30 Novembro 2021, Terça-feira
- PUB -
InícioLocalPalmelaMuseu da Música Mecânica: mais do que caixas de música, um mundo...

Museu da Música Mecânica: mais do que caixas de música, um mundo de arte e som

O Museu da Música Mecânica, perto de Palmela, já teve 42 mil visitantes desde 2016

 

- PUB -

Há quem pense que são apenas caixinhas de música mas, perante essa ideia, Luís Cangueiro, a mente e as mãos por trás do Museu da Música Mecânica, ri-se. Não se ri de escárnio, mas sim de ouvir uma frase que, de já ouvida tantas vezes, causa-lhe alguma boa disposição.

É coleccionador deste tipo de material (que não, não são só caixinhas de música) desde o fim dos anos 80 e é em Arraiados, na zona de Palmela, que tem o museu. No entanto, foi o prazer pelas peças que fez o espaço tornar-se num que fosse visitável, pois não era esse o primeiro objectivo para o museu que abriu em 2016.

“A primeira ideia que eu tive foi criar aqui na quinta um espaço para guardar as peças. Para mostrar a amigos e família, como tanta gente tem. Depois, alguém me alertou para a ideia de poder fazer aqui um museu. Começou a ser construído em 2001”, explica, acrescentando que a burocracia e os projectos atrasaram a obra.

- PUB -

Sobre todas as peças, muitas delas autênticas obras de arte, que tem em exposição no museu, desde os primeiros gravadores de voz idealizados por Thomas Edison a gramofones, ou aparelhos bem mais intrincados, explica que são “instrumentos que tocam sozinhos, basta colocá-los em movimento”. É isto, precisamente, que define aquilo que é a música mecânica.

E Luís Cangueiro, professor de carreira depois de se graduar em 1962 em Coimbra, não se coíbe de demonstrar o orgulho de mostrar tamanha colecção aos demais: “Sinto-me orgulhoso por as pessoas poderem conhecer estas obras. Este era o objectivo do museu. E o investimento era obviamente muito grande para eu ficar sozinho a olhar para as peças. Fiquei surpreendido com o interesse que as pessoas têm tido. O museu foi inaugurado com a presença do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, o que ajudou na visibilidade e agradecemos imenso”.

De facto, o Museu da Música Mecânica, até começar a pandemia, claro está, não se pode queixar de falta de interesse. Entre Outubro de 2016 e Fevereiro deste ano foram cerca de 42 mil pessoas que foram ver o que se passou nos últimos séculos ao nível das invenções e das descobertas na música mecânica.

- PUB -

E sobre os vários tipos de peças que tem, mais de 600 com 300 em exposição, explica entusiasmado: “Temos várias galerias. Nos estenógrafos, por exemplo, estamos no campo da gravação e depois chegamos ao tin foil, onde foi gravada pela primeira vez a voz humana. A música era gravada em cilindros, depois passou a discos, não como os conhecemos hoje, no princípio do século XX”. A conversa sobre este tema poderia ter sido interminável, dado o gosto e o conhecimento do coleccionador.

Outro dos motivos de satisfação é o facto de a colecção ser “abrangente”, mais do que “muitas no mundo, que são mais especializadas”. Assim, o primeiro museu de música mecânica em Portugal gaba-se de mostrar aos visitantes um pouco de tudo. Há ainda muito orgulho na fachada moderna e no edifício, que “sem janelas mas com muita luz natural”, como O SETUBALENSE pôde comprovar, aparece em revistas estrangeiras de arquitectura.

Mas desengane-se quem possa então pensar nesta colecção como individualista. Não o é, de todo. O amor à música mecânica estendeu-se à família e daí as galerias, onde foi possível ouvir sons maravilhosos de máquinas impressionantes, também terem sido mostradas por Teresa Cangueiro, filha do coleccionador.

“O meu objectivo, além de ter uma presença e participação aqui no museu, é também de continuar o legado do meu pai e tentar absorver conhecimento dele”, diz a também responsável por visitas de grupo.

E são várias, “dos três aos 90 anos”, em grupos que chegam a ser de centenas de pessoas, “grupos de motards, carros antigos ou até de caravanas, que já encheram o parque todo”, finaliza Luís Cangueiro.

 

 

[Fancy_Facebook_Comments language="pt_PT"]
- PUB -

Mais populares

Dirigir o Vitória Futebol Clube no feminino: as mulheres nos actuais órgãos sociais do clube sadino

Sara Ribeiro, Ana Cruz, Dulce Soeiro e Helena Parreira partilham as suas vivências no clube, cujo regresso à I Liga tanto anseiam   Quando questionadas sobre...

António Costa anuncia que Portugal vai pedir à União Europeia que Península de Setúbal passe a ser uma NUT II

O primeiro-ministro diz que a Península de Setúbal está a ser fortemente penalizada por estar integrada na estrutura nominal da AML  

Volkswagen anuncia novo investimento de 500 milhões na Autoeuropa nos próximos cinco anos

Valor vai ser aplicado "em produto, equipamento e infra-estruturas", explicou Alexander Seitz
- PUB -