9 Maio 2024, Quinta-feira

- PUB -
AD entrega lista pelo distrito encabeçada por Teresa Morais e afirma confiança na vitória nacional

AD entrega lista pelo distrito encabeçada por Teresa Morais e afirma confiança na vitória nacional

AD entrega lista pelo distrito encabeçada por Teresa Morais e afirma confiança na vitória nacional

A social-democrata Teresa Morais diz que o PS não fez as reformas que deveria ter feito e deixou o País num impasse 

A Aliança Democrática entregou ontem, no Tribunal Judicial da Comarca de Setúbal, a lista de candidatos ao círculo eleitoral do distrito de Setúbal nas legislativas de 10 de Março. No Palácio da Justiça estiveram os nomes que lideram a primeira linha desta lista que se apresenta confiante a disputar eleições num território essencialmente de esquerda.

“A AD apresenta-se às eleições [legislativas] como alternativa ao Partido Socialista que, durante oito anos, governou mal”, disse ontem Teresa Morais a O SETUBALENSE. Para a número um da lista, o governo de António Costa “não fez as reformas que tinham de ser feitas” e deixou o País “num impasse em matérias como a saúde e habitação”.

No caso concreto do Distrito de Setúbal, a ex-ministra da Cultura Igualdade e Cidadania do XX Governo Constitucional, de Pedro Passos Coelho, acredita que a votação na AD vai subir em número de votos e mandatos, e com este resultado “contribuir para a vitória da Aliança Democrática a nível nacional e dar um novo governo a Portugal”.

Nas legislativas de 2022 o PSD foi a segunda força política mais votada com 16,15% dos votos e elegeu três deputados, quanto ao CDS foi o nono, com 1,12% dos votos, e não elegeu qualquer deputado. O vencedor foi o PS, que recebeu a confiança de 45,73% do eleitorado. Agora, numa coligação PSD, CDS e PPM serão “potenciadas energias”, afirma Teresa Morais.

“As coligações criam dinâmica, alargam o espectro de intervenção, alcançam mais pessoas e aproveitam votos que, de outra forma seriam desperdiçados, foi isso que aconteceu no passado com as coligações que fizemos”.

Com a Comissão Distrital do PSD de Setúbal a ter parte da responsabilidade na escolha da nacional recair em Teresa Morais para encabeçar a lista, a própria revela que depois da experiência governativa, como ministra e secretária de Estado, não estava à espera de deixar a vida académica. “Estava no meu sossego académico e a dar aulas; não estava nos meus planos regressar à política”, afirma.

Porém, “este é o momento das pessoas saírem à rua e darem o melhor que têm para a fundamental mudança política do País”. “Fui desafiada e aqui estou disposta a fazer uma campanha eleitoral intensa com os meus colegas de lista”, afirma.

Tendo como mandatário António Salgueiro, a lista da AD apresenta-se com Paulo Ribeiro, presidente da Comissão Distrital, em segundo lugar, seguido de Bruno Vitorino, Sónia Reis em quarto lugar, Paulo Edson da Cunha em quinto lugar e Carina Ramos de Freitas. Nos primeiros sete lugares da lista, o sétimo é o primeiro do CDS-PP, que é ocupado por Ana Clara Birrento.

Para Paulo Ribeiro esta é uma lista “multifacetada com grande equilíbrio” e “forte expressão a nível territorial”. Quanto à apresentação de todas as listas a nível nacional, será conhecida a 29 de Janeiro no site da AD, último dia para serem entregues em tribunal.

Partilhe esta notícia
- PUB -

Notícias Relacionadas

- PUB -
- PUB -