9 Agosto 2022, Terça-feira
- PUB -
InícioLocalBarreiroCedência da Muleta Álvaro Velho a empresa de Lisboa gera protestos junto...

Cedência da Muleta Álvaro Velho a empresa de Lisboa gera protestos junto da oposição

Executivo socialista contraria posição e destaca factores positivos da entrega da embarcação

 

- PUB -

Os vereadores eleitos pela CDU na Câmara do Barreiro, Miguel Amaral e Humberto Faísca, apresentaram uma declaração de voto na última reunião do executivo, liderado pelo socialista Frederico Rosa, defendendo que este “pretende ceder” a embarcação típica “Muleta Álvaro Velho” a uma empresa de Lisboa, de forma gratuita e por um período de dez anos, “a troco de apenas algumas horas de utilização pelo município”, situação que defendem ser “desvantajosa e lesiva” para a população.

Os eleitos comunistas lembram que a construção da embarcação, em executivos anteriores, “fez parte de uma estratégia integrada de valorização da frente ribeirinha que incluía também a compra da Quinta do Braamcamp e a recuperação do respectivo moinho de maré”. Recordam ainda que em 2015, a câmara aprovou por unanimidade a construção da Muleta, tendo, em 2016, aprovado por maioria “a obtenção de um empréstimo de 300 mil euros para a construção” da embarcação.

Na mesma reunião, a vereadora Maria João Regalo (PS), responsável pelo pelouro do Turismo, apresentou uma proposta relativa ao contrato de comodato desta embarcação, revelando que presentemente a mesma encontra-se “em fase final de construção”, estando prevista a entrega desta no próximo mês de Agosto, de modo a rentabilizá-la, mas “salva- guardando a disponibilização […] ao município”, com as particularidades de quatro horas seguidas de navegação semanal, entre os meses de Maio e Outubro, destinadas às escolas e ao movimento associativo, e seis horas seguidas, mensalmente, durante o mesmo período, totalizando 32 horas disponíveis para o município.

- PUB -

Prevista está ainda a disponibilização, sem limites de horas, a 28 de Julho, data em que se celebra anualmente o Dia da Cidade, a 15 de Agosto, que coincide com o Dia da Procissão Marítima em honra de Nossa Sra. do Rosário, assim como a subida do rio Coina e a celebração do dia da Marinha do Tejo.

“Nestes quatro dias, a embarcação estará disponível, sem limites de horas, ao serviço da [câmara]”, garantiu a autarca. O contrato de comodato, acrescentou, prevê ainda “o desconto, em todos os serviços, da empresa com a qual estamos a estabelecer o [acordo]”, sendo que todos os residentes no concelho poderão contar com “um desconto de 70 por cento nos serviços” prestados e de 20% nas restantes actividades.

Maria João Regalo explicou ao restante executivo que a grande vantagem existente com a realização deste contrato “tem a ver com o facto de a empresa em questão ter um ‘know how’ elevado neste ramos de actividade, [por] só se dedicarem à exploração de embarcações tradicionais do Tejo”, sendo que, as despesas de manutenção e combustível “estarão inteiramente [a seu] cargo”, tendo informado que a mesma opera no Terreiro do Paço, em Lisboa, e “que a embarcação será ainda um grande veículo de promoção do nosso concelho”, destacou, tendo voltado a referir que tanto as instituições como os munícipes barreirenses “vão usufruir de um serviço de excelência”, frisou.

- PUB -

A autarca recordou ainda que no Barreiro não existem “recursos humanos suficientes para prestarmos este serviço”, revelou. Já o presidente Frederico Rosa assegurou ao restante executivo que a câmara fará, anualmente, a reserva de todos os dias que sejam necessários para usufruto local da embarcação. No final a proposta foi aprovada, com dois votos contra da CDU.

Vereação CDU: “Um modelo de negócio lesivo para o município, que não é bom para o Barreiro”

Miguel Amaral, vereador eleito pela CDU, considerou que este “é um modelo de negócio lesivo para o município […] e que não é bom para o Barreiro”, porque a empresa irá entregar ao município “umas migalhas”, tendo classificado este como “um negócio que não é muito digno” para o concelho, questionando-se acerca do “custo” que a operação irá envolver de futuro para o território.

Em comunicado, os eleitos comunistas recordam que “durante os últimos cinco anos, apesar de vários apelos, a embarcação que se encontrava já construída nunca foi posta ao serviço da população, tendo sido mantida sempre em estaleiro”. Acusam ainda o anterior e actual executivo de manterem uma manutenção com a embarcação de 700 mil euros anuais, que ascenderam a um investimento “estimado em um milhão de euros”.

“A empresa ‘Nosso Tejo’ receberá a embarcação com um valor estimado em um milhão
de euros para exercer a sua actividade comercial e, em troca, cederá o barco ao município, para usufruto […] apenas seis horas por semana, em horário muito condicionado, apenas
em dias específicos e mediante aviso com vários meses de antecedência”, destacam, alertando que “não está prevista a possibilidade de [a] utilizar [aos] fins-de-semana”, isto por “um período de dez anos”.

Os vereadores da oposição consideram que há capacidade “para contratar os trabalhadores e os meios técnicos necessários para colocar a muleta a navegar no Barreiro em permanência”, facto de defendem “ter acontecido no decurso dos últimos anos” e “após a finalização da sua construção, criando assim um serviço público ao dispor de toda a população”, acrescentam, constatando que o contrato de comodato “não se afigura vantajoso” para a cidade.

Comentários

- PUB -

Mais populares

Histórica estação rodoviária na 5 de Outubro vai dar lugar a supermercado Continente

Edifício está a ser alvo de estudos há cerca de uma semana, com o objectivo de abrir espaço do grupo Sonae

Hospital da Luz Setúbal confirma nova clínica no centro da cidade

Dr. José Ferreira Santos, director clínico do estabelecimento, confirma pólo adicional para aproximar clientes do centro hospitalar

João Martins: “Deixo uma casa com bom nome e reconhecida”

Criou, desenvolveu e consolidou a Escola Profissional do Montijo (EPM). Ao fim de 29 anos e uns pozinhos, o professor decidiu passar o testemunho
- PUB -