9 Agosto 2022, Terça-feira
- PUB -
InícioOpiniãoO Barreiro precisa de recuperar capacidade reivindicativa

O Barreiro precisa de recuperar capacidade reivindicativa

Como já foi referido neste jornal Os Verdes promoveram nos dias 28 e 29 de junho, as suas Jornadas Parlamentares, que incidiram sobre a sustentabilidade das Áreas Protegidas e Estuário do Tejo, na Península de Setúbal.

- PUB -

Dos vários assuntos abordados nesses intensos dias de trabalhos, esteve o problema da apanha de Bivalves no Estuário do Tejo, que aliás levou Os Verdes a requerer um debate de atualidade no plenário da A.R. imediatamente a seguir às Jornadas.

Durante o debate insistimos na necessidade do Governo dar respostas ao conjunto dos problemas que a apanha de bivalves sem regras, está a potenciar no Estuário do Tejo, nomeadamente a elaboração de um plano de gestão de recursos, que estabeleça o universo de licenças a atribuir face aos recursos disponíveis e que regulamente toda a cadeia de comercialização, que reforce a fiscalização, assuma como prioritário a recuperação das espécies e habitats e procure mitigar ou eliminar o problema da contaminação das águas e sedimentos no Estuário do Tejo.

Mas neste contexto, a importância da unidade de transformação de bivalves no Barreiro, não pode ser minimizada, até porque, o projeto Biovalor tem como principais objetivos, regularizar a atividade da apanha de bivalves no Tejo, minimizar os graves impactes ambientais que esta atividade está a provocar e sensibilizar os sectores da apanha, mas também da sua comercialização para as questões relacionadas com a salubridade.

- PUB -

Trata-se de um projeto de investigação e ao mesmo tempo de um projeto de transformação de bivalves que exijam tratamento ou “cozedura”, de forma a garantir que os bivalves chegam ao mercado para consumo sem quaisquer riscos em termos de saúde publica.

Como sabemos a construção desta infraestrutura foi anunciada pelo governo em 2017, mas o processo está parado devido a problemas com as fundações. Ora, no debate que Os Verdes agendaram no início de julho e perante a nossa insistência, foi anunciado pelo Ministro do Mar, que a construção dessa unidade no Barreiro arrancaria em agosto.

Sucede que agosto já passou e setembro já vai a meio, mas obras…nada.

- PUB -

Pior ainda, do que se conhece não foram solicitados ao Governo por parte da Camara do Barreiro, quaisquer pedidos de esclarecimentos sobre o arrastar do reinício das obras, nem tão pouco, aliás, se conhece qualquer diligência deste executivo camarário, com vista a chamar atenção do Governo para o impasse que decorreu desde o anuncio da obra em 2017 até hoje.

Vamos esperar que depois de setembro, o Barreiro volte a ter um executivo camarário que recupere a natureza reivindicativa junto do Governo, nesta e noutras matérias, que esteja ao lado das populações quando nos impõem estacionamento pago no Hospital, ou que não troque “meia dúzia de rebuçados”, pela saúde e qualidade de vida dos barreirenses, como sucedeu no caso da localização do aeroporto no Montijo, ainda que aqui será mais adequado falar de “subserviência” ao Governo e aos interesses da multinacional Vinci, do que propriamente capacidade reivindicativa.

Comentários

- PUB -

Mais populares

Histórica estação rodoviária na 5 de Outubro vai dar lugar a supermercado Continente

Edifício está a ser alvo de estudos há cerca de uma semana, com o objectivo de abrir espaço do grupo Sonae

Hospital da Luz Setúbal confirma nova clínica no centro da cidade

Dr. José Ferreira Santos, director clínico do estabelecimento, confirma pólo adicional para aproximar clientes do centro hospitalar

João Martins: “Deixo uma casa com bom nome e reconhecida”

Criou, desenvolveu e consolidou a Escola Profissional do Montijo (EPM). Ao fim de 29 anos e uns pozinhos, o professor decidiu passar o testemunho
- PUB -