9 Agosto 2022, Terça-feira
- PUB -
InícioOpiniãoO engenheiro, a formação e Vitória

O engenheiro, a formação e Vitória

PORTUGAL. Momentos que ficam para a história de uma Nação Valente e Imortal
PORTUGAL. Momentos que ficam para a história de uma Nação Valente e Imortal

 

- PUB -

10 de Julho de 2016. Portugal concretizou neste domingo um sonho que acalentou com maior esperança em 2004, trocando o choro caseiro de desilusão, provocado pelos gregos há 12 anos na Luz, por lágrimas de felicidade, com idênticos requintes de “impiedade”, ao roubar à selecção anfitriã a Taça de Campeão Europeu no Stade de France, em St. Denis, Paris.

Fernando Santos, o engenheiro do penta no FC Porto, engendrou no Euro’16 a maior obra de engenharia da sua carreira e de toda uma Nação, assumindo, desde a primeira hora, corajosamente, o objectivo – sustentado numa inabalável crença – de regressar a casa no dia 11 de Julho (ontem) com o troféu na mão, o primeiro na história futebolística de Portugal. Tornou-se assim, porventura, no primeiro engenheiro deste País a concluir uma “empreitada” dentro do prazo previsto. Foi criticado, injustiçado até, a começar desde logo por algumas das escolhas em que confiou para alcançar tal desiderato. É verdade que não foi imune a erros (quem não os comete?…), mas soube corrigi-los, com humildade, serenidade, perseverança e inteligência. Na final, perante a maior contrariedade que poderia ter sofrido – a perda, bastante prematura, do contributo da estrela maior da companhia, o enorme Capitão Cristiano Ronaldo –, soube executar a leitura perfeita, em termos estratégicos, que era necessária realizar. Lançou Quaresma, depois Moutinho e, por fim, Éder, o Joker que valeu o triunfo.

Faltava uma referência no eixo do ataque luso e Fernando Santos percebeu-o, socorrendo-se, sem temores, do ponta-de-lança que desde há muito havia sido “eleito” pelos treinadores de bancada como “patinho feio” do grupo e transformou-o num Cisne! Antes, o técnico já havia equilibrado as contas a meio-campo, adoptando um 4x1x4x1. Com Éder em campo voltaria a um 4x3x3 de rotinas antigas, soltando Nani e Quaresma nos corredores laterais. Santos utilizou assim, por força das circunstâncias, três sistemas diferentes em outras tantas fases do jogo, depois de perder o CR7, deixando para trás o 4x4x2 inicial e mais vezes ensaiado na competição.

- PUB -

Mas, este é também o título do trabalho feito em vários clubes no domínio da formação. O engenheiro soube aproveitar os mais recentes frutos da Academia do Sporting – Patrício (considerado melhor guarda-redes da prova), Cédric, William Carvalho e João Mário (que também “cresceu” no Vitória de Setúbal), para não falar em Adrien, Moutinho, Nani, Quaresma, Cristiano Ronaldo ou até mesmo José Fonte. Como soube também aproveitar a aposta brilhante do treinador Campeão Nacional, Rui Vitória, que fez despertar no Benfica aquele “puto” que acabou eleito como melhor jovem jogador do torneio – Renato Sanches. Mas, o trabalho feito nos clubes nacionais não se resume apenas a estes.

Há também a acrescentar a experiência do intransponível Pepe, de Vieirinha, Ricardo Carvalho e Bruno Alves, com escola do FC Porto, clube que também contribuiu para a afirmação de Moutinho e Quaresma, além de Danilo, que passou pela formação do Estoril e do Benfica, rumando depois ao Marítimo, ou ainda de André Gomes, que começou nos escalões jovens do Dragão, passando pelo Pasteleira, Boavista e Benfica. Ou também da Académica de Coimbra por onde passaram Éder, Adrien e Cédric ou do Braga, onde pontifica Rafa e que também acolheu nas suas fileiras… Éder e Eduardo. Eliseu fecha o lote: iniciou-se no Marítimo Angra do Heroísmo, de onde saltou para os juniores do Belenenses, rumando depois a Espanha, ao Málaga, tendo evoluído nas últimas duas épocas no Benfica.

Excepções à formação trabalhada em Portugal foram Anthony Lopes – fez toda a carreira no Lyon – e o digno sucessor do lesionado Fábio Coentrão, Raphael Guerreiro, que evoluiu também sempre em França, no Caen e ultimamente no Lorient.

- PUB -

Quanto à tão badalada “estrelinha” que acompanhou a Selecção Lusa nesta jornada imortal, ficam as palavras que um dia ouvi a outro vulto maior do futebol português, Manuel José. “A sorte é o momento em que o talento se encontra com a felicidade.”

Este foi, portanto, um título de todos, de Portugal, que está de parabéns por ter conseguido apagar a Torre Eiffel!

Comentários

- PUB -

Mais populares

Histórica estação rodoviária na 5 de Outubro vai dar lugar a supermercado Continente

Edifício está a ser alvo de estudos há cerca de uma semana, com o objectivo de abrir espaço do grupo Sonae

Hospital da Luz Setúbal confirma nova clínica no centro da cidade

Dr. José Ferreira Santos, director clínico do estabelecimento, confirma pólo adicional para aproximar clientes do centro hospitalar

João Martins: “Deixo uma casa com bom nome e reconhecida”

Criou, desenvolveu e consolidou a Escola Profissional do Montijo (EPM). Ao fim de 29 anos e uns pozinhos, o professor decidiu passar o testemunho
- PUB -