25 Fevereiro 2024, Domingo
- PUB -
InícioOpiniãoQuem diz que é pequeno caminho?

Quem diz que é pequeno caminho?

O Manifesto reclamando “Justiça para a Palestina”, da iniciativa do MPPM – Movimento pelos Direitos do Povo e pela Paz na Palestina – lançado a 2 de Novembro na Fundação José Saramago, em Lisboa, é uma das traves-mestra de um expressivo conjunto de acções em curso, assentando no facto de 2017 ser o ano em que se assinalam três datas de significado profundamente doloroso para esse povo irmão: “os cem anos da Declaração de Balfour, na qual o Governo Britânico prometeu ao movimento sionista a criação de um lar nacional judaico na Palestina; os 70 da partição da Palestina, adoptada pela ONU em 1947, da qual resultou a criação do Estado de Israel e consequente Nabka (catástrofe) em 1948, processo de limpeza étnica que se traduziu na demolição de mais de 530 aldeias e na expulsão de 750 palestinos da sua terra natal (o que propiciou a 1º Conferência Europeia sobre os Colonatos Israelitas no passado dia 6, em Bruxelas, onde se juntaram personalidades, jornalistas, partidos, organizações e movimentos de solidariedade de 24 países, entre os quais o PCP); os 50 do início da ocupação por Israel da Margem Ocidental, de Jerusalém Oriental, da Faixa de Gaza e dos Monte Golã e do processo de colonização”.
Cinquenta anos, pois, de arrastamento de uma promessa por cumprir, a da criação do Estado Palestino previsto na Resolução 181 da ONU, e da ofensiva de alargamento contínuo da ofensiva terrorista morticida, apoiada acima de tudo pelos Estados Unidos e seus apaniguados.
Uma Petição decorre em igual tempo, reclamando das autoridades portuguesas a assinatura e ratificação do Tratado de Proibição das Armas Nucleares adoptado a 7 de Julho passado, sempre em sede da ONU, partilhado por 122 Estados promotores. Aqui retomou a dianteira, naturalmente, o Conselho Português para a Paz e Cooperação, CPPC, que ao governo português, faltoso, só lembra o artigo 7º da Constituição da República Portuguesa preconizando o “desarmamento geral, simultâneo e controlado”, e que tão pouco aceita, para reproduzirmos um termo transcrito pelo Avante! de 16 deste mês, fazer “vista grossa aos exercícios de guerra nuclear” de Trump, bem na ordem do dia.
É assunto do lado de lá do hemisfério, parece. Mas num nosso, de todos nós pequeno caminho de dois concelhos vizinhos que a Baía do Sado bordeja, duas oliveiras estão plantadas: no Jardim de Palhais, em Setúbal, pelas mãos de eleitos autárquicos, de militantes do MDM, Movimento Democrático de Mulheres, e do representante da Frente Polisário em Portugal, Ahmed Fal – e foi no Dia Internacional da Mulher de 2015; na Rotunda do Ovelheiro, na Quinta do Anjo, pelas mãos igualmente de eleitos autárquicos, do Conselheiro da Missão Diplomática Palestiniana, Fadi Alzaben, de dirigentes do MPPM e da CGTP-IN, e de um grupo de alunas e alunos do Colégio Islâmico de Palmela, a 30 de Março deste ano.
E porquê? Era o Dia da Terra das pedras levantadas do chão.

Valdemar Santos
Militante do PCP
- PUB -

Mais populares

Menino de sete anos morre após ser baleado em Setúbal

Neto e avó foram atingidos a tiro de caçadeira no Bairro da Bela Vista. Disparo veio de carro em andamento. Alvo seria o pai da criança

Imagens mostram momentos após menino e avó serem baleados no Bairro da Bela Vista (vídeo)

Homem é visto a empunhar uma caçadeira correndo em várias direcções até que entra numa viatura que sai depois do local

Suspeito de morte de menino em Setúbal será tio da criança

Homem está identificado pelas autoridades e colocou-se em fuga. Disparo de caçadeira terá sido feito para assustar rival
- PUB -