17 Agosto 2022, Quarta-feira
- PUB -
InícioOp Autárquicas 2017Debates autárquicos (1.ª fase): um balanço

Debates autárquicos (1.ª fase): um balanço

Caro leitor, finda a 1.ª fase dos debates (de Julho, a 2.ª será em Setembro) nos 13 concelhos do distrito (organização do Diário da Região, Rádio Popular FM, Rádio Sines, Agência de Notícias ADN, Setúbal Revista e Instituto Politécnico), eis a minha opinião.
Assisti presencialmente a todos (Palmela, Montijo, Moita, Alcochete e Barreiro) para sentir o ambiente e os avaliar com rigor, e, de algum modo, avaliar o estado da democracia autárquica no distrito, que teve, desde sempre, as mais altas taxas de abstenção do país. Não é só no IMI que somos, desde sempre, o pior distrito: é também na participação cívica eleitoral.
Em 2013 só o concelho de Grândola teve abstenção abaixo de 40% (34,87%). Em A. do Sal, 40,33%, Sines, 43,36%, Alcochete, 48,22%, S. do Cacém, 48,65%, Barreiro, 54,52%, Moita, 59,65%, Montijo, 60,00%, Almada, 60,47%, Seixal, 61,14%, Setúbal, 61,27%, Palmela, 61,49% e Sesimbra, 62,23%. Autarcas e partidos deviam ter-se mobilizado fortemente contra isto. (É curioso os concelhos mais rurais, na vox populi «atrasados», terem as taxas de abstenção mais baixas).
Estas taxas põem em risco a democracia e, lembrando a História, sempre que a democracia ficou fraca nada de bom se seguiu.
Mas a muitos autarcas parece que lhes chega serem eleitos, mesmo com percentagens inferiores a 20% do eleitorado, que o milagre de São Método de Hondt transforma em «robustas» maiorias absolutas.
Esta triste realidade valoriza a meritória iniciativa dos organizadores dos debates, com um formato mais favorável à participação cidadã do que em 2013, tendo enchido todas as salas (excepto em Palmela).
Antes de mais, esclareço as almas inquietas de que não sou nem serei candidato autárquico. Basta-me participar civicamente pelas formas legítimas existentes, pois queixosos que nada fazem, além de criticar tudo e todos à mesa do café, é o que há mais: a alta abstenção prova-o.
Analisei os debates globalmente nos itens que acho importantes, evitando a luta eleitoral e beneficiar, directa ou indirectamente, algum candidato. A análise pode ser demasiado genérica, mas, ainda assim, contribuirá para esclarecer os munícipes.
Propostas dos candidatos: houve algumas muito oportunas e válidas por parte de alguns candidatos, mas também uma grande diferença na qualidade global dos debates. Eis a minha lista do melhor ao mais fraco: Montijo; Barreiro; Alcochete; Moita e Palmela.
Esclarecimento após os debates: independentemente do grau de qualidade de cada debate, permitiram um bom esclarecimento dos munícipes.
Ambiente relacional entre os candidatos: foi, em geral, muito bom, as pequenas «farpas», directas ou indirectas, nunca passaram os limites aceitáveis.
Perguntas do público: foram muito claras, concretas e sérias (com poucas excepções), reflectindo, a maioria delas, as preocupações, anseios e necessidades básicas dos munícipes (o que confirma o crescente desinteresse dos municípios na satisfação do essencial em favor do acessório).
Respostas às perguntas: houve da parte dos candidatos um esforço genuíno para esclarecer os munícipes.
Comportamento do público: foi do óptimo ─ na Moita nem houve palmas ─ ao muito mau: Eis a minha lista do mais cordato ao menos cívico: Moita; Alcochete; Montijo; Palmela e Barreiro (neste comentava-se, falava-se ao telemóvel, saia-se e entrava-se na sala, impedia-se ou outros de ouvir. E a «sala de visitas» do Barreiro não tinha Internet para a transmissão vídeo: elucidativo sobre o conceito de liberdade de expressão para algumas pessoas).
Desempenho dos moderadores e repórter: regras claras, isenção e gestão eficaz das intervenções dos candidatos. A repórter geriu a participação do público com eficácia, sobriedade e simpatia.
Os debates são um verdadeiro serviço público para as comunidades locais, é pena que muitos munícipes não os acompanhem, ao menos online (em www.autarquicas.media); ficarão muito mais esclarecidos sobre o que se fez nos mandatos anteriores ─ e o que ficou por fazer ─ e ainda sobre as propostas para o futuro: só com conhecimento de causa se vota em liberdade.

Comentários

- PUB -

Mais populares

PSP de Setúbal sem meios para se deslocar a atropelamento em frente à esquadra

Acidente na Avenida Luísa Tody fez uma vítima de 88 anos

Mulher morre em colisão entre dois veículos em Grândola

Uma colisão frontal entre dois veículos ligeiros na Estrada Nacional 261, no cruzamento do Carvalhal, provocou, esta tarde, um morto e dois feridos graves.

Acidente de viação no Montijo provoca três mortos

Colisão frontal provocou a morte de dois homens, de 26 e 32 anos, e de uma mulher, de 24 anos
- PUB -