12 Agosto 2022, Sexta-feira
- PUB -
InícioLocalSetúbalPedro Dominguinhos: “A região tem vindo a aumentar os níveis de qualificação”

Pedro Dominguinhos: “A região tem vindo a aumentar os níveis de qualificação”

Presidente do Instituto Politécnico de Setúbal faz retrato do ensino superior no distrito e garante estar atento a lacuna existente no Litoral Alentejano

 

- PUB -

O Instituto Politécnico de Setúbal (IPS) é “um centro de criação, transmissão e difusão da ciência, tecnologia e cultura”. Como instituição do ensino superior “cabe-lhe legítimas intenções e aspirações para o futuro, cuja explicitação pode ser um instrumento de motivação e inspiração para a sua comunidade”.

Aposta na internacionalização, todos os cursos têm componente prática, em laboratórios equipados para tal, e várias start-ups e ideias de negócio têm saído da incubadora do IPS, motor de empreendedorismo, desenvolvimento e inovação. É actualmente uma comunidade de cerca de nove mil pessoas, e, nas palavras do seu presidente, Pedro Dominguinhos, “âncora fundamental para o desenvolvimento da região”.

- PUB -

Como apresenta o IPS?

O IPS já comemorou 40 anos, é uma instituição que já tem uma implantação muito significativa na região, tanto na Península como no distrito de Setúbal, com uma missão muito clara de promover o seu desenvolvimento. Ser parceiro da região tem sido o nosso lema, bem como promover a qualificação das pessoas, dos jovens e da população activa, sem esquecer a formação ao longo da vida e a inclusão, com um conjunto de projectos que para nós são emblemáticos do ponto de vista do voluntariado e do acesso ao ensino superior por públicos não tradicionais. Estamos a falar de uma instituição que congrega uma comunidade que ronda quase nove mil pessoas, 7800 estudantes, 600 e muitos docentes e cerca de 200 trabalhadores não docentes. Entre Setúbal e o Barreiro, e, a par de outras instituições de ensino superior da região, constituímo-nos como matriz fundamental na promoção da qualificação e relevância das instituições de ensino superior, enquanto motores do sistema regional de inovação no sentido de promover a própria inovação das empresas, a criação de novos produtos e serviços e também de responder à qualificação dos territórios, cada vez mais importante. Somos parceiros decisivos nas relações com as autarquias, instituições de saúde e instituições particulares de solidariedade social, que desempenham um papel cada vez mais decisivo na coesão territorial e social das regiões e a pandemia veio exacerbar o papel dessas instituições, nas quais as de ensino superior, de conhecimento e ciência, como o politécnico, se incluem.

Que projectos tem em mãos neste momento?

- PUB -

Sendo o IPS uma âncora fundamental para o desenvolvimento da região, com uma comunidade muito activa e empenhada e mais participativa, queremos continuar a desempenhar este papel, com projectos a nível regional e internacional também. O projecto mais emblemático que neste momento está a congregar as energias da instituição é a criação da Universidade Europeia E3UDRE2, em conjunto com cinco instituições, no âmbito de uma iniciativa lançada pela Comissão Europeia em 2019, em que o IPS é uma das 41 alianças a nível europeu que servem como projecto piloto de transformação do ensino superior para o futuro. A região pode contar com um laboratório daquilo que pode ser o ensino superior do futuro e a forma como estamos a desenvolvê-lo é a olhar para o território como um conjunto de desafios que podemos ajudar a resolver em conjunto, com os nossos estudantes e docentes. Estamos fortemente empenhados. Começou em Outubro de 2020, irá decorrer nos próximos três anos e estamos a criar as bases para que possa continuar. Isso pode significar que teremos cursos e projectos em conjunto entre estas instituições a nível europeu, quando a pandemia o permitir do ponto de vista físico. Estamos a criar grupos de investigação internacionais sobre temas como economia circular, envelhecimento activo e qualidade de vida e o contributo humano para a inteligência artificial. Um conjunto muito significativo de áreas que tem uma implicação muito clara na região e para as quais queremos contar com as empresas e com os cidadãos, com as organizações e com as autarquias, fundamentais neste sentido”. Estamos ainda a desenvolver projectos de inovação pedagógica, com formação de docentes, que já está a decorrer e se vai prolongar pelos próximos três anos. Temos um conjunto de organizações que nos lançaram desafios e equipas multidisciplinares de estudantes dos vários ciclos de estudos, de vários cursos diferentes, que, apoiados por docentes, estão a desenvolver e irão desenvolver durante os próximos três anos essas soluções para a região, partindo do território para depois devolver ao território um conjunto de soluções.

