2 Dezembro 2021, Quinta-feira
- PUB -
InícioOpiniãoO futuro da Procriação Medicamente Assistida no SNS

O futuro da Procriação Medicamente Assistida no SNS

A Procriação Medicamente Assistida (PMA) foi regulada no nosso país em 2006. Esta lei já sofreu diversas alterações, das quais destaco a alteração ocorrida em 2016 que garantiu o acesso de todas as mulheres, independentemente do seu estado civil e da respectiva orientação sexual, a técnicas de PMA.

- PUB -

Os resultados do AFRODITE, o primeiro estudo epidemiológico sobre infertilidade realizado em Portugal, datado de 2009, revelou que 9 a 10% dos casais portugueses sofriam de infertilidade ao longo da vida, o que representa entre 260 a 290 mil casais.

De um modo geral a infertilidade tem aumentado. Por isso, a Associação Portuguesa da Fertilidade estima que a prevalência da infertilidade conjugal é de 15-20% na população em idade reprodutiva.

É fundamental que o SNS consiga garantir condições para dar resposta a estas pessoas, mas a verdade é que se antes da pandemia a resposta nem sempre era atempada ou suficiente, durante a pandemia o cenário piorou significativamente tendo dado origem a longas listas de espera.

- PUB -

É verdade que as pessoas podem recorrer ao sector privado, no entanto, os preços aí praticados são muito elevados para a maioria dos portugueses. É, assim, evidente a importância de implementar rapidamente medidas que salvaguardem o futuro da PMA no SNS.

Para além disto, também se deve acabar com a diferenciação que existe entre o sector público e privado no que diz respeito à idade limite para aceder aos tratamentos.

No sector público, estes procedimentos só têm financiamento se concretizados antes dos 40 anos da mulher (para as técnicas de fertilização in vitro e injecção intracitoplasmática de espermatozóides) ou antes dos 42 anos da mulher (no caso de indução da ovulação e inseminação intra-uterina). No entanto, no sector privado, estes tratamentos podem ser feitos até ao dia em que a mulher completa 50 anos de idade.

- PUB -

Tendo em conta o que já se referiu quanto aos custos destes tratamentos no privado, conclui-se que a diferenciação de idade limite para aceder aos tratamentos de PMA constitui um factor de discriminação, uma vez que as mulheres a partir dos 40 ou 42 anos ficam impedidas de aceder a estas técnicas caso não tenham disponibilidade financeira para custear os tratamentos.

O recurso a técnicas de PMA tem uma enorme importância para muitas pessoas que lutam contra a infertilidade, constituindo esta a única possibilidade de poderem concretizar o seu desejo de serem pais e mães. Por isso devemos assegurar que essa possibilidade lhes é dada no Serviço Nacional de Saúde.

[Fancy_Facebook_Comments language="pt_PT"]
- PUB -

Mais populares

Dirigir o Vitória Futebol Clube no feminino: as mulheres nos actuais órgãos sociais do clube sadino

Sara Ribeiro, Ana Cruz, Dulce Soeiro e Helena Parreira partilham as suas vivências no clube, cujo regresso à I Liga tanto anseiam   Quando questionadas sobre...

António Costa anuncia que Portugal vai pedir à União Europeia que Península de Setúbal passe a ser uma NUT II

O primeiro-ministro diz que a Península de Setúbal está a ser fortemente penalizada por estar integrada na estrutura nominal da AML  

Volkswagen anuncia novo investimento de 500 milhões na Autoeuropa nos próximos cinco anos

Valor vai ser aplicado "em produto, equipamento e infra-estruturas", explicou Alexander Seitz
- PUB -