16 Agosto 2022, Terça-feira
- PUB -

Arrábida

Provavelmente por razão hereditária paterna cedo o meu gosto pelas duas rodas motorizadas se manifestou. O resto foi só uma questão de tempo, isto é, de trabalho. Para quem vive do seu trabalho, comprar uma mota, por muito grande que seja o sonho, dá trabalho. É preciso prescindir de alguma coisa e trabalhar para pagar o luxo de ter uma grande companheira. No que me toca, não há viagem como a de mota, o vento na cara, os cheiros, as curvas e as melhores paisagens não têm como ser melhor vividas. Depois de muitos anos com moto, por opção própria, houve a travessia do deserto e não gozei o privilégio de ter uma duas rodas durante uma dezena de anos. Até que, há meia dúzia de anos, o refrescante oásis bafejou a minha vida pela mão de uma Harley Davidson (HD), verdadeira peça de arte com rodas e motor. Tudo isto parece manifestamente exagerado, mas quem tem moto sabe do que falo. Há pouco mais que um mês, com esta companheira que nunca me deixa ficar mal e não tem ciúmes, fui a um evento a Setúbal, à volta da apresentação dos modelos 2018 – tudo serve para andar de moto. Muito mais do que muitas HD, acreditem que um convívio de HDs tem um espirito verdadeiramente único – com ou sem tatuagens a coisa funciona mesmo. À volta de uma HD, a boa conversa, com tudo o que de bom tem associado, pode levar horas. Na hora do clássico passeio de grupo, a opção era, Arrábida ou Troia. Cerca de duas centenas para cada lado. A minha escolha foi Arrábida. Nestas coisas de Harley, a cabeça funciona de maneira diferente, é um espirito, às vezes, surpreendente. Escolhi a Arrábida porque na minha cabeça eram mais quilómetros de curvas e magníficas paisagens. Assim foi. Meus amigos, mesmo enlatados (de automóvel), vivam a Arrábida exaustivamente. Acreditem que andamos todos muito distraídos; apenas como exemplo e por comparação, Sintra, a justamente famosa Sintra, fica lá muito atrás.  Apesar deste contexto, entre o espirito HD e a soberba Arrábida, ainda tive um lampejo de “normalidade”:  como compatibilizar as minhas razões ecológicas com umas largas dezenas de Harleys a roncarem no Parque Natural? Foi a pergunta que em pleno Parque Natural da Arrábida se me colocou. Suspeito que não consigo justificar; afinal todos temos telhados de vidro, foi a minha consolação.

- PUB -

 

PS – Durante o passeio fomos passando por largas dezenas de pessoas que tinham enormes sacos azuis. Nada mais nada menos que o Clube da Arrábida na sua 7ª acção anual de limpeza que quase atingiu as 8 toneladas. A compensação pela nossa malfeitoria afinal estava ali no próprio dia.

Comentários

Carlos Cupeto
Universidade de Évora
- PUB -

Mais populares

PSP de Setúbal sem meios para se deslocar a atropelamento em frente à esquadra

Acidente na Avenida Luísa Tody fez uma vítima de 88 anos

Mulher morre em colisão entre dois veículos em Grândola

Uma colisão frontal entre dois veículos ligeiros na Estrada Nacional 261, no cruzamento do Carvalhal, provocou, esta tarde, um morto e dois feridos graves.

Discussão entre dono de restaurante e cliente termina com perseguição e tiros

Em causa está uma discussão entre o proprietário do restaurante e um cliente, que terá insultado a sua companheira.
- PUB -