9 Maio 2024, Quinta-feira

- PUB -
Técnicos de Emergência Médica denunciam esperas por socorro superiores a uma hora

Técnicos de Emergência Médica denunciam esperas por socorro superiores a uma hora

Técnicos de Emergência Médica denunciam esperas por socorro superiores a uma hora

Um homem de 84 anos com antecedentes de doença cardíaca ficou a aguardar desde as 15h24 até às 17h07 porque não havia qualquer meio disponível

A Associação Nacional dos Técnicos de Emergência Médica (ANTEM) denunciou, ontem, tempos de espera por socorro a utentes superiores a uma hora registados em várias zonas do País.

Em comunicado, a ANTEM refere quatro situações ocorridas na semana passada (quinta-feira): três na região do Algarve e uma em Setúbal.

A associação considera que estes casos “representam uma ínfima parte daquilo que é o normal”, em que a falta de meios deixou os doentes à espera durante mais de uma hora.

De acordo com a associação, no distrito de Setúbal, um homem de 84 anos com dificuldade respiratória e antecedentes de doença cardíaca ficou a aguardar desde as 15h24 até às 17h07 porque, durante esse período, não havia qualquer meio disponível.

Em Faro, Olhão e Quarteira, os meios estiveram, alegadamente, inoperacionais durante a tarde. Numa das situações relatada, um homem de 90 anos esteve à espera de socorro entre as 16:06 e as 17:35.

Noutra situação, uma mulher de 41 anos ficou à espera durante uma hora, sendo que o tempo de espera se aproximou de uma hora e meia no caso de outra mulher com 23 anos.

Segundo a ANTEM, as regiões do Algarve e de Lisboa e Vale do Tejo são as mais afectadas pela “manifesta incapacidade do Instituto Nacional de Emergência Médica [INEM] em gerir eficazmente os meios ao seu dispor através do Sistema Integrado de Emergência Médica”.

A Lusa pediu ao INEM uma reacção sobre os alegados atrasos no socorro denunciados pela ANTEM, mas não obteve resposta até ao momento.

Partilhe esta notícia
- PUB -

Notícias Relacionadas

- PUB -
- PUB -