29 Junho 2022, Quarta-feira
- PUB -
InícioOpiniãoMetro Sul do Tejo: uma promessa por cumprir

Metro Sul do Tejo: uma promessa por cumprir

A história que vos quero contar começa em 2002, quando Manuela Ferreira Leite e José Luís Cardoso de Meneses Brandão assinaram um contrato que mudaria para sempre o desenho de Almada: uma promessa de modernidade.

- PUB -

A primeira todos conhecem, era ministra do Governo de Durão Barroso; o segundo era o representante da estrutura accionista de uma entidade concessionária composta pela Barraqueiro, pela Teixeira Duarte, pela Sopol, pela MotaEngil, pela Ensulmeci e pela Siemens. Esse contrato deu origem a uma das PPP’s mais ruinosas da época: o Metro Sul do Tejo.

Por esse investimento tão necessário, as entidades públicas – nós – garantimos à cabeça 284 milhões de euros, e a entidade concessionária ficou responsável pelo material circulante, ou seja, basicamente pagou os comboios por 55 milhões, 16% do projeto. A obra lá se fez mas o metro atrasou-se, em vez de começar a circular em 2005, só começou em 2008, e por causa desse atraso pagamos mais 77,5 milhões ao concessionário privado.

Estava então concluída a primeira fase do Metro Sul do Tejo e nunca passou daí a nossa prometida modernidade. Sobre esse negócio é necessário dizer mais duas coisas. A primeira é que o contrato poupava os privados de todo o risco e obrigava o Estado – nós – a indemnizar os privados sempre que o número de passageiros não atingisse um determinado limite. Quando tentei perceber que limite era esse descobri que para o Estado deixar de pagar era preciso que o  metro fosse utilizado por mais de metade das pessoas que faziam movimentos pendulares dentro ou por Almada, uma coisa um bocadinho difícil se tivermos em conta que nem 40% dessas pessoas preferiam o transporte coletivo. Conclusão: todos os anos o número de passageiros ficou aquém do previsto e todos os anos pagámos uma renda milionária à Barraqueiro.

- PUB -

Depois de duas décadas e mais de 500 milhões de euros públicos é difícil entender a proposta feita pela candidatura da CDU para começar tudo de novo e enterrar o metro. O que me leva à segunda coisa a dizer sobre aquele negócio: é que, ao contrário do que foi prometido, o projeto nunca chegou ao Barreiro, nem nunca passou da Universidade.

Ou seja, não só pagámos um preço exorbitante, como nos ficaram a dever na tal modernidade. E não vale a pena ir à procura na chamada Bazuca – onde estão a expansão do metro de Lisboa e do Porto – porque não está lá Metro Sul do Tejo. Depois de anos a ouvir que o problema eram os desentendimentos com o Governo, os almadenses ficaram agora a saber que quatro anos de sincronia partidária entre a autarquia e o Governo também não chegaram. O Partido Socialista parece ter abandonado o projeto de expansão do Metro Sul do Tejo ao arco ribeirinho sul.

Nós não. Queremos o metro do Barreiro à Costa da Caparica, queremos transportes rodoviários públicos, queremos transportes gratuitos, a começar pelo passe gratuito para os desempregados. As rotundas que o podem até ajudar à gestão do trânsito, mas modernidade, hoje, é resolver os problemas de trânsito com transportes públicos.

Comentários

- PUB -

Mais populares

“Queremos ser uma das maiores potências desportivas do distrito de Setúbal”

Tiago Fernandes, presidente do Juventude Sarilhense

Avó e mãe de Jéssica cantaram em programa da TVI enquanto menina estava sequestrada

Família materna da vítima marcou presença em caravana de “Uma Canção Para Ti” na véspera da morte da criança

Revolta no velório de Jéssica obriga à presença de bombeiros e polícia

Avó paterna e alguns populares revoltam-se com mãe da criança durante a cerimónia fúnebre
- PUB -