30 Novembro 2022, Quarta-feira
- PUB -
InícioOpiniãoPENSAR SETÚBAL: Ana Gomes e a ilegalização do Chega

PENSAR SETÚBAL: Ana Gomes e a ilegalização do Chega

“O Chega só deve ser ilegalizado se cometer crimes – e crimes por acção, não por pensamento, ideias ou comício. A ideia de ilegalizar o Chega é totalmente estúpida e irracional”

- PUB -

António Barreto, Diário de Notícias

A eurodeputada socialista e candidata à presidência da República, Ana Gomes, vai avançar com o pedido de reapreciação da legalização do Chega, através de uma queixa na Procuradoria-Geral da República.

Não tenho qualquer simpatia pelo Chega; acho-o um partido fascista.
Todavia, quer a nossa esquerda doméstica, quer a comunicação social, têm vindo a cometer erros sucessivos, procurando diabolizar, invectivar e ilegalizar esse partido, não se apercebendo que com este tipo de atitudes e procedimentos, estão a fazer o seu jogo, que reforça assim o seu protagonismo mediático.

- PUB -

Se esse é o diagnóstico, a terapêutica utilizada não tem sido a mais correcta e eficaz. Essa passa pela procura e troca de informação, o conhecimento da História, a reflexão, o debate, a utilização dos meios de comunicação social, etc.

As escolas desempenham um papel fulcral nesse papel.

A disciplina de História tem vindo a ser progressivamente subalternizada, com a inexistência de um conjunto de conteúdos relevantes.

- PUB -

Existem acontecimentos históricos que são muito pouco abordados; com o Nazismo e o Fascismo, fala-se exaustivamente de Hitler, do Holocausto, de Salazar, do Estado Novo e pouco mais. Mussolini e Franco, alguma coisa; Pinochet, Videla, Gualtieri, Stroessner, Quisling, Laval, Dolfusss, Heichmann, Mengele, as polícias políticas repressivas, quase nada.

Com o Comunismo ainda é pior; personalidades e acontecimentos tais como Estaline, o Holodomor, as purgas, os Gulags, Mao, as Grandes Fomes, o Grande Salto em Frente, a Revolução Cultural, Pol Pot, os Khmers Vermelhos, os campos da morte, os Genocídios, a Coreia do Norte, o Muro de Berlim, as polícias políticas repressivas, o doping no desporto sancionado pelos Estados, praticamente não são mencionados.

Na História existe muitas vezes o risco de ser ocultada ou revisitada, revista e deturpada.

Hoje em dia existem pessoas que não desejam procurar e conhecer a verdade do passado, mas apenas um pretenso passado que se adeque e sirva essencialmente os seus objectivos e interesses ilícitos.

E essa, como tantas outras, é uma forma de desonestidade intelectual, intencional e deliberada, que deve ser sempre detectada, desmontada e combatida com veemência, por todos aqueles que procuram e anseiam pela verdade histórica. Mas isso é outro problema.

No meu Agrupamento de Escolas Lima de Freitas, por vezes lecciono a disciplina de Cidadania e Desenvolvimento, que desempenha também aqui um papel complementar muito importante.

Fornecer informação relevante aos alunos, de forma séria e isenta, longe de constrangimentos políticos e ideológicos, promovendo a reflexão e o debate, é absolutamente indispensável.

Nas nossas sociedades democráticas, a liberdade de acesso e diversificação de informação, constituem alicerces fundamentais para a transmissão de conhecimento.

As nossas televisões, em vez de disponibilizarem programas educativos de qualidade, enveredam por outros caminhos, do tipo “folclore e circo”.

Actualmente, o Canal de História constitui uma perfeita vergonha relativamente ao tipo e à qualidade dos programas apresentados.

Cara Ana Gomes; a História ensina-nos que a pedagogia do conhecimento e não a inutilidade da proibição, são os caminhos mais eficazes para combatermos as ditaduras.

Comentários

- PUB -

Mais populares

Jovem morre esfaqueado em cilada durante convívio 

Vitima, na casa dos 20 anos, era estudante e trabalhador na Autoeuropa

Corpo do chefe dos Bombeiros Sapadores de Setúbal encontrado na Praia da Torre em Grândola

Identificação do corpo terá sido feita por familiares na morgue, onde será realizada a autópsia, não havendo, até ao momento, indícios de crime 

Acidente na A2 junto a Palmela faz um morto e dois feridos ligeiros

Colisão entre dois veículos ligeiros ocorreu ao quilómetro 24.9 da Autoestrada 2. Vítima mortal tinha 42 anos
- PUB -