30 Novembro 2022, Quarta-feira
- PUB -
InícioLocalPalmelaJovem do Pinhal Novo em volta ao mundo fica surpreendido com bares...

Jovem do Pinhal Novo em volta ao mundo fica surpreendido com bares e restaurantes sempre cheios na Grécia

Pedro Pinela, jovem do Pinhal Novo que encetou a aventura de dar a “volta ao mundo”, chegou à Grécia e conta, em crónica enviada ao DIÁRIO DA REGIÃO, como se vai vivendo no país helénico, apontando alguns dos costumes locais. “Eles dizem não enquanto acenam que sim com a cabeça”

Tempo para curiosidades da Grécia: no geral, são orgulhosos no que ao seu idioma diz respeito, uma vez que foi do grego que derivaram um sem-número de outras linguagens, entre elas o latim; eles dizem “não” enquanto acenam que sim com a cabeça e esboçam um sorriso; um pouco à imagem de Portugal, vivem sobretudo de restaurantes, bares e hotéis; apesar de saber-se que a Grécia está economicamente devastada, o quotidiano não o reflecte – bares e restaurantes, anteriormente invocados, estão constantemente cheios; diz o leitor “isso não quer dizer nada”, bem, uma cerveja são 3,5 euros, na melhor das hipóteses, um café 2; os vencimentos são muito semelhantes aos portugueses.

- PUB -

A maioria dos meus interlocutores gregos ou não vota ou deixou de votar em eleições políticas, depois de um referendo cujo resultado acabou abafado pelas instituições da UE (lembram-se?); foi em 2008 que a Grécia viveu, pela última vez, um clima semelhante a uma guerra civil, depois de um polícia ter morto a tiro um jovem de 15 anos sem razão aparente – os confrontos nas ruas entre protestantes e polícias duraram dois meses, por todo o país; a fava dentro do bolo-rei é uma moeda dentro de um bolo bem diferente com cobertura de chocolate; no país existe uma espécie de Vaticano dos ortodoxos, chamado Monte Atos, em Salónica, onde as mulheres são interditas.

«A fava dentro do bolo-rei é uma moeda dentro de um bolo com cobertura de chocolate; no país existe uma espécie de Vaticano dos ortodoxos, chamado Monte Atos, em Salónica, onde as mulheres são interditas»

Quando decidi tomar o caminho mais longo sozinho sabia, sem estar elucidado, que iria passar muito tempo só. A ideia agradava-me e não deixou de me agradar – é só que estar sozinho consegue ser extremamente difícil. É-se obrigado a ser constantemente confrontado consigo próprio. Enquanto que acompanhados temos um ponto de fuga para os nossos pensamentos, visto que o outro também padece dos seus assuntos. Sós só existem os nossos, não obstante haver terceiros a poderem ser implicados. Desta forma, o tempo torna-se mais demorado, o espaço menos nosso.

À espera de visto para o Paquistão

- PUB -

Ainda agora comecei e já fui obrigado a parar quase duas semanas na mesma cidade (Ióannina, Grécia). O meu visto turco só tem início no nono dia deste novo ano e, além disso, o meu passaporte ficou em Portugal à espera que a embaixada paquistanesa, em Lisboa, decida emitir esse outro meu visto, pedido já há três meses. Até lá espero, mais vale pacientemente do que o contrário. O Paquistão tem a particularidade de fazer fronteira com o segundo país mais populoso do Mundo, a Índia com que, para mais, mantém relações pouco saudáveis. Ou seja, razões não lhes faltam para que a demora no visto se prolongue até… vá-se lá saber quando.

A cidade em que estou não me facilita emprego nenhum, meio que compreensivelmente, porque, ao ser pequena (cerca de 110 000 habitantes), não atrai tantos estrangeiros que justifique dar trabalho a quem não fala grego. Até à data, sei dizer “Obrigado”, “Bom dia”, “Boa tarde”, “Boa noite”, “Olá”, “Eu sou o Pedro”, os números de 1 a 10, “Por favor” e “De nada”, que são a mesma coisa, e uma meia dúzia de expressões do calão helénico – é tudo.

Para completar com o que, durante toda a viagem, sempre será o crucial nas experiências dos diferentes sítios, em Ioannina, ficaram-me estas gentes.

- PUB -

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Comentários

- PUB -

Mais populares

Jovem morre esfaqueado em cilada durante convívio 

Vitima, na casa dos 20 anos, era estudante e trabalhador na Autoeuropa

Corpo do chefe dos Bombeiros Sapadores de Setúbal encontrado na Praia da Torre em Grândola

Identificação do corpo terá sido feita por familiares na morgue, onde será realizada a autópsia, não havendo, até ao momento, indícios de crime 

Acidente na A2 junto a Palmela faz um morto e dois feridos ligeiros

Colisão entre dois veículos ligeiros ocorreu ao quilómetro 24.9 da Autoestrada 2. Vítima mortal tinha 42 anos
- PUB -