Estão a trabalhar também fora da Europa.

Temos projectos superiores a três milhões de euros nos países africanos de língua oficial portuguesa, designadamente Guiné-Bissau e Angola. No caso da Guiné, estamos a ajudar a desenvolver o sistema educativo, desde o ensino básico até ao secundário. Em Angola, estamos, em conjunto com outros três politécnicos, mas com a nossa coordenação, a fazer formação de professores para o ensino técnico, naquela que é uma experiência inovadora a nível internacional. Iniciámos em Março um outro projecto para promover o acesso ao financiamento das empresas angolanas, promover o empreendedorismo e o acesso aos jovens, mulheres e população rural em Angola. Lançámos em 2020 um conjunto de projectos, muito significativos, que incluem mestrados profissionais. Com o grupo SONAE iniciámos em Janeiro um mestrado em logística e gestão da cadeia de abastecimento para profissionais, desenvolvido em conjunto para dotar esses mesmos profissionais de competências mais actualizadas. Temos ainda outros projectos na área do mestrado em sistema de b-learning, que englobam a reconversão de profissionais desempregados para a área das tecnologias de informação e comunicação, cujo objectivo é, após a formação, em contexto real de trabalho, serem contratados pelas empresas. É uma aposta muito clara de formação ao longo da vida que queremos reforçar.

De que forma se está a organizar o universo IPS para dar resposta a estes projectos?

Estamos a criar massa crítica para responder aos desafios da região. Apesar de termos vivido um ano de 2020 de pandemia, foi o ano em que tivemos mais alunos. Nunca tivemos tanta receita em termos de prestação de serviços ao exterior, as mobilidades internacionais foram afectadas, mas a actividade interna, sobretudo junto dos nossos parceiros, não diminuiu. É ainda importante destacar o nosso compromisso, inequívoco, com a sustentabilidade, com o voluntariado para a região. Neste período de pandemia, produzimos viseiras, álcool gel em parceria com a Casa Ermelinda Freitas, e projectos de promoção de solidariedade social que nos levaram à assinatura de um protocolo com o Instituto da Segurança Social, através do Centro Distrital de Setúbal, em que utilizamos os nossos recursos para ajudar as IPSS do distrito. Criámos ainda o Laboratório Covid, certificado, que está a fazer testes para a nossa comunidade. No espaço de poucos meses, montámos o equipamento, e agora fazemos parte da rede de laboratórios científicos para lidar com situações de crise e catástrofe em Portugal, num protocolo assinado em Abril com 25 instituições a nível nacional.

Que retrato faz da educação na região, com enfoque no ensino superior?

A região tem vindo a aumentar os seus níveis de qualificação. Apesar de termos uma população envelhecida a nível nacional, o distrito de Setúbal, a par de outros como Braga ou Aveiro, demonstra alguma capacidade de população jovem, heterogénea. Tem sobretudo no ensino básico e secundário um problema claro de insucesso escolar. O ensino superior, por seu turno, tem vindo a criar aqui raízes muito profundas. Entre o IPS, a Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova, o Instituto Piaget e a Escola Egas Moniz, há aqui uma robustez muito relevante que nos últimos anos tem aumentado de uma forma muito significativa o número de estudantes. Também no que diz respeito aos cursos superiores técnicos profissionais, tem sido possível criar maior equidade. Temos agora cerca de 1200 estudantes em cursos técnicos superiores profissionais e estamos a falar de mil novos estudantes por ano, vindos do ensino secundário profissional, que em condições normais há quatro anos não chegavam ao ensino superior. Temos vindo a aumentar a capacidade de dar resposta aos desafios da região.

De que desafios falamos exactamente?

