5 Dezembro 2021, Domingo
- PUB -
InícioLocalCovid-19: Costa alentejana não prevê problemas devido à "grande dimensão do areal”

Covid-19: Costa alentejana não prevê problemas devido à “grande dimensão do areal”

O presidente da Comunidade Intermunicipal do Alentejo Litoral (CIMAL) disse hoje não prever problemas de excesso de banhistas nas praias da região devido à “grande dimensão do areal”, defendendo, contudo, o reforço da vigilância nas zonas balneares.

- PUB -

“No litoral alentejano temos um ‘mix’ de praias com uma grande dimensão de areal, entre Troia e a Costa do Norte, em Sines, e também um conjunto de praias de excelente qualidade, médias e pequenas. Os problemas mais agudos podem sentir-se nas praias mais pequenas ou de média dimensão com várias entradas”, afirmou hoje à agência Lusa o presidente da CIMAL, Vítor Proença.

Considerando ser importante sensibilizar as pessoas para as medidas que vão ser implementadas nas praias, devido à covid-19, o também presidente da Câmara Municipal de Alcácer do Sal, no distrito de Setúbal, disse ser “indispensável que o planeamento comece em casa” de cada banhista.

“A praia faz bem a todos e ainda mais nestes meses em que a situação de pandemia nos obrigou ao confinamento. Por isso, defendo ser indispensável que o planeamento comece em casa e não quando a pessoa está à procura de estacionamento para o carro”, sublinhou.

- PUB -

Quanto às medidas anunciadas pelo Governo relativamente à taxa de ocupação das praias, com uma sinalização “tipo semáforo”, o autarca alentejano defendeu que vai ter de “imperar o bom senso e o equilíbrio”, principalmente em algumas praias do litoral alentejano com uma “procura extraordinária nos meses de julho e agosto”.

Quanto à vigilância das zonas balneares, o presidente da comunidade intermunicipal, que integra os municípios de Alcácer do Sal, Grândola, Santiago do Cacém e Sines, no distrito de Setúbal, e Odemira (Beja), defendeu a necessidade de minimizar os riscos dos banhistas com um reforço de nadadores-salvadores.

“Os banhistas têm de ser defendidos, principalmente nas praias vigiadas, e há um défice de nadadores-salvadores, não só com a licença que têm de ter, como também no recurso a nadadores-salvadores brasileiros, que não podem vir. Por outro lado, temos de fazer face aos riscos dos banhistas e nesta matéria tem de ser encontrada uma solução”, afirmou.

- PUB -

O autarca disse olhar também com preocupação para os concessionários das praias, que têm mostrado “muitas dificuldades” no cumprimento das obrigações, e para os restaurantes junto às zonas balneares, admitindo o licenciamento da ampliação das esplanadas onde isso seja possível.

“Há uma matéria que não deve ser feita e que diz respeito à militarização das praias, isto é, algumas ideias que foram anunciadas e com as quais discordarmos como a colocação de militares das Forças Armadas a vigiar praias e a sensibilizar os banhistas, assim como não concordamos com a utilização de drones para avisar as pessoas”, concluiu.

Lusa

[Fancy_Facebook_Comments language="pt_PT"]
- PUB -

Mais populares

Tribunal reconhece direito de retenção de casas a famílias de Azeitão após falência de cooperativa

Decisão reconhece que famílias têm os seus créditos "garantidos" e "reconhecidos" pelos montantes que já pagaram, e que, como “consumidores” e por "tradição", têm...

Caso de gripe das aves detectado em Palmela

A DGAV lembrou que não existem evidências de que a gripe aviária seja transmitida para os humanos através do consumo de alimentos, como carne de aves de capoeira ou ovos

Novas máquinas permitem emitir ou carregar cartão Navegante em apenas “um minuto”

Para já, encontra-se disponível um equipamento em cada um dos nove concelhos do Distrito que integram a AML   Os passes de transportes públicos Navegante podem...
- PUB -