23 Maio 2024, Quinta-feira

- PUB -
Continuam a decorrer buscas para encontrar os dois desaparecidos do naufrágio em Troia

Continuam a decorrer buscas para encontrar os dois desaparecidos do naufrágio em Troia

Continuam a decorrer buscas para encontrar os dois desaparecidos do naufrágio em Troia

Operações da Autoridade Marítima Portuguesa retomaram pelas 07h30 desta segunda-feira

 

As buscas para encontrar os dois desaparecidos no naufrágio de um barco no domingo perto de Troia, Grândola, foram retomadas cerca das 07h30 desta segunda-feira, disse à Lusa o porta-voz da Autoridade Marítima Portuguesa (AMN).

- PUB -

“As buscas já começaram. Para já temos o NRP Viana do Castelo por mar, uma embarcação salva-vidas de Sesimbra, equipas da Polícia Marítima por terra e drones da AMN no ar”, indicou o porta-voz da AMN e da Marinha Portuguesa, comandante José Sousa Luís.

As operações de busca de duas das cinco pessoas que seguiam a bordo da embarcação, que se afundou a cerca de milha e meia (aproximadamente três quilómetros) de Troia, foram interrompidas pelas 20h30 de domingo e retomadas hoje perto das 07h30.

Das cinco pessoas que seguiam no barco, todas do sexo masculino, duas continuam desaparecidas, duas foram encontradas sem vida e uma sobreviveu, o proprietário e timoneiro da embarcação, de 62 anos.

- PUB -

O naufrágio da embarcação terá acontecido por volta das 07h00 de domingo, mas a Polícia Marítima só recebeu o alerta às 10h05.

No domingo, o capitão do Porto de Setúbal, Serrano Augusto, que também é comandante-local da Polícia Marítima, explicou, que o proprietário da embarcação – até agora o único sobrevivente – terá sido surpreendido por um golpe de mar que, apesar das manobras efectuadas, se virou e afundou.

A bordo seguiam dois irmãos, de 21 e 23 anos, sendo um deles uma das vítimas mortais cujo corpo já foi encontrado, um homem com cerca de 40 anos e o seu filho, entre os 11 e os 13 anos, que também foi resgatado sem vida.

- PUB -

Segundo o capitão do Porto de Setúbal, “são todos da zona de Grândola, moram na mesma rua” e iam à pesca de choco, mas apenas a criança tinha colete.

Partilhe esta notícia
- PUB -

Notícias Relacionadas

- PUB -
- PUB -