8 Dezembro 2021, Quarta-feira
- PUB -
InícioLocalSeixalColectividade de Paio Pires sonha com pavilhão desportivo

Colectividade de Paio Pires sonha com pavilhão desportivo

Grupo Recreativo de Santo António fez 55 anos. O presidente acredita que, com a ajuda da Câmara do Seixal, o sonho pode tornar-se realidade. A colectividade está ainda fortemente associada à Siderurgia Nacional

 

- PUB -

O Grupo Recreativo de Santo António (GRSA), colectividade que vive paredes-meias com a Siderurgia Nacional, fez 55 anos na passada quinta-feira. Tudo começou em 1965, em pleno desmando fascista, pelo sonho associativista de um punhado de trabalhadores de todos os pontos do país, a maior parte ligada àquele grande centro metalúrgico. Mas a colectividade só viria a concretizar-se em Março de 1975.

Ao longo deste mais de meio século de vida activa, a colectividade tem sonhado e, com o tempo tem conseguido realizar uma boa parte deles, e nesta linha tem vido a crescer e ganhar nome. Agora, numa primeira linha de prioridades, está a construção de um pavilhão desportivo para poder crescer nas modalidades.

Identificada com as pessoas

Leonel da Encarnação, antigo sindicalista, encabeça a direcção do GRSA há 15 anos. “A colectividade identifica-se fortemente com as pessoas, devido à sua origem”, continuando a “desenvolver-se com a vontade e dedicação de gerações que lhe deram a expressão que hoje apresenta”, salienta o dirigente associativo. E, como o “ritmo da vida não pára”, o GRSA está a “idealizar outro espaço que lhe proporcione melhores condições dsportivas”.

- PUB -

Diz Leonel que “terreno para a construção do equipamento há”, nas traseiras da sede; agora “é preciso que a Câmara Municipal esteja para aí virada. Pensámos que, em colaboração com a autarquia, será possível alcançar este objectivo, que elevaria o bem-estar e as condições de vida tanto dos associados como da população deste bairro operário”.

E com o optimismo que se lhe reconhece, lá vai dizendo que “é bem possível que, ao acordarmos um dia deste sonho, nos belisquemos e vejamos ali a obra erguida frente aos nossos olhos”.

O GRSA é campeão em futsal, a nível do concelho, no escalão de veteranos. Um pavilhão permitiria formar um “cinco” de seniores, o que seria festejado pelos associados. Outras duas modalidades que a colectividade acarinha desde sempre são a pesca e a malha, em todas as suas vertentes. O Grupo é assíduo participante em duas importantes provas, que em certas disciplinas tem expressão nacional, como a Seixalíada e os Jogos do Seixal. “Além das modalidades mencionadas, concorremos, porque temos secções bem estruturadas, em ténis de mesa e karaté e, ultimamente, em airsoft, esta em processo de consolidação”, explica o presidente. “A verdade é que os nossos atletas trazem sempre medalhas em torneios que participam e classificações em lugares cimeiros”.

- PUB -

Junte-se a estas modalidades os jogos tradicionais, os jogos de mesa, onde se conta o xadrez, que constituem sempre, sobretudo, para os mais idosos, momentos de convivência e de companheirismo.

A actividade do GRSA contempla ainda bailes, com realce para os de Carnaval, da Pinha e Passagem de Ano, noite de fado, arraias populares, como o de Santo António, concertos musicais, exposições e debates sobre a Revolução dos Cravos, sempre com um militar de Abril. Além disso, comemora datas que são queridas aos trabalhadores, como o 1.º de maio, por exemplo.

Valor das quotas é pouco mais do que simbólico

Com um valor das quotizações muito modesto – 50 cêntimos por mês, mínimo –, a sobrevivência financeira do Grupo Recreativo de Santo António está dependente dos “apoios financeiros, técnicos e logísticos da Câmara Municipal”. Conta o presidente da colectividade que foi a autarquia “que suportou, na totalidade, os custos da ampliação e restauração da sede”. Ao mesmo tempo, a direcção tem “conseguido a compreensão da União das Freguesia do Seixal, Arrentela e Paio Pires, do comércio local e de várias instituições. Sem estes apoios não poderíamos dar aos sócios e à população o que eles realmente precisam”.

Segundo Leonel, à colectividade não são estranhas algumas das dificuldades que vive presentemente o Movimento Associativo, provocadas pela degradação das condições laborais. “A vida associativa é difícil quando há horários desregulados, trabalhadores em situação de insegurança e precariedade laboral, quer dizer, condições que não favorecem a aproximação ao dirigismo associativo. Ora, neste bairro eminentemente operário, essas situações reflectem-se no quotidiano da colectividade”.

Por José Augusto

[Fancy_Facebook_Comments language="pt_PT"]
- PUB -

Mais populares

Tribunal reconhece direito de retenção de casas a famílias de Azeitão após falência de cooperativa

Decisão reconhece que famílias têm os seus créditos "garantidos" e "reconhecidos" pelos montantes que já pagaram, e que, como “consumidores” e por "tradição", têm...

Caso de gripe das aves detectado em Palmela

A DGAV lembrou que não existem evidências de que a gripe aviária seja transmitida para os humanos através do consumo de alimentos, como carne de aves de capoeira ou ovos

Águas de Moura subiu ao segundo lugar da tabela classificativa

Dos três da frente ninguém conseguiu ganhar e quem tirou partido disso foi a equipa orientada por Gonçalo Cruz que é agora vice-líder da competição.
- PUB -