27 Janeiro 2023, Sexta-feira
- PUB -
InícioOpiniãoO moinho de maré do cais, a observação de aves marinhas no...

O moinho de maré do cais, a observação de aves marinhas no baixa-mar…

Temos que nos preparar para receber turistas já no próximo ano. O moinho de maré do cais, as ruínas dos outros moinhos, a observação de aves marinhas no baixa-mar e o sistema de bacias de retenção das águas das chuvas no períodos de maré-cheia vão ter uma grande importância turística no futuro.

- PUB -

O moinho de maré do cais, reconstruido totalmente a partir de uma ruína é hoje um valioso património histórico, que faz parte das nossas raízes, de uma actividade que durante séculos contribuiu para vida económica da nossa Terra.

Durante séculos ( século XIV ao século XX), os moinhos  de maré de Aldeia Galega/Montijo serviram para moer cereais e os transformar em farinha. O moinho de maré mais antigo é o da Lançada construído  em 1368, que segundo os dados que existem era o mais antigo da margem sul do Tejo.

- PUB -

No braço de rio de Aldeia Galega/Montijo, desde o Seixalinho à Lançada existiam cinco moinhos de maré: Os moinhos do cabo, do meio, do cais, das nascentes e  da Lançada. Existia ainda o moinho de entre os termos na freguesia de Sarilhos Grandes na partilha com o concelho da Moita.

O moinho do cabo (o moinho velho), em frente da quinta do Saldanha, foi destruído pelo ciclone em 1941. Durante muitos anos só lá existiram as ruínas e ainda hoje lá existem ruínas. Este moinho pertenceu à família Saldanha da Gama, proprietária da quinta do Saldanha, durante 3 séculos.

O moinho do meio ficava na ponta do muro, perto do esteiro da quebrada e só com a destruição dos muros da marinha é que apareceram algumas ruínas deste moinho. Estas ruínas estão protegidas dentro do cais dos pescadores construido recentemente.

- PUB -

Todos os moinhos estavam juntos às marinhas de fabricação de sal, com excepção do da Lançada que recebia também as águas da vala de Malpique.

O moinho de maré do cais completamente reconstruido com todos os pormenores e as ruínas dos outros moinhos têm um potencial de turismo que deve ser aproveitado pela região de turismo de Lisboa à qual pertencemos. A caldeira de limpeza do cais e a caldeira do moinho de maré servem também de bacias de retenção para receberem as águas da chuva da baixa da cidade nos períodos de maré-cheia.

No baixa-mar junto ao moinho de maré do cais e das ruínas dos outros moinho existem muitas aves marinhas que nos últimos anos têm vindo a aumentar. Milhões de pessoas fazem turismo no mundo para observar aves.

Comentários

- PUB -

Mais populares

Pai herói salva filha bebé de incêndio que destruiu habitação [actualizada]

Entrou em habitação em chamas e conseguiu resgatar a bebé. Sinistro destruiu o 1.º piso da habitação

Comando dos Bombeiros do Montijo repudia críticas sobre combate ao fogo de sexta-feira

Reacção surge na sequência de vídeos e comentários publicados nas redes sociais 

Sexta-feliz chega ao concelho para dar “mais tempo” aos funcionários

PartYard decidiu dar as tardes de sexta-feira aos trabalhadores para melhorar o seu rendimento
- PUB -