5 Dezembro 2021, Domingo
- PUB -
InícioLocalSetúbalVárzea com bacias de retenção a funcionar “em pleno”

Várzea com bacias de retenção a funcionar “em pleno”

Vereador Carlos Rabaçal diz que, nestas últimas semanas de chuva, que foram o primeiro teste, o sistema respondeu plenamente

 

- PUB -

Em Novembro de 2018, a Câmara Municipal de Setúbal anunciou que, na zona da Várzea, a cidade ia ter um dos “maiores parques urbanos do país”. Dois anos depois, as obras de regularização das bacias de retenção da Ribeira do Livramento e da Ribeira da Figueira estão concluídas. Foram plantadas cerca de mil árvores, arbustos, e criados circuitos pedonais que, com uma extensão total de dois mil metros, atravessam todo o parque.

Em entrevista a O SETUBALENSE, Carlos Rabaçal, vereador da Câmara Municipal de Setúbal responsável pelo Departamento de Obras Municipais, faz um ponto de situação sobre o Parque Urbano da Várzea, e explica o que falta fazer.

Urbanismo sustentável e várias valências

- PUB -

“Por razões que têm que ver com as alterações climáticas, mas também com uma necessidade de muitas décadas de conter as cheias em Setúbal, evoluímos para a construção de grandes bacias de retenção”, começa por dizer. “Estas bacias envolvem duas ribeiras, a Ribeira da Figueira e a Ribeira do Livramento, que foi contida na Várzea, numa obra pesada, que custou dois milhões e meio e tem mais dois milhões e meio a concretizar”, continua.

Entretanto, “tiveram que ser adquiridos terrenos e encontradas várias soluções até se conseguir que a bacia atingisse a sua actual dimensão de 19 hectares”. Tendo em conta a sua localização e dimensão, a autarquia decidiu “transformá-la num grande parque urbano” e com esta decisão “resolveram-se vários objectivos”. A contenção de cheias; a descarbonização, na medida em que no parque já existem mil árvores, de um total de duas mil, muitos arbustos e espaço verde; a vertente lúdica e social do grande parque central e a requalificação da envolvente, com novas urbanizações, rotundas, caminhos, passeios e ciclovias, são assim as respostas que o Parque da Várzea, também conhecido como “O Coração de Setúbal”, vem trazer à cidade. “Este parque constitui uma peça central de urbanismo sustentável. São vários objectivos no mesmo equipamento, que valorizam muito a cidade e dão uma capacidade de resposta de um equipamento que não existia em Setúbal com esta dimensão”, considera.

“A regularização das ribeiras funcionou em pleno”

- PUB -

Concluída a bacia da Várzea, e a funcionar, “nas últimas chuvas intensas, as ribeiras correram muito bem, nunca encheram, não extravasaram. Comportaram-se muito bem. A regularização funcionou em pleno”, garante o vereador, para depois acrescentar que “isto significa que é preciso muito mais chuva para que as ribeiras transbordem para as bacias”. Por seu turno, a água que cai na própria bacia “fica ali, não vai para a ribeira, o que dá origem àquele aspecto de lacustre na zona da bacia mais perto da Avenida da Europa”.

Trabalho continua sem fundos comunitários

O autarca diz que está a decorrer uma candidatura, por parte da Câmara Municipal de Setúbal, a fundos comunitários para realizar este projecto. São pouco mais de 3 milhões para essa candidatura, da qual o município está à espera para arrancar com o parque no seu todo. “Até lá, decidimos que não podíamos estar à espera deste dinheiro, que não sabemos exactamente se vem. O parque tem que andar e nós pusemo-lo a andar com os meios que temos”, partilha Carlos Rabaçal. “Fizemos recentemente uma grande plantação de árvores, cerca de mil, e de arbustos. A manutenção do jardim está entregue à empresa que interveio nos espaços verdes durante a obra e que depois se manteve. Conhece muito bem o parque e está a fazer um excelente trabalho”, continua, referindo que “até agora fizemos dois mil metros de caminhos, em duas fases, que já têm pessoas a circular”.

