19 Agosto 2022, Sexta-feira
- PUB -
InícioOpiniãoPensando ou esboçando um programa político

Pensando ou esboçando um programa político

Devemos ao Pinhal Novo e pinhalnovenses testemunhos de paixão desinteressada e transfigurante que quebre esta morrinha paralizante. Precisamos de políticas em torno dos espaços e populações, para progredirmos para uma consciência colectiva e outros conceitos de Vida e Felicidade. No seguimento penso:

- PUB -

1. Na necessidade de desenvolver políticas de sensibilização, consciência e valorização eco-ambiental do nosso território, potenciando formas culturais e educativas que unam os pinhalnovenses em torno de ideias avançadas. 2. Portanto, deve proceder-se à defesa de espaços e recursos naturais da nossa região, nomeadamente no que respeita à água. 3. Dotar a região de um conjunto de canais, preservando e utilizando os existentes, abrindo possibilidades de visitação e exploração cultural-ecológica dos mesmos, em interação com as populações. 4. Criar um corredor pedestre ao longo da vala/ribeira da Salgueirinha, ligando a serra/Freguesia da Q.ª do Anjo à charneca pinhalnovense. 5. Procurar recuperar o núcleo da maior reserva ecológica do concelho, no espaço da Salgueirinha – Lagoa da Palha, reactivando o seu antigo «Percurso pedestre» e placas camarárias. 6. Evitar a construção de uma variante na Fonte da Vaca/Carregueira (reservas agrícola e ecológica) 7. Avançar para a classificação, como área protegida local, do montado de Rio Frio. 8. Os procedimentos anteriores irão fortalecer a nossa coerência de viver em torno da defesa e divulgação de espaços como o chaparral, pinhais, animais, paisagem, linhas de água, etc, dando origem a uma identidade não desagregadora do território. 9. Abandonar o conceito de «cidade» das décadas passadas, modelo urbano ultrapassado, por forma a dotar a terra de uma urbanidade moderna e eco-ambiental, integrando campo e «cidade» e pessoas. 10. Estudar a possibilidade de criar colunas ou corredores ecológicios na vila, valorizando a terra e gerando interações cívicas e educativas nos cidadãos. 11. Proceder à reconversão urbana das ruas comerciais, devolvendo as ruas aos peões, para potenciar o encontro e convívio e valorizar o esforço dos lojistas, restituindo a vila às populações. 12. Dar atenção às partes antigas de Pinhal Novo, na possibilidade de recuperar e/ou classificar património. 13. Proceder a classificações patrimoniais no plano da cultura, arqueologia e natureza. 14. Libertar a terra, colectividades, associações, etc da agenda da autarquia/administração local, deixando às organizações/associações a liberdade de escolha, ação e criação. 15. Através de conversações aferir do interesse do CDPinhalnovense e do Pinhal Novo em reunir sócios e população, em sede própria, para convívio e animação da vila. 16. Criar um espaço ou Centro Cultural (CC), em Pinhal Novo, transparente e aberto a toda a população, em que qualquer cidadão livremente possa expor, debater, apresentar assuntos, trazendo à terra dinâmica cultural e ideias. Nesse CC o cidadão com interesse numa cultura aberta e independente do poder autárquico, será ajudado tecnicamente e não empatado e/ou estagnado… 17. Criar um sistema de incentivo aos espaços agrícolas, nomeadamente à distribuição e venda de suas produções, no mercado interno, entrando pela possiblidade de criar (até com outros concelhos) um «sistema de moeda local», o qual cativa o dinheiro à região. 18.Tornar o processo político local mais interventivo, transformando a participação, intervenção e opiniões dos cidadãos em decisão. Os cidadãos precisam de decidir  e não só de votar, «participar»(?) e opinar! O poder, os recursos e dinheiro do estado não são dos partidos! Os partidos não devem ser os únicos decisores; podem e devem propor e ajudar a co-administrar o bem publico local (e nacional) … 19. Reduzir o poder autárquico ao seu espectro administrativo local, como instituição dinâmica ao seviço das populações, livre de opiniões de caserna, poderes paralelos, espécies de governo sombra, criando transparência total e aberta no acesso às funções e trabalhos da autarquia. O poder é de todo o Povo! 20. Os anteriores dezoito pontos, estarão incompletos e serão completos por aquilo que será usual qualquer autarquia fazer: administrar o bem público em função das suas competências.

 

Comentários

Jose Vinagre
Professor
- PUB -

Mais populares

Mulher morre em colisão entre dois veículos em Grândola

Uma colisão frontal entre dois veículos ligeiros na Estrada Nacional 261, no cruzamento do Carvalhal, provocou, esta tarde, um morto e dois feridos graves.

Ana Catarina Gonçalves: A grandolense que arriscou e conseguiu montar um ‘império’ na vertente das explicações

Com apenas 21 anos, começou a acompanhar algumas crianças por brincadeira. Hoje, passados cinco anos, emprega três dezenas de professores

Acidente de viação no Montijo provoca três mortos

Colisão frontal provocou a morte de dois homens, de 26 e 32 anos, e de uma mulher, de 24 anos
- PUB -