30 Novembro 2021, Terça-feira
- PUB -
InícioLocalBarreiroRui Lopo faz retrospectiva sobre 11 anos dedicados à política no Barreiro

Rui Lopo faz retrospectiva sobre 11 anos dedicados à política no Barreiro

No momento em que abraça novas funções na empresa Transportes Metropolitanos de Lisboa, o vereador eleito pela CDU recorda projectos que não viu serem concretizados no Barreiro, nos últimos anos, e sobre os quais ainda mantém esperança

 

- PUB -

Activista. Dirigente partidário. Rui Lopo abraça agora funções na empresa Transportes Metropolitanos de Lisboa (TML) da Área Metropolitana de Lisboa (AML). Funções no que o impedem exercer as funções de vereador que actualmente mantinha na Câmara do Barreiro, inclusive nas Sessões Públicas.

As novas funções na empresa de Transportes Metropolitanos de Lisboa passam por integrar o conselho de administração, no que considera ser um um desafio “irrecusável” e “um projecto ambicioso”.

Contudo, em entrevista a O SETUBALENSE, o eleito da CDU afirma que, no Barreiro, “não deixará de participar e intervir sempre que necessário, sempre que lhe for solicitado, mas agora num patamar menos mediático e institucional”.

- PUB -

 

Fazendo uma retrospectiva dos mandatos em que assumiu funções, o que considera ter ficado por fazer?

 

- PUB -

Dos meus 11 anos de Câmara Municipal dos quais três em oposição, talvez apenas um ano – o de 2017 – tenha sido de alguma melhoria de capacidade orçamental. Todos os outros foram marcados pela presença da TROIKA que inviabilizou a possibilidade de investirmos o que era realmente necessário.

Mas num concelho com as ameaças e desafios por concretizar como os que o Barreiro tem, fica sempre imenso por fazer.

Como dizia Fernando Pessoa “somos do tamanho dos nossos sonhos” e, para o Barreiro que projecto, o sonho é o limite. Fico por isso feliz por alguns dos projectos que planeei e nos quais trabalhei terem sido concretizados neste mandato, mesmo sem estarmos a gerir a Câmara do Barreiro, como é o caso da melhoria das acessibilidades, algumas unidades comerciais que se instalaram e a finalização de arranjos na frente ribeirinha.

Fico bastante preocupado por outros projetos que estando planeados e consensualizados terem sido abandonados apenas porque vinham da gestão da CDU.

 

Que projectos são esses?

 

A ponte pedonal e ciclável Barreiro-Seixal ou o abandono a que foi votada a Quinta do Braamcamp, na qual não se gastou um cêntimo desde as últimas eleições.

Mas também se sento “derrotado” por não se ter feito a Terceira Travessia do Tejo Ferro-Rodoviária com a Ponte rodoviária Barreiro – Seixal.

 

O que a concretização destes investimentos teria significado para o Barreiro?

 

Com estes investimentos se ajudasse a desenvolver urbanisticamente e economicamente a o Parque Empresarial da Baía do Tejo e o Barreiro como um todo…

Mas, ainda assim, deram-se “passos de gigante” na forma como o Barreiro é interpretado, e com perseverança e intervenção política forte conseguiremos que esses projectos sejam concretizados ainda a tempo deles tirarmos partido enquanto cidadãos.

 

Com a impossibilidade de exercer as funções de vereador já é conhecido o nome de quem o substituirá?

 

O quinto vereador da lista é o Pedro Estrela e o sexto é a Alexandra Silvestre, mas ambos já vão com uma regularidade relativa às Sessões de Câmara para substituir ausências.

 

E o nome de quem assumirá a liderança da oposição CDU nas autárquicas 2021?

 

Sobre a liderança da oposição nas Autárquicas de 2021, permita-me dizer que identifico na pergunta uma contradição porque entendo que a CDU tem fortes possibilidades de retomar a direcção da gestão da Câmara do Barreiro e por isso não será oposição nas Autárquicas de 2021…

A liderança será, mais uma vez, bastante presente, certamente numa equipa bastante heterogénea e competente para assumir os destinos do concelho seja, na Câmara seja nas Juntas de Freguesia.

O Rui Lopo cidadão, activista e dirigente partidário não deixará de participar e intervir sempre que necessário, sempre que lhe for solicitado, mas agora num patamar menos mediático e institucional.

 

Esta mudança de rumo profissional está, de alguma forma, relacionada com as autárquicas 2021 e a lista CDU que irá ser apontada para o Barreiro?

 

Os meus destinos profissionais nada tiveram a ver com o percurso de intervenção política ou partidária.

Enquanto vereador com pelouro mantive o vínculo à minha entidade patronal que já durava há cerca de 10 anos, e que interrompi para uma mudança de sector de atividade desde há três anos a esta parte. Tem sido um percurso profissional sempre em entidades privadas.

Este novo desafio profissional que me foi colocado [na empresa de Transportes Metropolitanos de Lisboa] é quase irrecusável.

É uma responsabilidade muito grande, num projecto que tem uma ambição enorme. E é mais uma vez um privilégio poder servir as populações, agora a num outro nível de intervenção, mas que, de alguma forma, está ligado ao trabalho que fomos realizando no Barreiro e que se estendeu à Área Metropolitana de Lisboa, através do bom entendimento com outros eleitos de outras câmaras e de outras forças políticas.

 

Diz que este novo desafio, que está abraçar, é “irrecusável”. O que a população da Área Metropolitana de Lisboa pode esperar da nova empresa de Transportes Metropolitanos de Lisboa?

 

A empresa Transportes Metropolitanos de Lisboa (TML)  é um projecto ambicioso, uma vez que se pretende que, nas áreas metropolitanas de Lisboa e do Porto, sejam as próprias Áreas Metropolitanas, através de empresas especificas, como é o caso da TML, a planear, gerir e até, sempre que justifique, operar o sistema de transportes e aspetos conexos como por exemplo a bilhética.

Desde já, inicia-se o processo com a integração das concessões rodoviárias já concursadas e que trarão um aumento de horários e percursos significativo assim que entrar em funcionamento, mas prevê-se que, a prazo, outros modos de transporte possam ser integrados, para que se tenha a visão de conjunto e a coordenação de todos os transportes metropolitanos.

A decisão da sua necessidade foi aprovada por decreto e desde esse momento ficaram definidos os aspectos centrais da sua actuação, sendo a gestão e coordenação do sistema de bilhética metropolitano um factor decisivo para a implementação de políticas públicas que fomentem a mobilidade colectiva, motor de uma agenda económica sustentável que coloca as pessoas e as metas ambientais em primeiro plano.

[Fancy_Facebook_Comments language="pt_PT"]
- PUB -

Mais populares

Dirigir o Vitória Futebol Clube no feminino: as mulheres nos actuais órgãos sociais do clube sadino

Sara Ribeiro, Ana Cruz, Dulce Soeiro e Helena Parreira partilham as suas vivências no clube, cujo regresso à I Liga tanto anseiam   Quando questionadas sobre...

António Costa anuncia que Portugal vai pedir à União Europeia que Península de Setúbal passe a ser uma NUT II

O primeiro-ministro diz que a Península de Setúbal está a ser fortemente penalizada por estar integrada na estrutura nominal da AML  

Volkswagen anuncia novo investimento de 500 milhões na Autoeuropa nos próximos cinco anos

Valor vai ser aplicado "em produto, equipamento e infra-estruturas", explicou Alexander Seitz
- PUB -