5 Dezembro 2021, Domingo
- PUB -
InícioDesportoTreinador do Cova da Piedade ganhou à Covid-19: "Eu sabia que ia...

Treinador do Cova da Piedade ganhou à Covid-19: “Eu sabia que ia morrer”

O treinador do Cova da Piedade, António Pereira, sobreviveu ao surto do novo coronavírus, que atingiu a equipa da II Liga de futebol, experiência que o leva a afirmar hoje que “o jogo da vida é o mais importante”.

- PUB -

Aos 64 anos, o técnico passou seis dias nos cuidados intensivos (UCI) e nove nos intermédios do Hospital de São Bernardo, em Setúbal, onde esteve “sempre consciente” e os médicos nunca lhe esconderam a gravidade extrema da sua situação.

“Disseram logo ‘você tem aqui um TAC, está muitíssimo mal, é muitíssimo grave’. Tal e qual estas palavras. ‘Os primeiros oito a dez dias são fundamentais. Se o seu corpo reagir, você safa-se. Se não reagir, senhor Pereira, isto está muito mau, muito difícil’. Médicos que chegavam ao pé de mim, agarravam-me na mão e diziam ‘calma, senhor Pereira, calma’. Eles diziam-me a verdade, mas magoava. Eu sabia que ia morrer”, contou o treinador à agência Lusa.

Toni Pereira

António Pereira chegou a estar com o fluxo de oxigénio no sangue em 34, quando “dizem que a partir dos 40 ou 50 entra-se em coma”, e os médicos chegaram a dizer à sua família para ir-se “preparando” para o pior, até que, “felizmente, o corpo reagiu” e o técnico já voltou esta semana a orientar os treinos da equipa da margem sul do Tejo.

- PUB -

Mas antes de recuperar, sair da UCI, e, por fim, dos cuidados intermédios, Toni Pereira viu, literalmente, a vida a passar-lhe em revista à frente dos olhos e a morte ao seu lado.

“Lembrava-me de tudo. A única coisa que pensava era que ‘já não vou sair daqui’. Uma coisa tão grave como foi, as pessoas a dizerem-me, os médicos a agarrarem-me na mão e a fazerem-me festinhas, a confortarem-me… Como deve calcular, quando fazem uma coisa destas é um sinal”, relatou.

Enquanto esteve no hospital, Toni Pereira viu gente que “infelizmente morreu” mesmo ao seu lado, o que “ainda magoava mais”, ver pessoas “ali ligadas, entubadas, nos cuidados intensivos”, e pensava que “ia ser mais um daqueles que ia para o outro lado”.

- PUB -

Por isso, faz questão de agradecer, mais do que uma vez ao longo da conversa com a Lusa, “ao Hospital de São Bernardo, médicos, enfermeiros e pessoal auxiliar”.

“Vocês não fazem ideia o que eles trabalham e o que eles sofrem. Dentro daqueles fatos, então! Eu não posso agradecer de outra maneira a não ser pela comunicação social. Foi uma coisa que eu não tenho o mínimo a dizer de ninguém. Nos cuidados intensivos, os médicos, assim que entravam era comigo que iam ter. Foram dias e noites… Uma enfermeira que dormiu ali em frente a mim nas noites que eu lá estive. Como é que eu posso agradecer se não forem vocês a divulgar?”, questionou.

As noites na enfermaria e a tranquilidade que traziam eram, de resto, o momento em que caía o ‘escudo’ do homem que, aos 64 anos, “nunca tinha entrado num hospital”.

“Todos os dias chorava. Lembrava-me de tudo isto, mas essencialmente da minha mulher, da minha filha e da minha neta. [Pensava] que nunca mais a ia ver, [que] não conseguia ver a evolução dela e todos os dias eu chorava quando havia aquela calma na enfermaria. As pessoas não ouviam e as lágrimas corriam. Todos os dias chorei. Foi muito difícil, a vida hoje tem outro valor para mim”, assume.

Por isso, refere o treinador, a partir de agora “jogar um jogo de futebol para ganhar três pontos é facílimo” para quem “esteve para o outro lado e hoje está aqui”.

“Malta, isto é a melhor coisa do mundo, é o que nós fazemos, o que nós gostamos. Perdemos, tranquilo, vamos ganhar para a semana. Agora ali não era perder e depois voltar. Perdia, ia-me embora! O jogo da vida é a coisa mais importante. É a única coisa que nós perdemos e nunca mais recuperamos. Eu, felizmente, ainda não a perdi. Estive a perdê-la, mas ainda não a perdi”, desabafou.

Por isso, o treinador acredita que esta experiência vai dar mais força para o resto da época também aos seus jogadores do plantel do Cova da Piedade, que lhe gravaram uma mensagem de apoio, quando estava no hospital, que o emocionou nesse dia e no momento em que o recordou para a agência Lusa.

“Quando me mandaram aquele vídeo, eu chorei muito. Estava na cama do hospital, a saber se amanhã me ia embora, se naquele dia melhorava, e vou-lhe dizer uma coisa: bateu-me cá no fundo e eu chorei muito a olhar para aquilo, porque não sabia o que ia ser o dia de amanhã”, confessou.

Lusa

 

[Fancy_Facebook_Comments language="pt_PT"]
- PUB -

Mais populares

Tribunal reconhece direito de retenção de casas a famílias de Azeitão após falência de cooperativa

Decisão reconhece que famílias têm os seus créditos "garantidos" e "reconhecidos" pelos montantes que já pagaram, e que, como “consumidores” e por "tradição", têm...

Caso de gripe das aves detectado em Palmela

A DGAV lembrou que não existem evidências de que a gripe aviária seja transmitida para os humanos através do consumo de alimentos, como carne de aves de capoeira ou ovos

Novas máquinas permitem emitir ou carregar cartão Navegante em apenas “um minuto”

Para já, encontra-se disponível um equipamento em cada um dos nove concelhos do Distrito que integram a AML   Os passes de transportes públicos Navegante podem...
- PUB -