9 Fevereiro 2023, Quinta-feira
- PUB -
InícioLocalSantiago do CacémÁlvaro Beijinha quer reforço de transportes públicos devido a obra na EN121

Álvaro Beijinha quer reforço de transportes públicos devido a obra na EN121

O autarca de Santiago do Cacém explica que a intervenção implica “uma alteração substancial dos horários dos transportes escolares”

 

- PUB -

O autarca de Santiago do Cacém, Álvaro Beijinha, voltou ontem a questionar a Infraestruturas de Portugal (IP) sobre o reforço dos transportes públicos que foram suprimidos devido a obras na Estrada Nacional 121 (EN121).

As obras, que visam a supressão da passagem de nível na EN121, entre Santiago do Cacém e São Bartolomeu da Serra, e a construção de uma passagem superior, a cargo da IP, obrigaram ao corte daquela via no início da semana passada.

“A intervenção que está a ser feita e o corte da estrada” implicam “uma alteração substancial dos horários dos transportes escolares” e dos alunos que se deslocam do interior do concelho para frequentarem as escolas na sede do município e no concelho vizinho de Sines, explicou.

- PUB -

Em declarações à agência Lusa, Álvaro Beijinha sublinhou que o município, “desde a primeira hora”, transmitiu que o caminho alternativo da Mulinheta, “que serviu à IP para desviar o trânsito” após o corte da via, “nunca seria solução para transporte de pesados”.

“Não havendo a hipótese Mulinheta, a única alternativa é [utilizar] a estrada 261, ou seja, deslocar o trânsito pela Abela, São Domingos, Santiago [do Cacém], que é aquilo que está a acontecer nos transportes pesados de passageiros e que originou este problema dos horários”, precisou.

Segundo o autarca, esta alteração obriga a rodoviária a realizar “mais de 500 quilómetros por dia” nos vários percursos.

- PUB -

“Os custos poderão andar na ordem dos dois mil euros por dia”, uma vez que a actual situação obrigou “ao reforço dos autocarros para os transportes escolares”, mas também “para garantir o serviço público de transportes” no actual traçado, adiantou.

Numa reunião que juntou, hoje, o município, IP, Rodoviária do Alentejo e Comunidade Intermunicipal do Alentejo Litoral (CIMAL), o autarca reiterou que compete à empresa pública “encontrar soluções que minimizem este impacto nas populações”.

“Tem que necessariamente haver um reforço de carreiras para permitir soluções alternativas, nomeadamente [os alunos] que vêm do interior do concelho, em particular de Ermidas-Sado e Alvalade, [e] que haja uma carreira directa para Santiago do Cacém, de forma que as crianças e jovens não tenham de se levantar mais cedo”, defendeu.

Segundo o autarca, a IP mostrou “abertura para assumir esse custo” e irá “transmitir”, até ao início da próxima semana, “a assunção desses custos”.

Sobre o corte da via que levou o autarca a exigir, no final da semana passada, a “suspensão imediata” da obra até serem encontradas soluções seguras, a IP terá informado “que, do ponto de vista técnico, não há alternativa”, alegando “que a obra está atrasada” e que existe “o risco de se perder financiamento comunitário”, concluiu.

Também a Comissão de Utentes dos Serviços Públicos do Concelho de Santiago do Cacém criticou hoje a alternativa da IP e exigiu a suspensão imediata das obras, assim como a construção de vias alternativas com segurança.

Trata-se de um caminho municipal “com curvas apertadas, pontos onde dificilmente se cruzam duas viaturas e bermas com valetas muito altas”, alegam os utentes, frisando que “são já vários os acidentes ocorridos, comprovando que o desvio não está dimensionado para a afluência de veículos em causa”, refere.

Por seu lado, em comunicado enviado à Lusa, a IP avançou que irá “promover o reforço da sinalização e a melhoria das condições de segurança na via que está a servir o desvio temporário”, como “a reparação de danos provocados no pavimento pelas condições climatéricas” e “melhorias nos equipamentos de drenagem existentes no local”.

“Foram igualmente abordadas as questões relacionadas com o reforço do actual serviço público de transporte de passageiros, de modo a permitir minimizar os impactos desta intervenção”, acrescentou a IP, que diz estar “empenhada em garantir o cumprimento dos prazos da empreitada”.

As obras para a supressão da passagem de nível nesta estrada, entre Santiago do Cacém e São Bartolomeu da Serra, e a construção de uma passagem superior fazem parte da empreitada de modernização da linha ferroviária Ermidas-Sado – Sines.

Comentários

- PUB -

Mais populares

Estação de combustível da Repsol assaltada esta tarde em Setúbal

Indivíduo fugiu com o dinheiro da caixa. Ameaçou os funcionários com uma faca. Já são três os assaltos registados nos últimos quatro dias

Novo 10 de portas fechadas após polémica que envolve dívida de 700 mil euros

Empresário apresentou proposta ‘promissora’, que acabou por deixar proprietário do espaço de mãos a abanar

Café na baixa de Setúbal assaltado esta manhã

Crime decorreu por volta das 10h30, com a proprietária a pedir ajuda a comerciantes e pessoas que transitavam perto do local
- PUB -