1 Dezembro 2021, Quarta-feira
- PUB -
InícioOpiniãoA política não pode ser encarada como uma carreira

A política não pode ser encarada como uma carreira

Na Constituição da República Portuguesa já está previsto que os cargos políticos não devem ser exercidos a título vitalício e para além disso estabelece ainda que “A lei pode determinar limites à renovação sucessiva de mandatos dos titulares de cargos políticos executivos.”. Ou seja, o legislador constitucional expressamente previu a possibilidade de limitação de mandatos.

- PUB -

Em 2005, introduziu-se a limitação de mandatos aos Presidentes das Câmaras Municipais e Juntas de Freguesia. No entanto, acontece que ficaram excluídos da referida Lei os Vereadores, apesar destes também assumirem cargos executivos.

Para além disso, o entendimento da Comissão Nacional de Eleições é que essa limitação de mandato apenas se verifica territorialmente, ou seja, a limitação de mandatos apenas se aplica no município ou freguesia em que ocorreu a eleição não havendo qualquer impedimento a que essas pessoas se candidatem noutro município/freguesia. A título de exemplo, no nosso distrito, nestas eleições autárquicas há quem contorne esta legislação, como a candidata da CDU Maria Dores Meira, que completou três mandatos consecutivos na Câmara de Setúbal e que apresenta agora a sua candidatura a Almada.

Parece-me que essa circunstância esvazia de conteúdo o objectivo da lei, visto que deve ser indiferente a zona territorial em que os três mandatos foram exercidos.

- PUB -

É importante relembrar que a República, enquanto princípio fundamental da nossa ordem jurídica, traz em si, a ideia de alternância no poder, proporcionada pelas eleições periódicas. Daí a limitação de mandatos permitir o reforço da democracia, a renovação dos intervenientes políticos e o pluralismo.

Com efeito, o sistema actual privilegia os que exercem há mais tempo cargos políticos, angariando cada vez mais poder ao longo de sucessivos mandatos. A possibilidade de reeleição vitalícia é potencialmente nociva à democracia.

No fundo, para além do que já referi, a limitação de mandatos pretende reduzir o número de pessoas que fazem da política uma carreira bem como as possibilidades de corrupção no Estado.

- PUB -

Recorde-se que, segundo os resultados do Barómetro Global de Corrupção, quase 90% dos portugueses acredita que há corrupção no Governo. A Organização das Nações Unidas (ONU) reconhece, entre outras coisas, que a corrupção coloca em causa a estabilidade e a segurança das sociedades, pois tem a possibilidade de minar a confiança dos cidadãos tanto nas instituições como nos valores democráticos; que os casos de corrupção envolvem, em muitos casos, recursos dos Estados e que a aquisição ilícita de riqueza pessoal pode ser particularmente prejudicial para as instituições democráticas, as economias nacionais e o Estado de direito.

Concluindo, devemos tomar todas as medidas que se considerem necessárias ao combate à corrupção e que promovam a confiança dos cidadãos nos titulares dos cargos políticos.

[Fancy_Facebook_Comments language="pt_PT"]
- PUB -

Mais populares

Dirigir o Vitória Futebol Clube no feminino: as mulheres nos actuais órgãos sociais do clube sadino

Sara Ribeiro, Ana Cruz, Dulce Soeiro e Helena Parreira partilham as suas vivências no clube, cujo regresso à I Liga tanto anseiam   Quando questionadas sobre...

António Costa anuncia que Portugal vai pedir à União Europeia que Península de Setúbal passe a ser uma NUT II

O primeiro-ministro diz que a Península de Setúbal está a ser fortemente penalizada por estar integrada na estrutura nominal da AML  

Volkswagen anuncia novo investimento de 500 milhões na Autoeuropa nos próximos cinco anos

Valor vai ser aplicado "em produto, equipamento e infra-estruturas", explicou Alexander Seitz
- PUB -