24 Maio 2022, Terça-feira
- PUB -
InícioLocalSetúbalSapadores de Setúbal reivindicam “condições e diálogo” com a autarquia em protesto...

Sapadores de Setúbal reivindicam “condições e diálogo” com a autarquia em protesto frente à Câmara

Profissionais escolhem Dia da Cidade para fazer greve “para que tivessem o direito de não participar nas comemorações”

 

- PUB -

Munidos de buzinas, apitos e cartazes, cerca de quatro dezenas de bombeiros dos Sapadores de Setúbal fizeram-se hoje ouvir frente aos Paços do Concelho, ao reivindicarem “melhores condições e mais diálogo por parte da Câmara Municipal de Setúbal”.

No dia dedicado à cidade e a Bocage, os profissionais estiveram igualmente em greve “para que tivessem o direito de não participar nas comemorações”, uma vez que “são obrigados a participar na formatura”.

- PUB -

Quem o explica é Ricardo Cunha, dirigente do Sindicato Nacional dos Bombeiros Sapadores, para em seguida afirmar que “esta acção resulta do culminar de muitos anos de perseguições e maus-tratos”.

“Os profissionais tinham de vir mostrar a sua indignação. Decidimos hoje porque é um dia simbólico e para que a presidente da Câmara Municipal veja que os bombeiros não estão contentes”, disse.

A manifestação, acrescenta, foi planeada tendo em conta a não comparência do vereador da Protecção Civil, Carlos Rabaçal, e do comandante dos Sapadores de Setúbal, Paulo Lamego, a uma reunião marcada pela estrutura sindical a 24 de Junho com a autarquia.

- PUB -

O encontro, entre outros pontos, serviria para abordar igualmente “a falta de materiais”, nomeadamente “a necessidade de uma escada de alumínio”. “A Câmara Municipal não gasta dinheiro a equipar os bombeiros com uma escada de alumínio, mas gasta meio milhão de euros a embelezar uma rotunda. Com meio milhão de euros compra-se uma escada de alumínio com rodas e motor”, ataca.

Os “vinte processos disciplinares aplicados no último ano” foram também relembrados por Ricardo Cunha, ao garantir que “alguns bombeiros precisaram de ser seguidos por psiquiatras devido a estas situações”.

Também presente esteve Luís Maurício, presidente da distrital de Setúbal do Chega e cabeça-de-lista do partido à Câmara nas próximas autárquicas, que aproveitou para se juntar aos manifestantes. Para Luís Maurício, um dos maiores problemas na Companhia de Bombeiros Sapadores de Setúbal é “a falta de uma embarcação”.

“Se alguém cair ao rio, os bombeiros não têm meios para ir buscar a pessoa. Numa cidade que tem um estaleiro naval e muita indústria, como é que isto é possível?”, questionou.

O SETUBALENSE tentou novamente chegar à fala com a vereação, mas a autarquia informou apenas remeter comentários sobre o assunto posteriormente.

Comentários

- PUB -

Mais populares

Piscina na urbanização dos Fidalguinhos está quase a sair do papel

Obra de 3,5 milhões de euros já tem projecto e concurso pode avançar ainda este ano. Futuro equipamento terá capacidade para cerca de 700...

Cidade perde rede de agentes com chegada da Transportes Metropolitanos de Lisboa

Rede com mais de uma dezena de estabelecimentos, construída pelos TST, desfeita com chegada de nova transportadora, prejudicando utilizadores mais velhos

Jovem sequestrado e violado em casa de banho da estação de comboios de Coina

Rapaz de 16 anos foi abusado por homem de 43. Violador está agora em prisão preventiva
- PUB -