9 Agosto 2022, Terça-feira
- PUB -
InícioLocalSetúbal“O nome de Frei Agostinho da Cruz continua a ressoar”

“O nome de Frei Agostinho da Cruz continua a ressoar”

Bispo de Setúbal nos 400 anos de morte e 480 anos do nascimento do frade franciscano da Arrábida

 

- PUB -

O ciclo das comemorações diocesanas dos 400 anos da morte e dos 480 anos do nascimento de Frei Agostinho da Cruz (1540-1619) foi encerrado no sábado à tarde na Igreja de S. Lourenço, em Azeitão, em cerimónia presidida por D. José Ornelas, Bispo de Setúbal.

Na sua intervenção, o prelado sadino considerou Agostinho da Cruz “o nome mais emblemático da tradição contemplativa da Arrábida, que ainda hoje continua, com a sua poesia, a ressoar na vida e na oração da Igreja e a atrair quem quer que se interrogue sobre o sentido da vida e do mundo”.

Referindo-se à vivência de Frei Agostinho e dos seus irmãos franciscanos na Arrábida, D. José Ornelas referiu que eles “não se tornaram inúteis, não desistiram de viver e interagir com a sociedade, mas mudaram-se a partir de dentro e mudaram a montanha onde se inseriram, deram-lhe leitura nova e novo sentido e, no silêncio e na palavra em que o partilharam, passaram essa sua visão da vida, da fé imbuída de natureza, para o seu tempo e para os tempos futuros”.

- PUB -

A concluir a sua homilia, o Bispo de Setúbal defendeu a actualidade das palavras e do gesto do frade franciscano na “rejeição da violência”, na “ligação entre o homem e a natureza, a fim de nela e dela viver, a ela aperfeiçoar, sem a deturpar ou mutilar”, na busca de uma “estética do viver, do cantar, do rezar, que fascina e se perpetua dando vida, porque vem carregada de vida vivida e tornada palavra, para suscitar nova vida” e na necessidade de uma “atitude de integração e de busca de sentido que integra o local e o universal”.

Ruy Ventura, comissário diocesano destas celebrações (iniciadas em 2019, ano do quarto centenário da morte de Frei Agostinho, e concluídas em 2021, em que passam os 250 anos sobre a publicação da sua primeira antologia), fez o balanço da actividade desenvolvida – publicação de quatro livros, organização de celebrações e de conferências, realização de uma exposição e de visitas guiadas, divulgação da obra poética do frade a nível nacional, apesar do tempo de pandemia, que limitou o programa inicialmente previsto.

A cerimónia contou com a partilha de poemas de Frei Agostinho, dois lidos por Dina Barco e um cantado por Teresa Salgueiro.

- PUB -

A celebração, presidida por D. José Ornelas, contou com os padres Rodrigo Mendes (de Santa Maria do Barreiro), Vítor Melícias e Hermínio Araújo (da Ordem dos Frades Menores) e com o diácono Jonas Cardoso (de Azeitão). Estiveram presentes neste evento a Presidente da Câmara de Setúbal, Maria das Dores Meira, e o vereador da cultura, Pedro Pina, bem como o provedor da Santa Casa da Misericórdia de Azeitão, Jorge Carvalho, e Ana Birrento, membro da Mesa da Misericórdia azeitonense.

Comentários

- PUB -

Mais populares

Histórica estação rodoviária na 5 de Outubro vai dar lugar a supermercado Continente

Edifício está a ser alvo de estudos há cerca de uma semana, com o objectivo de abrir espaço do grupo Sonae

Hospital da Luz Setúbal confirma nova clínica no centro da cidade

Dr. José Ferreira Santos, director clínico do estabelecimento, confirma pólo adicional para aproximar clientes do centro hospitalar

João Martins: “Deixo uma casa com bom nome e reconhecida”

Criou, desenvolveu e consolidou a Escola Profissional do Montijo (EPM). Ao fim de 29 anos e uns pozinhos, o professor decidiu passar o testemunho
- PUB -