26 Fevereiro 2024, Segunda-feira
- PUB -
InícioLocalSantiago do CacémMovimento do Cercal envia reclamação ao Banco Europeu de Investimento contra central...

Movimento do Cercal envia reclamação ao Banco Europeu de Investimento contra central solar

A central solar, com uma capacidade instalada estimada de 275 megawatts (MW), envolve um investimento global previsto de 164,2 milhões de euros

 

- PUB -

O Movimento Juntos pelo Cercal anunciou esta quarta-feira que enviou uma reclamação ao Banco Europeu de Investimento (BEI) contra o projecto de construção de uma central solar naquela zona, no concelho de Santiago do Cacém.

Em comunicado enviado à agência Lusa, o movimento cívico, que contesta a central, promovida pela empresa Cercal Power S.A., pertencente ao grupo Aquila Capital, revelou que a reclamação foi enviada, esta terça-feira, para o BEI.

“Esta reclamação prende-se com o facto de o BEI ser um dos principais financiadores deste projecto e, consequentemente, uma das entidades que deve ser alertada para as irregularidades do mesmo”, justificou à Lusa fonte do movimento.

- PUB -

Na reclamação, disponibilizada à Lusa, o Juntos pelo Cercal alega que “o financiamento da Aquila Capital” para o projecto da central solar fotovoltaica nesta zona alentejana “não está em linha com a missão, políticas, procedimentos e expectativas definidas pelo Banco”.

Por isso, o movimento de cidadãos reclama do BEI “uma investigação interna e revisão de projecto(s) da Aquila Capital em Portugal, incluindo, mas não limitada ao projecto Cercal, possivelmente apoiada por uma missão de averiguação”.

“Uma divulgação pública do grau de envolvimento do BEI (e das suas responsabilidades explícitas e implícitas) em projectos energéticos em Portugal e Espanha” e a “cessação de vínculos e financiamento à Aquila Capital” são as outras pretensões do Juntos pelo Cercal.

- PUB -

A central solar, com uma capacidade instalada estimada de 275 megawatts (MW), envolve um investimento global previsto de 164,2 milhões de euros.

O Movimento Juntos pelo Cercal alega, na reclamação, que “o processo de avaliação de impacto, a consulta às partes interessadas e os licenciamentos e autorização para a construção” deste projecto estão repletos “de problemas jurídicos, financeiros e de ordem ética que devem ser reportados às entidades financiadoras de fundos públicos”.

Aludindo à ‘Operação Influencer’, no âmbito da qual o primeiro-ministro António Costa se demitiu, tendo sido convocadas eleições legislativas para 10 de Março, o movimento argumenta que “a energia produzida pela central fotovoltaica do Cercal e de outros mega-projectos em localizações limítrofes alimentariam a expansão industrial de Sines, que está no seio das implicações criminais”.

“Além disso, as mesmas ‘autoridades competentes’ que licenciaram a expansão de Sines e que estão agora sob investigação criminal são as mesmas que, de forma pouco transparente, licenciaram o projecto do Cercal e muitos outros projectos na região”, alega o grupo formado por cidadãos e empresários da zona de Cercal do Alentejo, que se afirma apartidário.

No Alentejo, assiste-se “a uma corrida desenfreada pelos chamados ‘bens comuns’, incluindo solo, água, minerais e metais, e mais recentemente a energia solar”, travada “contra as populações locais” e “o BEI pode ser (involuntariamente) parte do motor desta evolução dos acontecimentos”, escrevem.

A transição energética “é inevitável” e “bem-vinda”, mas “tem sido desnecessariamente perturbadora”, graças à preferência por mega-projectos, invoca o movimento cívico.

E, entre outras críticas, a organização o Juntos pelo Cercal aponta potenciais impactos negativos nos solos, na biodiversidade, na água e também na comunidade, quer na saúde, quer com “desigualdades sociais e económicas, ao mesmo tempo que contribuirá para a desertificação humana e a deterioração do tecido social actual”.

- PUB -

Mais populares

Suspeito de morte de menino em Setúbal será tio da criança

Homem está identificado pelas autoridades e colocou-se em fuga. Disparo de caçadeira terá sido feito para assustar rival

Grupo distrai funcionários de banco em Palmela e furta dinheiro em caixa

Seis estrangeiros, cinco homens e uma mulher, são procurados pela GNR depois de crime que decorreu pelas 13h30

Menino de sete anos morre após ser baleado em Setúbal

Neto e avó foram atingidos a tiro de caçadeira no Bairro da Bela Vista. Disparo veio de carro em andamento. Alvo seria o pai da criança
- PUB -