26 Junho 2022, Domingo
- PUB -
InícioPolíticaExecutivo CDU prorroga em Setúbal transferência de competências para Janeiro de 2023...

Executivo CDU prorroga em Setúbal transferência de competências para Janeiro de 2023 e PS contesta

PSD concorda que passagem de responsabilidades do Governo para as autarquias gera dúvidas e PS diz que transferência devia ser já

 

- PUB -

A Câmara de Setúbal decidiu prorrogar a transferência de competências no domínio da Acção Social para 1 de Janeiro de 2023; uma responsabilidade que o Governo quer passar para as autarquias. A deliberação foi tomada na reunião de Câmara de 2 de Março, com os votos a favor da CDU, que governa a autarquia, a abstenção da bancada do PSD e contra do PS.

A moção apresentada por André Martins (CDU), presidente da Câmara Municipal, aponta que este processo de transferências “tem tido várias dificuldades”, o que tem sido reconhecido por vária autarquias e entidades intermunicipais.

Segundo o presidente, o próprio Governo terá admitido que este não é um processo fácil, e avançou com o Decreto-Lei n.º 23/22 de 14 de Fevereiro, que admite a prorrogação da transferência de competências para 1 de Janeiro de 2023.

- PUB -

Para que isso aconteça, as câmaras e assembleias municipais têm de se pronunciar. Daí que a moção apresentada pela CDU neste contexto, além de solicitar a deliberação dos eleitos na Câmara para a prorrogação do prazo, também solicita que o presidente da Assembleia Municipal marque uma reunião para 11 de Março para discutir esta matéria; é que a resposta a enviar para a Direcção-Geral das Autarquias Locais tem de chegar até 14 de Março.

“Aceitamos a transferência de competências, mas com toda a dignidade para servir melhor as populações. O poder local tem condições para, com menos meios, servir melhor as populações, mas fazer uma lei que impõe uma transferência de competências sem ter em conta a realidade de cada município é um erro”, afirmou André Martins na apresentação da moção.

E avançou já que que a gestão da Câmara de Setúbal está disposta a aceitar a transferência de competências nas áreas da Saúde e Educação, mas também diz que “é preciso analisar caso a caso, e a forma como estas estão a ser empurradas para cima do poder local”.

- PUB -

Os argumentos apresentados na moção do executivo CDU sobre a prorrogação da transferência de competências no domínio da Acção Social não convenceram os eleitos do PS, com o vereador Joel Marques a lembrar que a Câmara “dispôs de três anos e meio para preparar a transferência de competências”, ou seja, desde o executivo passado, então liderado pela comunista Maria das Dores Meira.

Em nota de Imprensa, o PS reforça que “desde 16 de Agosto de 2018, quando a Lei nº 50/2018 foi publicada, que a Câmara Municipal de Setúbal tinha conhecimento que diversas competências, nomeadamente no domínio da Acção Social”, seriam transferidas até 1 de Janeiro de 2021.

Um prazo que acabou por ser alargado devido à situação pandémica para 21 de Março de 2022, e agora em Fevereiro mais um alargamento com o novo Decreto-Lei.

“Não podemos deixar de questionar: o executivo propõe o adiamento por mais nove meses e responsabiliza terceiros, ou não preparou a transferência e prende agora ser salvo pelo decreto-lei n.º 23 de 2022 de 14 de Fevereiro”, disse Joel Marques na reunião de Câmara.

Para os socialistas, a condição é que se o executivo “preparou, efectivamente, ao longos dos três anos e meio de que dispôs, a transferências de competências no domínio da Acção Social, e se o fez, não tem justificação para não assumir essas competências no final deste mês [Março]”.

Com o vereador do PSD Fernando Negrão a referir que a transferência de competências para a administração local “tem levantado dúvidas nas autarquias, sejam de que partido forem”, o vereador Pedro Pina (CDU) lembrou que a Associação Nacional de Municípios Portugueses, entende que este processo “deve ser prorrogado para que o quadro seja aperfeiçoado”.

E esclareceu: “Não tem a ver com as dificuldades do município de Setúbal, mas com a complexidade que exige pelo número de variáveis associadas e por transferir competências que as câmaras municipais não têm no ADN do seu trabalho”.

Comentários

- PUB -

Mais populares

Avó e mãe de Jéssica cantaram em programa da TVI enquanto menina estava sequestrada

Família materna da vítima marcou presença em caravana de “Uma Canção Para Ti” na véspera da morte da criança

“Queremos ser uma das maiores potências desportivas do distrito de Setúbal”

Tiago Fernandes, presidente do Juventude Sarilhense

Menina de três anos morre em caso suspeito de maus tratos pela ama

Criança apresentava ferimentos na boca e nariz e hematomas no corpo. Ama disse que tinha caído de uma cadeira no dia anterior
- PUB -