26 Junho 2022, Domingo
- PUB -
InícioLocalAlmadaTeatro e ciranda de vida afirma sucesso em palco de Almada

Teatro e ciranda de vida afirma sucesso em palco de Almada

“Ohiá”, a história de uma pequena flor, junta três nacionalidades diferentes

- PUB -

 

No sábado solarengo de 28 de Maio, fomos ver, no Teatro Estúdio António Assunção quase cheio, o espectáculo “Ohiá” pela companhia internacional “La sorrisa del Lagarto”. São três nacionalidades (Brasil, Venezuela e Espanha) de actores e músico. Um espectáculo de 50 minutos, multidisciplinar, com teatro de sombras, sombras chinesas e crankie box, para maiores de 3 anos.

“Ohiá” é a história de uma flor (pequeno dente-de-leão) em busca das suas lindas esporas, faz uma viagem até ao infinito, uma viagem onírica cheia de aventuras, emoções e mudanças surpreendentes que o ajudarão a compreender a beleza do ciclo e da ciranda da vida. Segundo a Companhia “Brotar, florescer, murchar e… voltar a brotar”.

- PUB -

Durante o percurso encontra vários seres como um sapo, e a parábola tem como foco que é bom ter consciência de que se tem que perder algumas coisas para ganhar outras.

O cenário parece um bosque verde e escuro, um lugar de humidade e frescura coberto de borboletas, e move-se no ecrã com duas manivelas com um belíssimo ambiente de vara para as marionetas, silhuetas chinesas e de vara. Boa comunicação das actrizes com o público a quem dirigem um apelo para as ajudar a encontrar as esporas que voaram no vento. Belos diálogos:

– Eu sou um dente-de-leão.

- PUB -

– Você é uma mosca.

– Eu sou uma flor.

– Você está muito linda.

– Girinos e sapos

Canções para o pequeno público do Festival Sementes “Bem-me-quer, mal-me-quer”!

Depois aparece um pato. “Você viu as minhas esporas?”. A resposta é sempre não. Aparece também um passarinho colorido com quem vai voar. Surge o jogo “esconde esconde”. Um sucesso e no final as crianças vão ao palco – o futuro público- brincar com as sombras e fazer uma foto positiva.

Viva o teatro!

Ficha artística Autoria e concepção: Marli Santana y Ave Hernández Direção: Marli Santana Género: Teatro de sombras Técnicas: Sombras chinas y Crankie Box Interpretação: Marli Santana y Ave Hernández Espaço sonoro e música ao vivo: Yonder Rodríguez Técnico: Jimi P. Lorente Vídeo: Ángeles Muñiz e Ramón Martínez Cenografia: La Sonrisa del Lagarto, S. C. Soto del Barco y Mario Ordiales.

 

Actriz Marhi Santana em discurso directo

Sou Marhi Santana de Salvador da Baia, vivo actualmente no Principado das Astúrias Gijin, Espanha. Comecei a fazer teatro em criança. Quando faltava a luz, o que era vulgar na minha terra, fazíamos teatro de sombras com um candeeiro de petróleo. Havia muitas histórias para representar, mas a que eu gostava estava ligada à canção “Boi da cara preta”.

A minha mãe cantava para nós dormirmos e a gente encenava atrás do lençol branco e quando acabava de cantar os meus irmãos já estavam a dormir.

Veio depois a Universidade de Teatro UFBO-Bahia onde estudei Interpretação. Actualmente faço parte da companhia “La Sorrisa del Lagarto”, com Marhi Santana, Ave Hernandez, Yonder Ridriguez e Alex Alhaja.

 

Um percurso no campo do teatro internacional de pequeno público

Director do Festival Sementes e do Teatro Extremo de Almada

O Teatro Municipal Estúdio António Assunção acolhe, desde 1994, o Teatro Extremo que é dirigido por Rui Cerveira. É nesta bonita sala que se realiza o Festival Sementes que também é itinerante nos distritos de Setúbal, Lisboa e Évora.

Rui Cerveira quando era jovem só gostava de Matemática. Nasceu para os números. Ainda estudou Filosofia, mas a sua vocação foi para o teatro. Estudou no IFIC em Lisboa, com bons professores como Ávila Costa e o grande encenador Rogério de Carvalho, que possivelmente vai encenar este ano no Teatro Extremo.

Durante o ano, o Teatro Extremo acolhe dezenas de grupos locais de teatro amador como Ninho das Víboras, o Grito, o Lagarto Amarelo, Arte 33 e muitos outros.

A sala tem 100 lugares, mas, infelizmente, não tem armazém nem oficina. Contudo, tem uma pequena sala de ensaios. Segundo o director, o reportório da companhia é para a infância e para a juventude, com destaque, este ano, do espectáculo no ciclo “Em cena a ciência”, em parceria com a Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova no Monte da Caparica.

Outro ciclo a assinalar é “Sem Rei nem Rock”, narrativa do que foi histórico, mas não ficou na nossa história Têm apoio quadrienal, desde 2000, da DGARTES assim como da Câmara Municipal de Almada e de outras autarquias.

O Festival Sementes nasceu em 1996 como “Mostra Internacional das Artes para o Pequeno público”. Já passaram por Almada Companhias de Espanha, Itália, Brasil, Canadá e República Checa.

Para o futuro, preparam candidaturas à DGARTES, para 2023-2026, com uma co-produção com o Brasil Harem Teatro e duas co-produções com o Seiva Trupe do Porto, com direcção de Castro Guedes.

No Festival vão ter oficinas com Catarina Pé Curto em co-produção com o Mundo do Espectáculo e Aletria Biblioteca Itinerante. Há uma exposição no Agrupamento de Escolas Emidio Navarro “Seres Raros e fantásticos”.

 

José Gil: Professor Adjunto de Teatro da Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Setúbal. Actor e Encenador – [email protected]

 

Comentários

- PUB -

Mais populares

Avó e mãe de Jéssica cantaram em programa da TVI enquanto menina estava sequestrada

Família materna da vítima marcou presença em caravana de “Uma Canção Para Ti” na véspera da morte da criança

“Queremos ser uma das maiores potências desportivas do distrito de Setúbal”

Tiago Fernandes, presidente do Juventude Sarilhense

Menina de três anos morre em caso suspeito de maus tratos pela ama

Criança apresentava ferimentos na boca e nariz e hematomas no corpo. Ama disse que tinha caído de uma cadeira no dia anterior
- PUB -