9 Fevereiro 2023, Quinta-feira
- PUB -
InícioLocalSetúbal'Má Sorte' explora o incesto e a morte

‘Má Sorte’ explora o incesto e a morte

Peça esteve em exibição na Escola Secundária Sebastião da Gama com a interpretação de Cátia Terrinca e Pedro Manana

 

- PUB -

‘Má Sorte’ foi uma das peças escolhidas para integrar a edição deste ano do Festival Internacional de Setúbal. A partir de ‘Má Sorte Ter Sido Puta’, de John Ford (1626), o clássico aborda os temas do incesto e da morte.

As peças de John Ford foram olhadas no século XVII como objectos estranhos ao tom teatral, que era reconhecido e acarinhado pelo público. Os temas que abordava, à época chocantes para a sociedade, foram, mais tarde, valorizados pelos movimentos feministas que lutavam pela liberdade sexual.

Apesar de ter sido penalizado pelo público, muitos foram os dramaturgos e ensaístas que o louvaram e elogiaram as peças de Ford. Algernon Charles Swinburne apreciou “a harmónica pureza da língua” e Samuel Taylor Coleridge a sua linguagem “clara como as estrelas de uma noite gelada”.

- PUB -

‘Má Sorte’, um espectáculo libidinoso com ambiente de facas e tangos, aborda a relação entre dois irmãos (Bella e Gio) que “cometem vários crimes que nos excitam os sentidos”.

 

Sinopse

- PUB -

“Dois corpos a quem o desejo é proibido, pelo sangue que par­ti­lham, cometem vários crimes que nos excitam os sentidos. Afinal, o que de­se­ja­mos quando nem Deus nos vê?

Má Sorte, a partir do original Má Sorte Ter Sido Puta, de John Ford, numa adap­ta­ção que se centra num amor egoísta, di­a­bó­lico e des­trui­dor, resgata o que de mais di­a­bó­lico há na per­ver­são, o fim da hu­ma­ni­dade.

“[…] Gio: O meu destino é morrer ou ser amado por ti. Devo morrer ou viver?
Bella: Viver, Gio, Viver. Promete pelas cinzas da nossa mãe que nunca me trairás por ódio ou por prazer. Ama-me, irmão, ou mata-te.
Gio: Promete pelas cinzas da nossa mãe que nunca me trairás por ódio ou por prazer. Ama-me, irmã ou mata-me. […].”

 

A partir de: Má Sorte Ter Sido Puta, de John Ford (1586-1640); Co-produção entre: Buzico!Produções, UmColetivo e CAE Portalegre; Encenação: Paulo Lage; Produção: Duarte Nuno Vasconcellos; Versão Cénica: Cátia Terrinca e Sofia Berberan; A partir da tradução de Cucha Carvalheiro; Interpretação: Cátia Terrinca e Pedro Manana; Cenografia: Bruno Caracol; Figurinos: Mónica Cunha e Olga Amorim; Adereços: Xana Capela; Desenho Luz: João P Nunes; Desenho de Som: Frederico Pereira; Design: David Costa

 

Observação de Teatro:

José Gil – Professor Adjunto de Teatro da Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Setúbal Actor e Encenador

Maria Simas – Actriz do Teatro do Politécnico IPS e Mestranda

Comentários

- PUB -

Mais populares

Estação de combustível da Repsol assaltada esta tarde em Setúbal

Indivíduo fugiu com o dinheiro da caixa. Ameaçou os funcionários com uma faca. Já são três os assaltos registados nos últimos quatro dias

Novo 10 de portas fechadas após polémica que envolve dívida de 700 mil euros

Empresário apresentou proposta ‘promissora’, que acabou por deixar proprietário do espaço de mãos a abanar

Café na baixa de Setúbal assaltado esta manhã

Crime decorreu por volta das 10h30, com a proprietária a pedir ajuda a comerciantes e pessoas que transitavam perto do local
- PUB -