25 Janeiro 2022, Terça-feira
- PUB -
InícioLocalSeixalCâmara do Seixal exige que TST reponha carreiras retiradas

Câmara do Seixal exige que TST reponha carreiras retiradas

A autarquia não poupa crítica à empresa de transportes públicos e lembra que em apenas dois anos e meio “foram suprimidas duas carreiras” e que houve redução de 113 viagens/dia útil

A Câmara Municipal do Seixal aprovou uma tomada de posição pela melhoria urgente do serviço público de transporte rodoviário de passageiros. O município exige à TST o cumprimento integral de carreiras previstas e a reposição das carreiras retiradas.

- PUB -

A autarquia lembra que é indiscutível o papel fundamental que os transportes públicos assumem na vida quotidiana das populações, como garante da indispensável mobilidade inerente à vida activa, nas suas mais variadas dimensões.

“Consciente da sua importância, o concelho do Seixal, com 160 mil habitantes e uma área geográfica de 95 Km2, sempre exigiu e incentivou de forma assertiva os operadores rodoviários, no caso concreto, a Transportes Sul do Tejo (TST), a aumentar em qualidade e quantidade os serviços públicos que presta. Esta empresa é a uma das detentoras de título para prestação do serviço público de transporte rodoviário no concelho”, começa por sublinhar o município, criticando de seguida o comportamento dos TST. “Contudo, desde há largos anos, prossegue uma política de reorganização da rede e de ajustamentos dos horários, carreiras e percursos que, na prática, resultaram em cortes nas carreiras e em maior espaçamento entre as mesmas, reduzindo significativamente o direito à mobilidade e necessidades das populações, direito esse inscrito na Constituição da República Portuguesa, nascida da Revolução de Abril”, vinca a autarquia.

Carreiras suprimidas e desinvestimento na frota

- PUB -

Só no período de dois anos e meio, explica o município, “foram suprimidas duas carreiras, 24 sofreram alterações no intervalo médio entre viagens, houve redução de 113 viagens/dia útil, de 94 viagens/dia aos sábados e de 86 viagens/dia aos domingos e feriados”. Em acréscimo, adianta, “tem-se verificado o desinvestimento na frota, quer através da redução do número de viaturas operacionais, quer pela notória falta de manutenção das condições de segurança e conforto dos passageiros”.

O descontentamento em relação ao serviço prestado pela TST “é de tal ordem que a população se tem mobilizado na elaboração e subscrição de petições, reclamando a melhoria dos serviços prestados”. A mais recente petição recebida foi iniciativa da Associação de Defesa do Ambiente – Grupo Flamingo, “por entender que a TST coloca em causa o direito à mobilidade das populações, com custos a nível ambiental, energético e económico”, lembra a Autarquia que se diz estar “solidária” com as petições lançadas pelas populações.

Assim, a Câmara do Seixal deliberou “exigir da TST o cumprimento integral das carreiras previstas e a reposição das carreiras retiradas, bem como a fiscalização e garantia do cumprimento das obrigações de prestação do serviço público por parte da empresa TST, com a devida articulação e colaboração por parte da AMT/Autoridade da Mobilidade e dos Transportes e do IMT/Instituto da Mobilidade e dos Transportes, IP”.

Comentários

- PUB -

Mais populares

Duas das crianças feridas em acidente rodoviário em Palmela em estado grave

O sinistro envolveu três veículos ligeiros e obrigou ao corte de trânsito na EN 5 por mais de três horas

Morreu uma das crianças feridas em colisão automóvel no concelho de Palmela 

Menino tinha cinco anos e havia sido transportado no helicóptero do INEM para o Hospital de Santa Maria. Ontem acabou por não resistir aos ferimentos

MP acusa médico do Centro Hospitalar de Setúbal de homicídio por negligência em caso de morte de bebé num parto

Os factos ocorreram no dia 06 de Fevereiro de 2018, nos serviços de urgência de obstetrícia e estão relacionados com o parto de um feto morto
- PUB -