. Eu ouvi a ministra em Junho do ano passado dizer que não era possível uma NUT três e ouvi agora a ministra a dizer a mesma coisa. O resto foi o PS a tentar apanhar o comboio que tinha perdido porque em termos práticos nunca pugnou pelo investimento na península de Setúbal: o Governo não criou a NUT, nunca falou nisso e não criou os programas especiais de financiamento que agora diz que vai criar.

O PS aponta o dedo ao PSD, que extinguiu a anterior NUT da península.

Após a criação dessa lei, o PSD esteve dois anos no governo e agora o PS já leva seis anos de governação. Apontar o dedo, nestas circunstâncias, ao PSD não só não resolve o problema como deixa mais mal visto o PS. Era melhor os deputados do PS remeteram-se ao silêncio, porque até agora só criaram ruido e atrapalharam muita gente.

A AMRS, AISET e os deputados do PS e PCP defendem que o processo de criação da NUT deve ser iniciado, mesmo que não venha a tempo deste quadro comunitário. Concorda?

Sim. A discussão tem de ser feita a dois tempos: o acesso imediato à “bazuca” europeia e, depois, resolver o problema estrutural, que é criar a NUT. A ministra disse que ia procurar que o INE autonomize os dados sobre a peninsula de Setúbal e isso já é um indicador positivo para que depois a criação da NUT seja mais fortalecida. Aí todos os partidos estão a pugnar pelo mesmo. Mas não podemos tirar o foco do problema imediato, que são as empresas que estão fechadas, ou em vias de fechar, e que correm o risco de não abrir. Temos de tratar das pessoas, das carências socio-económicas da nossa região.

 

[Fancy_Facebook_Comments language="pt_PT"]
- PUB -

Mais populares

Área Metropolitana de Lisboa assegura transporte rodovidário sadino até chegada da Carris Metropolitana

É necessário "dar continuidade às Autorizações Provisórias até a entrada do novo operador, de forma a evitar a ruptura dos serviços públicos de transporte rodoviário de passageiros no concelho de Setúbal"

António Costa anuncia que Portugal vai pedir à União Europeia que Península de Setúbal passe a ser uma NUT II

O primeiro-ministro diz que a Península de Setúbal está a ser fortemente penalizada por estar integrada na estrutura nominal da AML  

Volkswagen anuncia novo investimento de 500 milhões na Autoeuropa nos próximos cinco anos

Valor vai ser aplicado "em produto, equipamento e infra-estruturas", explicou Alexander Seitz
- PUB -