16 Abril 2024, Terça-feira
- PUB -
InícioLocalSantiago do CacémÁlvaro Beijinha quer reforço de transportes públicos devido a obra na EN121

Álvaro Beijinha quer reforço de transportes públicos devido a obra na EN121

O autarca de Santiago do Cacém explica que a intervenção implica “uma alteração substancial dos horários dos transportes escolares”

 

- PUB -

O autarca de Santiago do Cacém, Álvaro Beijinha, voltou ontem a questionar a Infraestruturas de Portugal (IP) sobre o reforço dos transportes públicos que foram suprimidos devido a obras na Estrada Nacional 121 (EN121).

As obras, que visam a supressão da passagem de nível na EN121, entre Santiago do Cacém e São Bartolomeu da Serra, e a construção de uma passagem superior, a cargo da IP, obrigaram ao corte daquela via no início da semana passada.

“A intervenção que está a ser feita e o corte da estrada” implicam “uma alteração substancial dos horários dos transportes escolares” e dos alunos que se deslocam do interior do concelho para frequentarem as escolas na sede do município e no concelho vizinho de Sines, explicou.

- PUB -

Em declarações à agência Lusa, Álvaro Beijinha sublinhou que o município, “desde a primeira hora”, transmitiu que o caminho alternativo da Mulinheta, “que serviu à IP para desviar o trânsito” após o corte da via, “nunca seria solução para transporte de pesados”.

“Não havendo a hipótese Mulinheta, a única alternativa é [utilizar] a estrada 261, ou seja, deslocar o trânsito pela Abela, São Domingos, Santiago [do Cacém], que é aquilo que está a acontecer nos transportes pesados de passageiros e que originou este problema dos horários”, precisou.

Segundo o autarca, esta alteração obriga a rodoviária a realizar “mais de 500 quilómetros por dia” nos vários percursos.

- PUB -

“Os custos poderão andar na ordem dos dois mil euros por dia”, uma vez que a actual situação obrigou “ao reforço dos autocarros para os transportes escolares”, mas também “para garantir o serviço público de transportes” no actual traçado, adiantou.

Numa reunião que juntou, hoje, o município, IP, Rodoviária do Alentejo e Comunidade Intermunicipal do Alentejo Litoral (CIMAL), o autarca reiterou que compete à empresa pública “encontrar soluções que minimizem este impacto nas populações”.

“Tem que necessariamente haver um reforço de carreiras para permitir soluções alternativas, nomeadamente [os alunos] que vêm do interior do concelho, em particular de Ermidas-Sado e Alvalade, [e] que haja uma carreira directa para Santiago do Cacém, de forma que as crianças e jovens não tenham de se levantar mais cedo”, defendeu.

Segundo o autarca, a IP mostrou “abertura para assumir esse custo” e irá “transmitir”, até ao início da próxima semana, “a assunção desses custos”.

Sobre o corte da via que levou o autarca a exigir, no final da semana passada, a “suspensão imediata” da obra até serem encontradas soluções seguras, a IP terá informado “que, do ponto de vista técnico, não há alternativa”, alegando “que a obra está atrasada” e que existe “o risco de se perder financiamento comunitário”, concluiu.

Também a Comissão de Utentes dos Serviços Públicos do Concelho de Santiago do Cacém criticou hoje a alternativa da IP e exigiu a suspensão imediata das obras, assim como a construção de vias alternativas com segurança.

Trata-se de um caminho municipal “com curvas apertadas, pontos onde dificilmente se cruzam duas viaturas e bermas com valetas muito altas”, alegam os utentes, frisando que “são já vários os acidentes ocorridos, comprovando que o desvio não está dimensionado para a afluência de veículos em causa”, refere.

Por seu lado, em comunicado enviado à Lusa, a IP avançou que irá “promover o reforço da sinalização e a melhoria das condições de segurança na via que está a servir o desvio temporário”, como “a reparação de danos provocados no pavimento pelas condições climatéricas” e “melhorias nos equipamentos de drenagem existentes no local”.

“Foram igualmente abordadas as questões relacionadas com o reforço do actual serviço público de transporte de passageiros, de modo a permitir minimizar os impactos desta intervenção”, acrescentou a IP, que diz estar “empenhada em garantir o cumprimento dos prazos da empreitada”.

As obras para a supressão da passagem de nível nesta estrada, entre Santiago do Cacém e São Bartolomeu da Serra, e a construção de uma passagem superior fazem parte da empreitada de modernização da linha ferroviária Ermidas-Sado – Sines.

- PUB -

Mais populares

José Mourinho: “Dá-me prazer que as pessoas conheçam as minhas origens”

Técnico sadino em Setúbal para gravar com a Adidas e “mostrar ao mundo” a cidade onde nasceu e cresceu

Desaparecido no mar esteve no sábado à pesca de choco no Sado

Ricardo Neves esteve no dia anterior à tragédia em embarcação turística. Mestre de embarcação critica quem se aventura na zona do naufrágio

Lisnave distribui mais de três milhões de euros pelos trabalhadores

Prémio é justificado com resultado obtido no ano passado, descrito o "melhor desempenho de sempre"
- PUB -