8 Agosto 2022, Segunda-feira
- PUB -
InícioOpiniãoPinhal Novo: Alguns espaços de Água

Pinhal Novo: Alguns espaços de Água

Rio Frio: O rio deu nome à herdade e assim a conhecemos desde a sua garnde transformação no séc. XIX, embora o Rio Frio apareça mencionado no primeiro mapa de Portugal, em 1561, quando Álvaro Seco anotou nessa carta «Rio Frio» e também «R. de Agualva». Em 1343, na «Carta de Termo de Palmela» é referida a «veia d’Agualva (…) veia da dita agoa» (in: «Forais de Palmela»). Nos «Inquéritos Paroquiais» (1758), referentes ao terramoto de 1755, aprecem referências a Rio Frio e Roim Frio: «as casas de Roim Frio e as suas terras com várias casas». A partir de então o topónimo está sempre presente. Desde que JMSantos secou e drenou os seus pauis (ano de 1859) que as referências são feitas directamente à Herdade de Rio Frio. Da fortuna do seu antecessor, S. Romão, fazia parte «Rio Frio e courelas anexas».

- PUB -

 O rio Frio que se bifurca no Pontão, dividindo-se pela Caparica-Amieira e pela Terra de Caramelos/Herdade de R. Frio, liga ao rio das Enguias (Barroca d’Alva/Alcochete) e este ao Tejo. Em 1859, os trabalhos de drenação e secagem do rio levaram à criação de um importante sistema hidráulico de valas que encostaram o rio às margens do paul, zonagem, possibilitando o aproveitamento dos seus «baixios» (terras pretas) para a orizicultura e pastagem.

Dessa importante rede hidráulica sobressaem três valas, as quais deixavam a possibilidade de navegação dadas as suas dimensões e caudal de água, em virtude de as marés continuarem a subir nelas. Temos: Vala de S. Romão ou do Romão, Vala do Meio e Vala dos Barcos ou do Vinho (também conhecida por Vala Grande), esta última com a função específica de ser navegável à sirga por batelões que faziam o transporte do vinho e outros produtos agrícolas até ao porto da Baliza (Barroca d’Alva/Rilvas) onde se transbordava o carrego para pequenas fragatas e daí seguia para o Tejo/Lisboa.

A Vala do Romão segue pelo paul da Caparica, sobe à Asseiceira e vai até Pegões, e assim se chamou até à Asseiceira e não Vala da Asseiceira, como é corrente dizer-se, segundo o informante Silvério. Os Romanos navegaram até à Caparica e estabeleceram aí um porto, há 2000 anos. Na «Carta» de 1813-16 a subida do rio pela Caparica até ao Porto Olho do Duque (Amieira) era «impraticável», dando-nos a entender que antes, durante séculos ela fez serventia fluvial, foi praticável, sendo provável que esta linha de água tenha servido de meio comunicante com a parte mais profunda e distante do território caramelo,sustentanto um pouco a tese de Cláudio Torres de que havia a partir do Tejo quatro vias fluviais para o interior da Península da Arrábida: Vala Real de Coina; Rio da Moita; Rio das Enguias prolongado pelo troço do Rio Frio onde se desviava em direcção a Pegões; Vala de Malpique até às proximidades de Q.ª do Anjo. O facto de se chamar á linha de água Vala do Romão, leva-nos a sugerir a segunite hipótese: a vala navegável, ser anterior a JMSantos, ter sido trabalhada entre 1850-52, pelo anterior proprietário da Herdade de Rio Frio, Manuel da Costa Junior S. Romão; reforça esta suposição o facto de no inventário da casa Ferreira Braga/S. Romão, em 1852 (Martins, 1992) constar nos seus «Bens móveis», em Alcochete, «2 barcos», cuja utilidade seria feita no Rio das Enguias e Caparica/Rio Frio (Vala do Romão). Lembremos que, segundo Estevam (1957), desde a 2ª metade do séc. XVIII as embarcações não podiam passar do Porto da Barroca; S. Romão verificando isso e que o porto da Amieira era «impraticável», tal como anteriormente Jacome Ratton, procurou fomentar a navegabilidade da vala. Acrescentamos a possibilidade de a Vala de S.Romão/Romão ser designação plurissecular, associada à presença do porto romano; pois, os árabes designam comunicações romanas como «romani», daí o povo chamar «romão».

- PUB -

O Rio Frio constitui um dos mais importantes territórios da bacia do Tejo, onde impera uma rica biodiversidade, dentro dos seus paúis e alagados, na zonagem de margem e matas ripárias, bem como em toda a sua envolvência com o montado de Rio Frio.

Ter um «rio» e não lhe reconhecer funções ecológicas é deixar correr o tempo da morte. A conjugação Rio Frio – montado, merecem uma atenção especial dos concelhos que repartem estes espaços. Merecem ser área protegida concelhia, com diferentes operacionalizações eco-culturais.

 

- PUB -

(AAVV, 2000/01; Dias & Marques, 1999; Eco-Água; Martins, 1992; Fortuna, 1982; Entrelinhas; Vinagre, 1998; Vinagre, 2010).

Comentários

Jose Vinagre
Professor
- PUB -

Mais populares

Histórica estação rodoviária na 5 de Outubro vai dar lugar a supermercado Continente

Edifício está a ser alvo de estudos há cerca de uma semana, com o objectivo de abrir espaço do grupo Sonae

Hospital da Luz Setúbal confirma nova clínica no centro da cidade

Dr. José Ferreira Santos, director clínico do estabelecimento, confirma pólo adicional para aproximar clientes do centro hospitalar

João Martins: “Deixo uma casa com bom nome e reconhecida”

Criou, desenvolveu e consolidou a Escola Profissional do Montijo (EPM). Ao fim de 29 anos e uns pozinhos, o professor decidiu passar o testemunho
- PUB -