3 Outubro 2022, Segunda-feira
- PUB -
InícioÚltimasManifestação no Barreiro contra passividade do tribunal para com agressor sexual

Manifestação no Barreiro contra passividade do tribunal para com agressor sexual

Homem ataca mulheres na rua há meses mas continua à solta por alegadamente sofrer de perturbações mentais

This slideshow requires JavaScript.

- PUB -

Mais de 30 pessoas protestaram esta quinta-feira, publicamente, à porta do Tribunal do Barreiro, contra a tolerância do tribunal para com um homem que ataca mulheres na via pública há já alguns meses.

O protesto, hoje de manhã, entre as 09 e as 11 horas, juntou vitimas e mães ou outros familiares.

O homem, Bruno Costa, que trabalha como segurança numa empresa privada, é acusado de importunar, assediar e agredir jovens e mulheres.

- PUB -

Persegue as vitimas na rua, importunando-as sexualmente, apalpando, exibindo-se e masturbando-se e, quando estas reagem, ameaça-as e chega a agredi-las.

Já foi detido e presente a juiz alguma vezes mas acaba sempre em liberdade por sofrer de perturbações mentais.

Os manifestantes exigem que o tribunal resolva o problema, decidindo a prisão ou o internamento do agressor.

- PUB -

O total de casos reportados por populares aproxima-se das duas dezenas. Há casos no Barreiro, no Lavradio, e a policia está a investigar se incidentes idênticos em Lisboa serão do mesmo autor.

Ao que o DIÁRIO DA REGIÃO apurou, o homem agora foi viver para casa de uma familiar, no Alentejo, para ficar afastado da zona onde a sua actividade já está a gerar o alarme social que se vê.

Comentários

- PUB -

Mais populares

Transportes em Setúbal: “Isto não está mau. Está péssimo!”

Reuniões com a população expõem drama de grandes dimensões contado em testemunhos trágico-cómicos

Alsa Todi não verá mais um cêntimo de Palmela se não cumprir o contrato

Município está indisponível para continuar a financiar o sistema e reclama à TML a aplicação de penalidades à operadora

Acidente de trabalho com um reboque faz um morto e um ferido

Vitimas estavam a trabalhar debaixo da estrutura que lhes caiu em cima
- PUB -