Temos de reconhecer, e isso tem vindo a ser uma reivindicação da região, que apesar de estarmos incluídos na Área Metropolitana de Lisboa, naturalmente uma vantagem muito clara porque chegamos a um universo significativo e beneficiamos da força de tracção de Lisboa, a Península de Setúbal tem indicadores económicos que lhe dão o direito de poder beneficiar de fundos estruturais adicionais. Também aqui as instituições de ensino superior acabam por ser penalizadas. Quando o IPS concorre ao concurso de equipamentos para os cursos técnicos superiores profissionais a taxa de comparticipação é de 45 por cento, enquanto se tivéssemos uma escola em Sines e Grândola a taxa era de 85 por cento. Se tivéssemos outras regras, teríamos capacidade de produzir muito mais ciência, conhecimento e inovação. Existe um outro problema, com a inexistência de ensino superior no Alentejo Litoral, que temos vindo a colmatar com a criação de cursos técnicos superiores em Sines e Grândola. Falamos, no entanto, de cerca de 125/140 estudantes quando a região, se considerarmos o Litoral Alentejano, tem 100 mil habitantes. O Distrito de Portalegre tem 115 mil pessoas e, portanto, há uma falha de mercado clara que tem de ser colmatada a breve prazo. Precisamos de ensino superior no Litoral Alentejano. Isto é algo a que o IPS não está desatento e quer nos próximos anos ter uma presença muito activa e intensa na zona do Alentejo Litoral, onde quer do ponto de vista da população como do tecido empresarial e social há uma necessidade clara reforçada pela forte internacionalização do tecido empresarial de Sines e dos investimentos que estão lá a ser colocados. Sabemos que para existir desenvolvimento económico tem de existir ensino superior qualificado e por isso o IPS irá assumir esta situação como um objectivo muito claro para poder reforçar a sua presença no território.

Que outros planos se encontram em cima da mesa para um futuro próximo?

No âmbito do Plano de Recuperação e Resiliência, na candidatura que faremos, iremos incluir a construção da Escola Superior de Saúde, que está pendente há 20 anos. Teremos desta forma capacidade de reforçar as instalações e de poder construir nos próximos anos o edifício para a escola. Manifestamente, 7800 estudantes é número exagerado para as instalações que temos. Em ensino à distância, temos estudantes de Vila Nova de Famalicão a Loulé. Pretendemos ainda adaptar-nos à realidade de cada pessoa. Temos de formar muito mais a população activa. Existe um problema sério de falta de qualificação da população activa que está no mercado de trabalho, cada vez mais dinâmico e volátil.

E3UDRES2 Universidade Europeia pretende transformar cidades em laboratórios vivos

A Universidade Europeia E3UDRES2 é uma aliança que une o Instituto Politécnico de Setúbal a cinco parceiros europeus, da Áustria, Hungria, Bélgica, Roménia e Letónia, com o objectivo de desenvolver “um novo campus multiuniversitário, ramificado pelos seis países parceiros, que potencie a criação de centros de conhecimento capazes de contribuir para tornar as respectivas regiões de influência mais inteligentes e sustentáveis”.

Este projecto de três anos, que pretende gerar um novo paradigma para o ensino superior europeu, significa, à letra, Universidade Europeia Empreendedora e Envolvida como motor para Regiões Europeias Inteligentes e Sustentáveis.

Distingue-se por abordar as regiões como “laboratórios vivos” onde se produzem soluções para problemas concretos e com verdadeiro impacto na sociedade, através de uma educação baseada em desafios, de uma pesquisa orientada para a missão e de uma inovação centrada no ser humano, além de uma troca aberta de conhecimento.

IPS em números

1979 Ano da fundação
5 escolas
2 campi: Setúbal e Barreiro
7 829 estudantes, 412 dos quais estrangeiros
75 cursos: 28 licenciaturas, 24 CTeSP, 23 mestrados e 2 pós-graduações
661 docentes
165 não docentes

9 centros de investigação
19 projectos de investigação financiados executados em 2020
1 incubadora de ideias de negócio, com mais de 35 startups lançadas
17 609 diplomados
97,4% Taxa de empregabilidade – a segunda mais alta do Ensino Superior Politécnico

Comentários

- PUB -

Mais populares

PSP de Setúbal sem meios para se deslocar a atropelamento em frente à esquadra

Acidente na Avenida Luísa Tody fez uma vítima de 88 anos

Hospital da Luz Setúbal confirma nova clínica no centro da cidade

Dr. José Ferreira Santos, director clínico do estabelecimento, confirma pólo adicional para aproximar clientes do centro hospitalar

João Martins: “Deixo uma casa com bom nome e reconhecida”

Criou, desenvolveu e consolidou a Escola Profissional do Montijo (EPM). Ao fim de 29 anos e uns pozinhos, o professor decidiu passar o testemunho
- PUB -