6 Outubro 2022, Quinta-feira
- PUB -
InícioLocalSetúbalPresidente da Câmara de Setúbal denuncia “crime ambiental” na Mourisca

Presidente da Câmara de Setúbal denuncia “crime ambiental” na Mourisca [galeria de fotos]

André Martins visitou zona afectada por descargas de resíduos industriais e prometeu medidas de emergência se a Agência Portuguesa do Ambiente não actuar rapidamente

 

- PUB -

Sofia Isabel António (texto)

Mário Romão (fotos)

This slideshow requires JavaScript.

- PUB -

O presidente da Câmara de Setúbal exigiu este sábado a intervenção das autoridades do ambiente para acabar com as causas das descargas industriais que estão a poluir as linhas de água na zona da Mourisca, nomeadamente a Vala Real.

Há quatro meses que os moradores da Freguesia de Gâmbia-Pontes-Alto da Guerra se queixam do mau cheiro que se faz sentir nos terrenos junto ao Centro Empresarial Sado Internacional. Análises químicas já realizadas pelo Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) descartam a possibilidade de contaminação por resíduos domésticos, apontando para a alteração da qualidade do ar e da água pelos resíduos não tratados da intensa actividade industrial existente no local.

Entre sujidade acumulada nas valas que atravessam as várias propriedades, o destino destes resíduos é a Reserva Natural do Estuário do Sado, onde residem centenas de espécies, entre elas ameijoas e ostras.

- PUB -

Junto ao restaurante Baía, situado na Rua da Baía do Sado e considerado um ponto de referência nesta zona, observa-se a formação de lodo escuro num pequeno lago. O proprietário, António Galo, relembra que nele existiam patos, e que “hoje não tem aqui nada”.

Uma residente na zona da Mourisca, que não quer ser identificada, conta que, de noite, o cheiro é tão intenso que às vezes se levanta nauseada. “Acabamos por estar desesperados”, confessa. A moradora menciona, ainda, a falta de uma rede de saneamento e esgotos que sirva as habitações, apenas a uma curta distância da cidade.

Luís Custódio, presidente da Junta de Freguesia, aponta para o deficiente funcionamento da ETAR que serve o complexo de empresas, afirmando que uma das soluções para o problema pode passar pela sua limpeza. Ainda assim, coloca-se a possibilidade de haver uma descarga directa de resíduos industriais na vala real, à saída da área industrial.

Perante os acontecimentos, André Martins garante que o primeiro passo para a resolução do problema tem de ser dado pela administração do Centro Empresarial, cujo papel é perceber qual ou quais as empresas responsáveis pelos despejos.

O presidente da Câmara de Setúbal pede a intervenção da Agência Portuguesa do Ambiente (APA) e da Administração da Região Hidrográfica (ARH) do Alentejo, para, junto dos proprietários das terras, promover a limpeza das valas, no sentido de evitar a formação de lodo.

O autarca diz que se estas entidades não actuarem, “têm de ser decretadas medidas de emergência e só aí a Câmara poderá intervir.” Como último recurso, para que os direitos dos moradores sejam considerados, o presidente da autarquia fala em manifestação popular, e deixa a promessa de que, na próxima semana, o assunto será abordado em reunião de Câmara.

 

 

Comentários

- PUB -

Mais populares

Colisão contra portagens na A2 em Coina causa vítima mortal

Viatura bateu contra os pórticos das portagens e acabou por se incendiar

Primeira pedra de construção de empreendimento à beira-rio lançada no município do Barreiro

Novo espaço habitacional pretende atrair famílias locais e jovens a um preço razoável   O lançamento da primeira pedra de construção do novo empreendimento que vai nascer...

Acidente de trabalho com um reboque faz um morto e um ferido

Vitimas estavam a trabalhar debaixo da estrutura que lhes caiu em cima
- PUB -