28 Novembro 2021, Domingo
- PUB -
InícioOpiniãoCensos 2021: na luta para vencer o desafio demográfico, todos podem fazer...

Censos 2021: na luta para vencer o desafio demográfico, todos podem fazer a diferença

Os resultados preliminares dos Censos 2021 revelaram algo que, tristemente, já se previa. Portugal continua a perder gente, tendo tido um decréscimo de cerca de 2 por cento numa década. A nossa população “encolhe”, concentra-se nas cidades e deixa vastas e importantes áreas do País praticamente desertas. Na nossa região, os resultados são especialmente preocupantes em alguns municípios e obrigam a que todos -governantes nacionais e locais – tomem decisões para que esta tendência dramática se inverta já nos censos de 2031.

- PUB -

Este não é um problema a tratar exclusivamente pelo Governo. É demasiado importante para que pensemos assim. Trata-se da nossa sobrevivência enquanto povo e da nossa capacidade para lutar por um futuro melhor.

A baixa natalidade é algo que nos afeta a todos, desde logo porque tem consequências económicas extremamente graves, porque um país envelhecido é um país menos dinâmico, menos forte, mais vulnerável. Porque a força de trabalho ativa tem de ser suficientemente alargada para proporcionar condições dignas à vasta população idosa.

É por isso que todos devemos pensar em formas de incentivar as famílias a ter mais filhos, ajudando nessa decisão com políticas locais nesse sentido.

- PUB -

Essas políticas devem mostrar aos casais jovens a importância que essa decisão tem para o futuro de Portugal e isso só se consegue se quem gere as políticas públicas apresentar medidas, ações e incentivos adequados.

Os concelhos que perderam mais gente têm a obrigação de tentar, pelos meios ao seu alcance, cativar os seus jovens a permanecer ou regressar à sua terra natal para ali criar as suas próprias raízes.

É curioso constatar que, no nosso distrito, todos os concelhos da península de Setúbal ganharam população, à exceção do Barreiro, que ainda assim teve uma variação negativa de apenas meio ponto percentual. Mas, já na zona sul – no Litoral Alentejano – todos perderam, menos Odemira, que subiu 13.3 por cento, muito devido à inclusão de imigrantes. Os números mais dramáticos e graves são curiosamente apresentados pelo concelho mais próximo da península de Setúbal: Alcácer do Sal, que perde 14.7 por cento, cerca de duas mil pessoas da sua já muito reduzida população, tendo em conta que é o segundo mais extenso concelho do País.

- PUB -

Face a esta grave questão, os municípios podem, e devem, dar o seu contributo para uma estratégia nacional que contrarie esta tendência.

.

 

Desde logo, ter políticas de habitação que permitam às famílias ter acesso a uma casa a preços que possam pagar, nomeadamente articulando com instituições ou particulares proprietários de imóveis degradados ou devolutos, fazendo com que estes sejam reabilitados e colocados no mercado a preços razoáveis.

Em paralelo, devem criar loteamentos municipais nas aldeias, promovendo a fixação de jovens nesses aglomerados, o que deve ser acompanhado pela imprescindível melhoria dos acessos e a garantia de eficientes redes de telecomunicações. A isto têm ainda de somar-se respostas educativas adequadas.

Quem quiser fixar-se nestes concelhos, deve poder fazê-lo facilmente, sendo acolhido também com inventivos ao empreendedorismo, com incubadoras de empresas, a agilização dos processos de licenciamento para projetos imobiliários e empresariais e a dinamização das zonas industriais, levando-as para um novo nível de desenvolvimento adaptado aos dias de hoje.

Só depois de tentarmos tudo isto e o mais que a criatividade e os bons exemplos nos permitirem, é que podemos dizer que contribuímos para a sobrevivência do País, pensando global, mas agindo localmente, como peças de um grande puzzle que é Portugal.

[Fancy_Facebook_Comments language="pt_PT"]
- PUB -

Mais populares

Área Metropolitana de Lisboa assegura transporte rodovidário sadino até chegada da Carris Metropolitana

É necessário "dar continuidade às Autorizações Provisórias até a entrada do novo operador, de forma a evitar a ruptura dos serviços públicos de transporte rodoviário de passageiros no concelho de Setúbal"

António Costa anuncia que Portugal vai pedir à União Europeia que Península de Setúbal passe a ser uma NUT II

O primeiro-ministro diz que a Península de Setúbal está a ser fortemente penalizada por estar integrada na estrutura nominal da AML  

Volkswagen anuncia novo investimento de 500 milhões na Autoeuropa nos próximos cinco anos

Valor vai ser aplicado "em produto, equipamento e infra-estruturas", explicou Alexander Seitz
- PUB -