O vereador avança ainda que pretendem “realizar, com ou sem fundos comunitários, a rede de rega, com dois furos para a rega global mas também para alimentar o lago quando não houver chuva”. Por agora, as águas do lago encontram-se a ser tratadas e assim continuarão até Maio/Junho. “Só podemos fazer o lago a partir dessa altura, quando está seco. Será um lago naturalizado, como o da Algodeia”, desvenda, justificando que “como a zona à volta do lago é potencialmente alagável, este será circundado de passadiços sobrelevados”.

Em execução está ainda “uma pré-instalação da rede eléctrica” e prevê-se que até ao final do ano também a iluminação dos caminhos estará concluída. Nas palavras de Carlos Rabaçal, estes são trabalhos que envolvem cerca de um milhão de euros e que “já estamos a fazer, garantindo uma máxima utilização crescente em segurança. Depois, em chegando fundos comunitários, é uma coisa que se faz em menos de um ano”.

No seu todo, o projecto envolve caminhos, passagens hidráulicas, equipamentos, quiosques, passadiços sobrelevados, um parque infantil e zonas de restauração, jogos e espectáculos. “É um programa muito vasto mas que deixa o parque com uma grande respiração e amplitude”, assegura Carlos Rabaçal, revelando que, no futuro, será criada “uma estrutura orgânica própria da autarquia para a gestão deste parque, que carece de uma equipa focada nele”. Na Várzea, há ainda um olival de árvores centenárias, será criado o Jardim das Geminações, onde serão representadas as geminações de Setúbal através de espécimes de cada país, e na lateral do parque está ser construído pelos TST um parqueamento para as suas viaturas.

Do Livramento à Figueira, da Várzea à Algodeia

Se o Parque da Várzea resulta da regularização de cheias da Ribeira do Livramento, a ampliação do Jardim da Algodeia resulta da regularização de cheias da Ribeira da Figueira, “a ribeira que inundou a cidade nas suas duas últimas grandes cheias”.

Foi regularizada, numa obra que entre a sua regularização e a respectiva bacia custou exactamente um milhão, 101 mil e 777 euros e 24 cêntimos. “Foi feito um trabalho hidráulico absolutamente espantoso e a actual bacia vai permitir ampliar o Parque da Algodeia para norte da ribeira”, refere. Esta zona nova introduz valências, como o Campo de Rugby e o Skate Parque, que já estão a ser utilizados. Para além disso, estão previstas zonas de estar, interpretação ambiental e hortas urbanas, “recuperando alguns dos hortelãos que ali trabalhavam, esses espaços serão constituídos em interface com um centro de intervenção ambiental, de forma a relacionar as escolas e os jovens com a horticultura”. Carlos Rabaçal informa que para a Algodeia não existem até ao momento candidaturas: #o trabalho será feito com os nossos meios. Estamos a fazer o projecto de execução para a Ribeira da Figueira, para a Algodeia Norte”, adiantando que está previsto o término do mesmo até final do ano e reforçando que depois há que “continuar a trabalhar”.

Em ambas as bacias de retenção, resolve-se também uma questão de segurança da cidade de Setúbal, que de cada vez que chovia muito se via a braços com situações de cheias, nas quais eram gerados “enormes prejuízos”. Neste sentido, o vereador Carlos Rabaçal recorda até os elogios que o Parque Urbano da Várzea mereceu do Ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, aquando da sua visita. “Valorizou muito pela dupla função, a de contenção das cheias, das alterações climáticas, e de toda a panóplia de matérias ambientais associadas, mas também pela perspectiva cultural e do impacto urbano”, remata.

 

[Fancy_Facebook_Comments language="pt_PT"]
- PUB -

Mais populares

Tribunal reconhece direito de retenção de casas a famílias de Azeitão após falência de cooperativa

Decisão reconhece que famílias têm os seus créditos "garantidos" e "reconhecidos" pelos montantes que já pagaram, e que, como “consumidores” e por "tradição", têm...

Caso de gripe das aves detectado em Palmela

A DGAV lembrou que não existem evidências de que a gripe aviária seja transmitida para os humanos através do consumo de alimentos, como carne de aves de capoeira ou ovos

Novas máquinas permitem emitir ou carregar cartão Navegante em apenas “um minuto”

Para já, encontra-se disponível um equipamento em cada um dos nove concelhos do Distrito que integram a AML   Os passes de transportes públicos Navegante podem...
- PUB -