28 Setembro 2022, Quarta-feira
- PUB -
InícioLocalBarreiroNovas publicações sobre os 500 anos do Barreiro disponíveis no AMAC

Novas publicações sobre os 500 anos do Barreiro disponíveis no AMAC

A autarquia barreirense lançou na última semana, no âmbito das comemorações dos 500 anos do Município do Barreiro, duas obras distintas, com o primeiro livro a reunir conteúdos históricos que emanam da exposição que está patente no Espaço Memória, na Baía do Tejo.

- PUB -

A obra, intitulada “500 Anos do Município do Barreiro – Atribuição de Carta de Vila”, foi apresentada na mesma altura da publicação “Barreiro. 500 anos e agora?”, que resultou de um desafio lançado à comunidade artística concelhia, para uma reflexão sobre o presente do território – cinco séculos após a atribuição de Carta de Vila –, e o futuro, na qual estiveram envolvidos um total de 50 artistas locais.

A cerimónia de lançamento dos dois livros comemorativos decorreu no Parque da Cidade.

Na altura, Frederico Rosa, presidente da autarquia, enalteceu a resposta dada à proposta da câmara, referindo que “conseguimos ter um livro marcante para o Barreiro que perspectiva os próximos 500 anos, se ainda assim é possível, feito por gente da terra, ligada à cultura, com intervenção na reflexão cívica”.

- PUB -

O autarca considera que este é “um trabalho fabuloso de José Mendes, na concepção gráfica, com os contributos dos diversos artistas, seja na forma de ilustração, fotografia ou texto”.

O presidente do município apelou ainda à aquisição dos livros, por se tratarem de “peças culturais de reflexão e de história numa obra-prima”, frisou. Ambas as publicações estão disponíveis para venda ao público na bilheteira do Auditório Municipal Augusto Cabrita (AMAC).

Comentários

- PUB -

Mais populares

Transportes em Setúbal: “Isto não está mau. Está péssimo!”

Reuniões com a população expõem drama de grandes dimensões contado em testemunhos trágico-cómicos

Autoeuropa com legionella não pára produção nem avisa trabalhadores

Empresa diz que nenhuma pessoa foi infectada e que está a cumprir a lei

“Reunião” dos bombeiros acaba à chapada e ao pontapé com a PSP a ser chamada ao quartel [corrigida]

Demissões na direcção culminaram com agressões físicas entre bombeiros, entre directores, e entre bombeiros e dirigentes
- PUB -