11 Agosto 2022, Quinta-feira
- PUB -
InícioLocalMoitaEspólio documental do investigador moitense Victor Silva doado a instituição gerida pela...

Espólio documental do investigador moitense Victor Silva doado a instituição gerida pela DGPC

Pesquisador local entrega espólio digital sobre génese do município

 

- PUB -

O investigador Víctor Manuel da Silva, natural da Moita e morador na freguesia da Baixa da Banheira, nascido em Janeiro de 1936, revelou a O SETUBALENSE que vai doar ao Sistema de informação para o Património Arquitectónico (SIPA) – gerido pela Direcção-Geral do Património Cultural –, o seu espólio documental digital, reunido em 19 ‘pens’, onde se encontram versões dos livros de sua autoria, incluindo “inúmeros documentos e respectiva leitura paleográfica”, relativos à história do município e a várias figuras e actividades, registos paroquiais, toponímica, edifícios e estruturas desta região.

O legado documental doado, segundo Víctor Manuel da Silva, vai incorporar o seu arquivo, mas, sempre que possível, estará aberto a “novos registos de inventário ou à actualização dos já existentes”, bem como a sua disponibilização “se conseguir divulgar publicamente parte dessa informação”, sendo que o legatário lembra que a esta documentação digital “não é atribuída qualquer [verba monetária]”.

O material em causa, recebido pela responsável e curadora daquele organismo, Ana Paula da Silva, reúne centenas de milhares de documentos sobre a história do ‘lugar da Mouta’. “Se as pessoas quiserem saber mais sobre a história do concelho está reunido neste legado tudo acerca da fundação do município”, garantiu, lembrando que muitos o denominam de “documentalista” e adiantado que nos dias de hoje são vários os livros existentes acerca da história da vila.

- PUB -

“Tenho os documentos e é sobre eles que falo e isso é que interessa às pessoas”, afirma com convicção o pesquisador, que reúne num documento aquilo “que é autêntico”, datado de 1355 e que revela aquilo que era antigamente este território e os seus primeiros moradores, no século XVI, a zona das marinhas e a própria ermida daquela que é hoje em dia a sede do município.

De acordo com o pesquisador, o seu espólio, desde 2017 até à presente data, “está abandonado” e o seu desejo é que seja colocado “em armários decentes, porque são as raízes do concelho que aqui estão reunidas”, lembrando que a própria Baixa da Banheira chegou a ter 22 marinhas. Lembra ainda que é essencial ir em busca dos “primórdios e isso é que interessa porque aí é que está a raiz”, sublinha, recordando que hoje em dia está praticamente “tudo escrito”.

Comentários

- PUB -

Mais populares

Histórica estação rodoviária na 5 de Outubro vai dar lugar a supermercado Continente

Edifício está a ser alvo de estudos há cerca de uma semana, com o objectivo de abrir espaço do grupo Sonae

Hospital da Luz Setúbal confirma nova clínica no centro da cidade

Dr. José Ferreira Santos, director clínico do estabelecimento, confirma pólo adicional para aproximar clientes do centro hospitalar

PSP de Setúbal sem meios para se deslocar a atropelamento em frente à esquadra

Acidente na Avenida Luísa Tody fez uma vítima de 88 anos
- PUB -