12 Agosto 2022, Sexta-feira
- PUB -
InícioLocalSetúbal‘Rota Clandestina’ transforma cidade em laboratório de teatro com residências artísticas para...

‘Rota Clandestina’ transforma cidade em laboratório de teatro com residências artísticas para criadores nacionais e estrangeiros

Artistas italianos, brasileiros, espanhóis e portugueses abrem processo criativo à influência da identidade e comunidade sadinas

 

- PUB -

Setúbal está a ser palco de um novo projecto cultural, inédito, que pretende transformar a cidade num laboratório teatral, com residências artísticas de criadores nacionais e estrangeiros, alguns dos quais internacionalmente consagrados, como o italiano Pippo Delbono.

O projecto, denominado ‘Rota Clandestina’, fixa em Setúbal o processo criativo de dezenas de artistas, incentivando uma produção livre, em que os criadores não estão obrigados a resultados, com esperança de que o processo possa ‘beber’ na identidade sadina e receber contributos da comunidade local, artística e comum.

A ‘Rota Clandestina’, que tem como director artístico o autor e produtor italiano Renzo Barsotti, foi apresentada na sexta-feira, pelo vereador da Cultura da Câmara Municipal de Setúbal, Pedro Pina, como sendo um projeto que reforça a projeção da “cidade como espaço de criação artística”.

- PUB -

O autarca define a iniciativa também como um espaço de afirmação da liberdade. “A palavra ‘clandestina’ não se relaciona com o termo ilegal, mas, às vezes, parece que precisamos de ter este espaço de clandestinidade para afirmarmos as ideias e projetar a liberdade da Cultura.”, diz Pedro Pina.

Para dinamizar a criação artistica, os espaços culturais da cidade, sobretudo o Fórum Luísa Todi e A Gráfica, equipamento inaugurado ainda recentemente, acolhem várias residências artísticas, de criadores nacionais e estrangeiros convidados, como Marco Martins e Victor Hugo Pontes, de Portugal, Pablo Rosal, de Espanha, ou Leonardo Moreira, do Brasil.

O director artístico diz que a ‘Rota Clandestina’, que decorre, pelo menos, até 2022, permite “estabelecer uma relação nova, diferente e não convencional entre espetador e actor”, com ensaios abertos, além de “libertar e despertar novas energias criativas no território de Setúbal”.

- PUB -

“’A Rota Clandestina’ foge às características normais do processo de produção e de apresentação e permite deixar um tempo de trabalho e de pesquisa, que é uma pré-condição para garantir a criatividade.”, destaca Renzo Barsotti. O produtor italiano é conhecido em Portugal por ter fundado o Centro de Criação para o Teatro e as Artes de Rua e organizado o espetáculo inaugural do MAAR – Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia de Lisboa.

A primeira residência artística deste projeto decorreu em dezembro do ano passado, no espaço A Gráfica – Centro de Criação Artística, com a produção “Corpos Clandestinos”, do coreógrafo e encenador Victor Hugo Pontes, que volta a Setúbal em Agosto para nova estadia.

O catalão Pau Palacios, da Agrupación Señor Serrano, de Barcelona, que estará na cidade a partir de outubro, na primeira fase, de pesquisa, e posteriormente, em 2022, numa produção que será apresentada em 2023, vai trabalhar com os conceitos de limite e fronteira.

Para o início do próximo ano, está prevista a residência artística do brasileiro Leonardo Moreira. O dramaturgo e director do Teatro Hiato de São Paulo propõe-se abordar o processo colonial, procurando ultrapassar as barreiras entre colonizadores e colonizados, colocando uns e outros, portugueses e brasileiros, num mesmo conjunto, tendo Setúbal como palco.

 

Artistas de Setúbal chamados a participar

O projecto, segundo o vereador Pedro Pina “não esquece” os artistas da cidade, e os nomes estrangeiros envolvidos “não vêm para tirar espaço a ninguém”. Na apresentação, estiveram presentes algumas pessoas ligadas ao sector, mas nem todos se sentem já integrados.

“Não sinto o envolvimento dos agentes culturais que trabalham em Setúbal. É a primeira vez que oiço falar do projecto, aguardo respostas para perceber a relação com a comunidade.”, disse Fernando Casaca, do Teatro do Elefante, a O SETUBALENSE.

O vereador Pedro Pina esclareceu depois que se trata de “um processo em construção”, que a apresentação foi “apenas o pontapé de saída” e que o “chapéu de envolvimento” está a ser construído.

 

Pippo Delbono está a preparar no Fórum Luísa Todi peça sobre o amor

Desde o dia 17 de junho, o artista italiano Pippo Delbono está estabelecido no Fórum Luisa Todi, a preparar a estreia da produção teatral “Amore”, sobre a busca pelo amor. O trabalho criativo decorre até este sábado, dia 3.

O espetáculo tem como coprodutores, além da Câmara de Setúbal, o São Luiz Teatro Municipal, Pirilampo Artes Lda e os Ministérios da Cultura de Portugal e de Itália, entre outros.

No Cinema Charlot está a decorrer o Ciclo Pippo Delbono, de entrada gratuita, sempre a partir das 20h00, com a exibição de quatro registos em vídeo de peças de teatro criadas pelo artista italiano, com legendas em português. As próximas sessões são esta segunda-feira (28), com exibição de “Orchidee, de 2013, e quarta-feira (30), com “Vangelo”, de 2016.

Comentários

- PUB -

Mais populares

PSP de Setúbal sem meios para se deslocar a atropelamento em frente à esquadra

Acidente na Avenida Luísa Tody fez uma vítima de 88 anos

Hospital da Luz Setúbal confirma nova clínica no centro da cidade

Dr. José Ferreira Santos, director clínico do estabelecimento, confirma pólo adicional para aproximar clientes do centro hospitalar

João Martins: “Deixo uma casa com bom nome e reconhecida”

Criou, desenvolveu e consolidou a Escola Profissional do Montijo (EPM). Ao fim de 29 anos e uns pozinhos, o professor decidiu passar o testemunho
- PUB -